MP investiga juiz acusado de pagar por sexo enquanto ouvia menores abusados (que alega que o querem tramar)

Joaquim Manuel Silva / Facebook

O juiz Joaquim Manuel Silva do Tribunal de Família e Menores de Mafra.

O Ministério Público (MP) instaurou um inquérito à denúncia feita, no Parlamento, pela dona de uma casa de prostituição que revelou que um juiz pedia para lhe fazerem sexo oral enquanto via vídeos dos menores que acompanha em Tribunal. O juiz visado, Joaquim Manuel Silva do Tribunal de Família de Mafra, nega tudo, fala em “cabala” e insinua que alguém o quer tramar.

Em resposta à agência Lusa, a Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou a instauração do inquérito ao caso, que corre termos na Procuradoria-Geral Regional de Lisboa (PGRL), e adiantou que teve origem numa participação da Assembleia da República.

Ana Loureiro, dona de uma casa de prostituição, denunciou um juiz por usufruir de práticas sexuais enquanto, alegadamente, assistiria no telemóvel a vídeo-conferências com menores. A mulher foi ouvida pelos deputados no âmbito de uma petição que defende a legalização da prostituição em Portugal.

Legalização da prostituição discutida no Parlamento. Há “raparigas que ganham 500 euros por dia”

Segundo a TVI, Ana Loureiro identificou o magistrado Joaquim Manuel Silva, do Tribunal de Família e Menores de Mafra, quando na quinta-feira foi ouvida na PGRL, afirmando que tem outra testemunha que pode confirmar o seu depoimento.

O magistrado já negou as acusações, garantindo que nunca foi sequer à casa de prostituição de Ana Loureiro e que não a conhece.

Magistrado fala em “cabala feminista” e em “muita coincidência”

Joaquim Manuel Silva é considerado por alguns como um “juiz amigo das crianças”, salientando-se que privilegia o superior interesse dos menores nos casos que acompanha.

O magistrado é um particular defensor do regime de residência alternada no âmbito de divórcios ou separações dos progenitores de crianças. Ele deveria ser ouvido sobre esta temática em sede de Comissão Parlamentar, mas a audiência terá sido cancelada após as notícias em torno da denúncia feita por Ana Loureiro.

Também definido por alguns como um “super juiz” da área de Família e Menores, Joaquim Manuel Silva diz que está a ser “vítima de uma cabala orquestrada por movimentos radicais feministas” que se opõem ao regime de residência alternada que aplica à grande maioria dos processos que tem como juiz.

“Isto não pode ser gratuito. Hoje [sexta-feira] tínhamos a audição sobre a residência alternada na Comissão Parlamentar. Foi adiada. A notícia vir na véspera de eu ir à Assembleia da República é muita coincidência. O objectivo está conseguido. Há pessoas contra e pessoas a favor da residência alternada. Quem é o juiz que fixa mais residências alternadas sem problemas? Eu: tenho 50%. Tenho para aí uns 500 processos por ano”, constata o juiz em declarações à Rádio Renascença.

Em declarações à CMTV, o juiz assegura que nunca foi à casa de prostituição de Ana Loureiro e considera que esta denúncia “é uma injustiça enorme”.

“Vou agir contra todas essas pessoas”, frisa ainda, apelando que “é bom que as autoridades investiguem” se seria do interesse de alguém que surgisse este tipo de acusações contra si.

“Nunca pedi declarações de crianças para memória futura”, nota ainda, desmentindo a visualização dos alegados vídeos.

Chamei os meus filhos e chorei com eles. Vivo na aldeia onde cresci, conheço toda a gente, isto é uma loucura, alguém vai ter que pagar por isso”, refere ainda na CMTV.

Joaquim Manuel Silva é visto como uma espécie de “juiz estrela” nesta área, tendo participado em vários debates e programas televisivos, bem como em conferências, a falar do assunto.

O juiz também deu que falar quando chamou uma cadela a Tribunal para decidir uma disputa pelo animal entre um casal de ex-namorados que se tinham separado.

Um episódio do programa “Vidas Suspensas” da SIC mostrou como o magistrado “telefona aos intervenientes nos processos, resolve casos no Facebook e faz audiências via Messenger através do próprio tablet”.

O magistrado é ainda adepto das “constelações familiares”, modelo terapêutico que não é reconhecido pela Ordem dos Psicólogos e que defende que o comportamento de um agressor, por exemplo, reflecte um problema não resolvido no seio de anteriores gerações da sua família.

Esta terapia é considerada, por alguns, como uma abordagem de desculpabilização de agressores. Em Portugal, o magistrado é um dos cinco juízes que enviam casais para esta terapia, no âmbito da resolução de conflitos, segundo noticiou o Público.

Quanto a Ana Loureiro, a mulher defende a legalização da prostitução e a despenalização do crime de lenocínio simples – como dona de uma casa de prostituição, ela incorre neste crime.

A despenalização do crime de lenocínio simples – quando não há coacção das pessoas que se prostituem e se parte do princípio que exercem a actividade de livre vontade – tem estado na ordem do dia depois de decisões de alguns Tribunais da Relação que o consideraram inconstitucional.

Em Março deste ano, o Tribunal Constitucional (TC) emitiu um acórdão onde considera que facilitar a prostituição não deve ser crime, questionando até se o melhor caminho não será descriminalizar o lenocínio simples e regulamentar a actividade.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Onde andava este “super juiz” quando decorria o processo casa pia…sera que nao havia interesse em ter este caso…ou sera coincidência também…

  2. Esclarecimentos precisam-se rapidamente.
    Que existe um movimento feminista alimentado a ódio, existe.
    Se esse movimento faria isto? Talvez.

  3. Que a verdade venha a ser conhecida, mas a origem da acusação parece deixar algumas interrogações, quem for culpado que seja punido devidamente.

  4. Penso que elas deverão ter aprendido com a caso Clinton, se não, são mesmo burras.
    Talvez tenham tirado a radiografia o objecto e saibam alguns pormenores,
    Que é sórdido..é.

  5. … e provas?

    Eu nem gramo essa “raça” (juízes) a quase imputabilidade que gozam e muito menos as reformas de “coitadinhos” que recebem, mas que esta história me parece muito mal contada, e mal intencionada, disso não me parece haver dúvidas.

    Neste país continua a ser possível acusar e arruinar a reputação das pessoas de forma gratuita, e os media sensacionalistas não ajudam em nada.

    A “madame” não tem nada a perder pois já está “queimada”, basicamente disse-lhe “se eu fôr, tu vais junto”.

    O “timing” sugere também algo concertado o que pode ser ainda mais preocupante.

RESPONDER

Nova Iorque quer oferecer vacina aos turistas. Miami vai começar a vacinar no aeroporto

Em Nova Iorque os turistas irão receber a vacina da Johnson & Johnson e em Miami a vacina da Pfizer. Com o objetivo de reativar o turismo na cidade, as autoridades de Nova Iorque querem oferecer …

Carta misteriosa escrita por passageira do Titanic está a intrigar os peritos

Uma equipa de investigadores está a tentar desvendar um mistério que envolve uma carta que terá sido escrita por uma jovem a bordo do Titanic na véspera do naufrágio. Uma família encontrou a carta numa garrafa …

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …