Cultura vai ter apoio de 42 milhões sem concurso e a fundo perdido

A ministra da Cultura anunciou, esta quinta-feira, as medidas de apoio destinadas ao setor, que é um dos mais afetados pelas restrições decididas pelo Executivo para mitigar a pandemia da covid-19 em Portugal.

Numa conferência de imprensa ao lado do ministro da Economia, a titular da pasta da Cultura, Graça Fonseca, começou por anunciar o programa “Garantir Cultura”, com uma dotação global de 42 milhões de euros, numa primeira fase, que dará um apoio “universal, não concursal e a fundo perdido”.

Esta medida é a “materialização do programa criado pela lei do Orçamento do Estado 2021 de apoio ao trabalho artístico”, afirmou a ministra, acrescentando que tem como destinatários entidades coletivas (como teatros, salas de espetáculo, produtores, promotores, agentes, salas de cinema independentes, cineclubes, associações), mas também pessoas singulares (como artistas, técnicos e autores).

A governante informou ainda que os concursos da Direção-Geral das Artes (DGArtes) não irão abrir em 2021, “em função da excecionalidade do ano”, estando, no entanto, garantido o apoio aos projetos artísticos.

Entre as várias medidas anunciadas conta-se “a atribuição de apoio às 75 entidades elegíveis, não apoiadas, do concurso 2020-2021″, de apoio sustentado, uma medida com um impacto de 12 milhões de euros, nos dois anos.



Esta é uma parcela dos cerca de 43,4 milhões previstos, de financiamentos da DGArtes, até 2022, conjugando as entidades abrangidas nas áreas dos apoios sustentados e de apoio a projetos.

No mesmo período, haverá um complemento de apoio de um milhão de euros às 12 entidades parcialmente apoiadas no concurso de apoio sustentado 2020-2021. Nesta área, será também renovado o apoio às 186 entidades, já apoiadas nos concursos bienal e quadrienal, em 2022, num total previsto de 22 milhões de euros.

Estão ainda reservados, para este ano, 8,4 milhões de euros para as 368 estruturas artísticas não financiadas no concurso de 2020, no âmbito de apoio a projetos.

Apoios para o cinema, música, setor livreiro e museus

Quanto ao Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), Graça Fonseca revelou que o Estado irá apoiar esta instituição com mais 1,4 milhões de euros, apoiando mais seis obras audiovisuais.

No setor da música, o Governo vai fixar a quota de musica portuguesa nas rádios em 30%, um aumento de cinco pontos percentuais à quota atual (25%).

No setor livreiro, a ministra começou por anunciar 24 bolsas de criação literária para apoiar os autores: 12 anuais, com valor individual de 15 mil euros, e 12 semestrais, com valor individual de 7500 euros. A medida tem um impacto de 270 mil euros, um reforço de 90 mil face a 2019.

O Executivo vai também adquirir livros a pequenas e médias livrarias, no valor de 300 mil euros, para distribuir pelas bibliotecas da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas. Vai ainda ser lançada uma linha de apoio à edição para editoras no valor 300 mil euros.

No caso dos museus, a governante anunciou uma linha de 600 mil euros para os que se encontram na Rede Portuguesa de Museus. O lançamento do aviso para as candidaturas será feito em fevereiro.

Questionada pelos jornalistas sobre os espetáculos que foram cancelados por causa do novo confinamento, a ministra disse que estes terão de ser reagendados até 31 de março.

Apoio universal de 438 euros

A ministra apresentou também um apoio universal de 438,81 euros, referente a um Indexante dos Apoios Sociais (IAS), a todos os trabalhadores do setor que tenham um Código de Atividade Económica (CAE) ou IRS no setor da Cultura.

Este é um apoio acumulável com outros apoios generalizados ao resto da população e a governante estimou que há cerca de 18 mil profissionais que poderão vir a recebê-lo.

“O que faremos é um apoio a todos os trabalhadores com um objetivo muito particular: que ninguém fique excluído deste apoio. Tudo vamos fazer para que ninguém fique para trás”, afirmou.

Todas as medidas anunciadas pela ministra poderão ser consultadas nesta apresentação disponibilizada pelo Governo no seu site oficial.

Questionada pelos jornalistas sobre o encerramento dos equipamentos culturais neste novo confinamento geral, e com as recentes críticas pelo facto de as celebrações religiosas poderem continuar a acontecer, Graça Fonseca justificou-se com a Constituição.

“Em momento algum foi suspenso o direito à liberdade religiosa. Não foi suspensa no primeiro confinamento e não foi suspensa agora”, afirmou a ministra, destacando que a Constituição portuguesa não o permite e que, em março, as missas não se realizaram por própria iniciativa da Igreja.

Compreendo bem a frustração sobre o impacto que esta decisão tem, mas realço que ontem e hoje morreram 150 pessoas em Portugal. Estamos confrontados com uma situação pandémica, que tem que nos fazer reagir a todos.”

ZAP, Filipa Mesquita // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nove militares da GNR acusados de tortura

O Ministério Público (MP) do Porto acusou nove militares da GNR dos crimes de tortura e outros tratamentos cruéis, degradantes ou desumanos e sequestro agravado. O Ministério Público (MP) do Porto acusou nove militares da GNR, …

Costa garante que Lisboa terá o mesmo tratamento que os outros concelhos

Esta quarta-feira, num dia em que Portugal registou 1.350 novos casos ( 928 dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo), o primeiro-ministro afirmou que a capital terá o mesmo tratamento que os …

Salgado disposto a pagar à massa falida do GES para ficar isento de cumprir pena

Ricardo Salgado está disposto a pagar à massa falida do GES para ser dispensado de cumprir pena no processo que o irá julgar por três crimes de abuso de confiança, segundo a contestação da defesa …

PJ detém 12 pessoas por suspeitas de corrupção na Câmara de Loures

Entre os detidos pela Polícia Judiciária (PJ) estão dois empreiteiros, um arquiteto, um empresário ligado a uma obra particular e oito fiscais. Através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção e no âmbito de inquérito dirigido …

Casos disparam: 1350 novas infeções e seis óbitos

Nas últimas 24 horas, houve 1.350 novos casos positivos de covid-19 e morreram seis pessoas, segundo os dados do boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). Portugal registou 1.350 novos casos e seis óbitos por covid-19 …

Parlamento vai ouvir Medina e ministro dos Negócios Estrangeiros

Fernando Medina e Augusto Santos Silva vão ser ouvidos no Parlamento sobre o caso da partilha de dados pessoais de ativistas russos. O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e o ministro dos Negócios …

Mudanças na lei laboral podem prejudicar a retoma, avisa Centeno

É crucial para a retoma que haja "estabilidade e previsibilidade na legislação laboral", de forma a estimular o investimento empresarial e o crescimento económico, afirmou esta quarta-feira o governador do Banco de Portugal (BdP), Mário …

Costa, Von der Leyen na Cimeira Social no Porto

Von der Leyen dá luz verde ao Plano de Recuperação e Resiliência português. E "não é por acaso"

O primeiro-ministro, António Costa, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciaram esta quarta-feira que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) foi aprovado por Bruxelas.  A presidente da Comissão Europeia, Ursula von …

Kim Jong-un reconhece que país enfrenta "situação de tensão alimentar"

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, reconheceu que o país está a enfrentar uma "situação de tensão alimentar", informaram hoje os meios de comunicação oficiais. O país, cuja economia é alvo de múltiplas sanções internacionais impostas em …

Iniciativa Liberal apoia recandidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto

A Iniciativa Liberal vai apoiar a recandidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto nas próximas eleições autárquicas, considerando “inquestionável a mudança e o desenvolvimento” da cidade desde que o independente assumiu a presidência do …