Covid-19. Marcelo garante que “tudo será feito” para que informação seja verdadeira

António Pedro Santos / Lusa

O Presidente da República disse hoje que “tudo será feito” para garantir que a informação transmitida aos portugueses é verdadeira, algo necessário para “destruir rumores” e distinguir os lapsos na comunicação sobre os números da covid-19.

“Aquilo que posso garantir é que naquilo que depender de mim e de todas as autoridades com as quais estou em contacto permanente [primeiro-ministro, ministra da Saúde e diretora-geral da Saúde], tudo certamente será feito para que aquilo que é transmitido aos portugueses seja verdadeiro”, disse aos jornalistas Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente Republica realizou hoje à tarde reuniões presenciais e por videoconferência com representantes do setor social, Manuel Lemos da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), e o padre Lino Maia, presidente da Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade Social (CNIS), e o presidente da Câmara Municipal de Ovar, Salvador Malheiro.

Referindo-se ao lapso de terça-feira, que originou a contabilização de um óbito por covid-19 que não se confirmou, Marcelo Rebelo de Sousa alertou para o trabalho envolvido na recolha e transmissão desta informação em todo o país.

As pessoas não imaginam o que é recolher esta informação na hora, de todo o país, processá-la, calculá-la e transmiti-la. Agora uma coisa é haver lapsos, outra coisa é a preocupação que tem de haver de informação o mais correta possível e que possa destruir rumores”, frisou.

O chefe de Estado considerou que “é natural” em situações de crise surgirem dúvidas e interrogações na cabeça das pessoas sobre a “verdade das informações” e que isso “tem de ser esclarecido permanentemente”.

 

“O país precisa e vai precisar muito do setor social”

Questionado se teme que se rompa a rede de instituições particulares de solidariedade social (IPSS) em Portugal, o chefe de Estado respondeu: “O país precisa muito do setor social. Precisou por razões muito particulares de modo intenso durante a crise económica e financeira. Vai precisar, com os efeitos económicos e sociais da crise da saúde”.

“Vai precisar por duas razões. Primeiro, porque esses efeitos vão ser mais longos do que a crise da saúde. Não são penas efeitos durante alguns meses, serão mais longos. Segundo, porque essas instituições cobrem todas as gerações, vão das creches até aos lares, centros de idosos de dia”, argumentou.

O Presidente da República referiu que os idosos são “o grupo mais sensível e menos protegido para esta pandemia” e “um grupo que precisa muito desta cobertura social”.

“Por isso é que eu pedi para falar com os responsáveis, para me inteirar de que está a ser feito tudo o que está ao seu alcance para manter essa confiança na sociedade portuguesa, porque vai ser muito importante para o futuro, para o próximo e para o longínquo”, justificou.

Marcelo Rebelo de Sousa destacou a situação dos lares e disse que lhe foi reportado que “o levantamento que fizeram a nível de país permitia de alguma maneira sossegar as pessoas que ficaram preocupadas” quanto às condições de funcionamento destes equipamentos sociais.

“Daí a preocupação com o ir acompanhando o estado de saúde do pessoal que trabalha nesses lares, daí a preocupação com o seu enquadramento familiar, daí a preocupação com a própria desinfeção dos lares, tudo isso tarefas importantes de que me falaram e que me disseram que estavam a acompanhar muito de perto“, prosseguiu.

Ainda sobre este assunto, considerou: “Eu tenho de acreditar naquilo que me disseram esses responsáveis quanto ao que já tinham feito e ao que estão a fazer e ao que vão fazer para garantir que realmente se reduz até ao limite do possível um risco que sabemos que existe”.

O chefe de Estado aproveitou esta ocasião para se dirigir à população mais velha: “Renovo o apelo àqueles que, como eu, têm mais de 70 anos, e não exercem cargos públicos ou políticos, para que mantendo os seus passeios higiénicos, sozinhos ou com animais de estimação, também não levem muito longe a tentação dos contactos, porque têm um grau de risco maior do que os outros estratos da população”.

“Acho que o passeio higiénico significa, para alguns casos, o encontro com amigos, com companheiros de jogo nos jardins onde que se encontram, damas num caso, sueca noutro caso. Isso está interrompido, isso está suspenso. É um apelo reforçado que eu faço, porque percebo que eles se sintam muitas vezes solitários e queiram voltar aos hábitos que são os hábitos da normalidade, mas não estamos a viver um momento normal”, insistiu.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Rui Pinto colocado em prisão domiciliária

O hacker Rui Pinto, criador do Football Leaks e autor das revelações do caso Luanda Leaks, foi colocado em prisão domiciliária esta quarta-feira. Rui Pinto, que estava em prisão preventiva desde 22 de março de 2019, …

Detidas 33 pessoas desde a renovação do estado de emergência

A PSP e a GNR detiveram, até terça-feira, 33 pessoas pelo crime de desobediência desde 3 de abril, totalizando 141 as detenções feitas desde o início do estado de emergência, indicou o Ministério da Administração …

Bruxelas disponibiliza 300 milhões de euros a pequenas e médias empresas para alavancar investimentos

O programa "Escalar" disponibiliza 300 milhões de euros, através do Fundo Europeu de Investimento, para apoiar investimentos de pequenas e médias empresas "promissoras" que queiram crescer. A Comissão Europeia anunciou que vai disponibilizar 300 milhões de …

Maçonaria cancela eleições e proíbe rituais em sessões virtuais

A pandemia de Covid-19 levou o Grão Mestre do Grande Oriente Lusitano, Fernando Lima, a principal obediência maçónica em Portugal, a cancelar as eleições e a proibir os encontros com rituais maçónicos 'online', visto que …

Mourinho quebra regras e assume que errou ao ir treinar com Ndombele

Fotografias e vídeos divulgados nas redes sociais mostram José Mourinho e os jogadores do Tottenham a treinar juntos e a violar as regras de segurança impostas devido ao surto do novo coronavírus. O Tottenham, treinado por …

Rússia bate recordes de infeções diárias. Em Itália, o número de mortes voltou a diminuir

Há três dias consecutivas que o número de novos casos bate recordes de crescimento na Rússia. Já em Itália, o número de mortes voltou a diminuir esta quarta-feira. Pelo terceiro dia consecutivo, o crescimento de número …

Governo prepara apoios aos media "à medida das televisões"

O Governo está a preparar medidas de apoio aos meios de comunicação social, gravemente afetados pela crise causada pela pandemia de Covid-19. Contudo, como considerou o administrador da Global Media Group, Afonso Camões, citado pelo Dinheiro Vivo, tudo …

Archewell. Harry e Meghan registam a sua nova marca

O príncipe Harry e Meghan Markle registaram a sua nova marca, uma fundação sem fins lucrativos chamada Archewell. De acordo com o jornal britânico The Guardian, que cita registos datados de 3 de março, a marca …

Libertação de reclusos. Esquerda ao lado do Governo garante aprovação

PSD, CDS-PP, PAN e Iniciativa Liberal manifestaram reservas ao diploma que prevê a concessão de indultos e antecipação do fim das penas para reclusos que tenham cometido crimes pouco graves. A proposta do Governo que cria …

Galp anuncia cortes de 500 milhões de euros por ano devido à pandemia

A Galp Energia decidiu cortar mais de 500 milhões de euros por ano dos seus custos operacionais e investimentos para 2020 e 2021, visando fazer face ao impacto da pandemia de Covid-19 na procura de …