Marcelo defende alteração “muito pequenina” da lei de nomeação de familiares

José Sena Goulão / Lusa

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República defendeu que mudar a lei da nomeação de familiares para cargos na administração pública exige uma alteração “muito simples” e “muito pequenina”, não sendo necessário um novo diploma.

Em declarações ao jornal i, o chefe de Estado, diz que “aquilo que se propõe é saber se aquilo que existe para a Administração Pública em geral, se se aplica ou não aos gabinetes dos políticos, ou seja, dos parlamentares e dos governos. É só isso”.

Já o presidente do PSD, Rui Rio, considerou no sábado ser “muito difícil, se não impossível”, criar uma lei para limitar um “problema ético” como as nomeações de familiares de titulares de cargos políticos, sublinhando que tentar fazê-lo em clima pré-eleitoral “é perigoso”.

Nos últimos dias tem sido notícia as nomeações de familiares para cargos políticos e na semana passada o secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, pediu a demissão na sequência de ter sido tornado público que nomeou o primo Armindo Alves para adjunto do seu gabinete.

Em causa está a revisão do código do procedimento administrativo, em vigor desde 1991, e no qual estão previstas as limitações de nomeações de familiares para cargos na Administração Pública.

Marcelo Rebelo de Sousa afirma que é com casos destes que surgem “os populismos”. “A vida não é só campanhas eleitorais” e “o país não acaba nem em maio nem em outubro”, adverte o chefe de Estado.

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu que deve ser definido um “critério claro e uniforme” sobre limitações dos direitos dos familiares de titulares de cargos políticos, que valha para o atual e para futuros governos, em virtude dos diversos casos que têm sido conhecidos de nomeações de familiares de governantes para gabinetes no executivo ou aparelho do Estado.

O PS saudou o repto do primeiro-ministro para que o parlamento legisle sobre critérios de nomeações de familiares, com os restantes partidos a remeterem esta matéria para o Governo e para os domínios da ética e bom senso.

Em declarações aos jornalistas no parlamento, representantes do PSD, CDS-PP, BE e PCP disseram, contudo, que se existirem iniciativas legislativas do Governo ou do PS, estarão disponíveis para o debate e para um eventual aperfeiçoamento legislativo.

// Lusa

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. O princípio fundamental é a o da ‘etica’.

    Faltando a ética, é impossivel escrever uma lei que impeça “uns” de contratar os familiares dos “outros”, em instituições, empresas públicas e/ou organismos do Estado “diferentes”.

    • Claro que ñ. O homem das selfies que tem o complexo de sofômano, mas que ñ passa de treteiro mor, ñ está nada interessado no exemplo da França. Ou seja: a corrupção em Portugal mexe com interesses poderosos.

  2. O que é que esse Rui Rio, que me desiludiu completamente, terá escondido na manga, para dizer que uma lei que impeça o regabofe de familiares no governo, seja quase impossível de fazer. 1º não pensei que ele fosse tão limitado intelectualmente,depois, tendo temos que reconhecer que os Franceses, devem ser um Génio, porque tem exactamente uma lei dessas e funciona. No mínimo, copiem a deles. Constacto, que o PSD,continua muito mal servido. E continua muito mal servido, porque os seus empregados,escolhem aqueles que melhor os poça servir, e é também por isso que estão na desgraça que estão.

  3. Temos de começar este debate do pressuposto que os nossos políticos são um bando de ladrões. Assim sendo, a ética nunca os demoverá. Mesmo a imposição de uma lei apenas os levará a arranjar uma qualquer forma de a contornar. O problema em Portugal é que há muito boa gente a viver da política e que não sabe fazer mais nada.
    Isto resolve-se muito facilmente: Estado muito pequeno; nível de impostos o mais baixo possível e assim a mama vai acabar para a grande maioria.
    Estes politiqueiros apenas defendem o pseudo-estado-social porque isso implica muito dinheiro de impostos e logo muita tachada para os amigos e grandes negociatas. Exijam um estado mínimo e esta gente até treme.

    • Mas porque é que eles querem 230 da A. R.? Porque é que eles não abdicam de um Estado pesadão e de uma carga de impostos sobre os contribuintes? Quanto maior é o Estado mais dinheiro eles movimentam e passam por debaixo da mesa e mais tachos arranjam para os amigos e familiares. Alguma vez eles vão mudar as coisas??

  4. Selfies famiralizadas
    Buscam todos o melhor para eles ..e só eles…e depois eles..e o Zé Povinho é que tira a fotografia

Responder a i-li Cancelar resposta

Taxa sobre produtos poluentes rendeu 200 milhões em dois anos

A taxa aplicada sobre produtos poluentes - plástico, cartão, embalagens de vidro, entre outros -, rendeu ao Estado português 199,6 milhões de euros em dois anos, avança o Jornal de Notícias esta segunda-feira. O valor, arrecadado …

"Mito sem sentido". Santos Silva rejeita que Portugal seja "amigo especial" da China

O ministro dos Negócios Estrangeiros rejeitou, em entrevista ao Financial Times, que Portugal esteja a desenvolver uma dependência problemática relativamente à China. É um "mito sem sentido", defendeu Augusto Santos Silva. O governante falou ao …

Justiça espanhola liga ex-ministro a alegado caso de corrupção. António Vitorino nega

A Justiça espanhola diz que o ex-ministro socialista se terá apropriado de 35 milhões de euros da petrolífera estatal venezuelana PDVSA. António Vitorino nega. A justiça espanhola alega que uma sociedade de António Vitorino, antigo ministro …

Há um obstáculo que pode travar a primeira condenação de Salgado

Ricardo Salgado foi condenado a pagar 4 milhões de euros e proibido de ser banqueiro nos próximos dez anos. No entanto, ainda há um último obstáculo que pode travar a sua condenação. O Tribunal Constitucional rejeitou …

Diplomatas portugueses salvaram entre 60 mil e 80 mil vidas durante a II Guerra Mundial

Os diplomatas portugueses terão salvo entre 60 mil a 80 mil refugiados do regime nazi, maioritariamente judeus, durante o período da II Guerra Mundial, estimou a historiadora Irene Flunser Pimentel em entrevista à agência Lusa. Além …

"Absolutamente determinantes." Autárquicas de 2021 vão ser a prova de fogo de Rui Rio

Rui Rio foi reeleito presidente do PSD este sábado, mas tem pela frente vários desafios. O maior deles todos serão as autárquicas de 2021 que vão ditar muito do seu futuro político.  Rui Rio mostrou-se disponível …

Deputados do PS querem reabrir linha do Tâmega

Os deputados do PS do distrito do Porto querem que a linha do Tâmega, que fazia a ligação ferroviária entre Livração, em Marco de Canaveses, e Amarante, como existia até março de 2009, seja reaberta …

Joacine disposta a fazer "cedências necessárias". Livre diz que só por milagre as relações serão retomadas

O Livre decidiu retirar a confiança política a Joacine Katar Moreira. A deputada única do partido admite fazer as cedências necessárias, mas o partido diz que só por milagre as relações entre os dois vão …

Jorge Jesus diz que o campeonato português está pior (mas que o Benfica tem mais qualidade)

Jesus diz que o campeonato português está pior em comparação com outros anos, mas acredita que o Benfica está "num patamar superior" em relação a Porto e Sporting. Depois de um mês de férias em Portugal …

Governo prepara fim do eldorado fiscal com dois níveis de tributação

O Governo está a preparar fim da isenção fiscal para reformados estrangeiros (o "eldorado fiscal") através de dois níveis de tributação. O Correio da Manhã avança esta segunda-feira que o Executivo socialista deverá avançar com uma …