Marcelo diz que desconfinamento não agravou surto de covid-19

Manuel de Almeida / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve reunido esta segunda-feira com especialistas, políticos e parceiros sociais para analisar os dados relativos às primeiras duas fases de desconfinamento.

À saída da reunião, que se realizou em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa destacou os sinais positivos. “Há aspetos positivos. É positivo a tendência de diminuição do número de internados, é positiva a tendência de diminuição do número de internados em cuidados intensivos. É positivo, dentro da relatividade das coisas, a diminuição do número de óbitos. É positiva a evolução sentida na larguíssima maioria das áreas territoriais do pais. As regiões autónomas, o Alentejo, Algarve, zonas Norte e Centro”.

“Mais do que isso, as projeções aqui apresentadas quanto à pressão sobre o SNS são positivas. Ao ritmo de novos casos de internamento – 25, 30, 35 – temos uma estabilização na pressão no SNS”, acrescentou.

O Presidente disse ainda que Portugal está em linha com outras “experiências europeias de desconfinamento”, em que o R anda à volta de 1.

“A primeira conclusão provisória que decorreu foi a de que não há sinais que as duas primeiras fases de desconfinamento tenham provocado em termos do país um agravamento da expressão do surto epidémico. A haver sinais, é no sentido de uma estabilização na descida, lenta”.

Questionado sobre a dualidade de critérios entre setores que já abriram e outros que não, Marcelo disse que, comparando com os outros países, “Portugal ainda hoje tem um regime de confinamento dos mais elevados da Europa.

Sobre a imagem externa do país, o Presidente disse que não considera que “a verdade e transparência quanto aos números na evolução do surto tenha prejudicado a imagem externa do país”.

Em relação aos dados registados na região de Lisboa e Vale do Tejo, Marcelo disse que “houve uma análise muito cuidadosa daquilo que se passa”. Uma hipótese possível “é de ter havido um atraso na expressão mais intensa do surto na região de Lisboa e Vale do Tejo no tempo, relativamente às outras regiões. Esta subida a que assistimos é retardada no tempo relativamente a outras regiões.”

O Presidente defendeu ainda que há uma “perceção pela opinião pública de um agravamento na região de Lisboa e vale do Tejo que é superior ao agravamento efetivo”. “Há uma perceção que até é injusta para outras regiões, porque quando temos a lista dos municípios com maior incidência de surto, nos primeiros 10 não está nenhum município de Lisboa e Vale do Tejo. Já esquecemos o que houve no norte e centro de forma muito acentuada em fases anteriores”.

Marcelo disse ainda que vale a pena investigar o peso da construção civil e do trabalho temporário no grande crescimento do número de casos em Lisboa e Vale do Tejo.

Já sobre as manifestações, Marcelo não condenou a sua realização, apelando apenas ao comportamento cívico.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Dois anos depois, primeiro produto de canábis chega às farmácias em abril

Dois anos depois de aprovada a lei, as farmácias portuguesas já receberam "luz verde" para começar a vender o primeiro produto de canábis a partir de abril. De acordo com o Jornal de Notícias, que avança …

"Sucesso completo". China declara (outra vez) que erradicou a pobreza extrema

O Presidente da China, Xi Jinping, declarou esta quinta-feira oficialmente que o país concluiu a "árdua tarefa" de erradicar a pobreza extrema, apontando que 98,99 milhões de pessoas saíram daquela condição nos últimos oito anos. "Hoje, …

Relatório acusa príncipe saudita de aprovar a morte de Khashoggi

Um relatório da inteligência norte-americana conclui que o príncipe herdeiro saudita aprovou o assassínio do jornalista Jamal Khashoggi, em 2018. O príncipe herdeiro e governante da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, aprovou o assassínio em 2018 …

Venda de barragens. Terra de Miranda acusa EDP de fraude fiscal

O Movimento Cultural da Terra de Miranda suspeita que o negócio das barragens da EDP foi arquitetado de forma a escapar ao pagamento de impostos. Em causa está o pagamento de 110 milhões de euros …

Entre acusações a um Governo "incompetente" que "saiu do armário", foi aprovado o estado de emergência até 16 de março

Esta quinta-feira foi aprovada, na Assembleia da República, a renovação do estado de emergência até 16 de março. O decreto passou com votos a favor do PS, PSD, CDS, PAN e deputada não inscrita Cristina …

Alterações climáticas geram mais de 12 mil milhões de euros de perdas anuais na UE

Na apresentação da nova estratégia de Bruxelas para fazer face à crise ambiental, o vice-presidente executivo da Comissão Europeia, Frans Timmermans, afirmou que o combate às alterações climáticas já não passa apenas pela redução das …

Finalizada vacina da Moderna para combater variante sul-africana da covid-19

A vacina da Moderna, alterada para combater também a variante sul-africana da covid-19, está pronta e foi enviada, na quarta-feira, a vários institutos de saúde norte-americanos para o início dos testes clínicos. Como lembrou a TSF, …

Ex-agente sírio condenado na Alemanha por cumplicidade em crimes contra a Humanidade

A justiça alemã condenou, esta quarta-feira, um ex-membro dos serviços secretos sírios a quatro anos e meio de prisão por "cumplicidade em crimes contra a Humanidade" no primeiro julgamento no mundo ligado aos abusos atribuídos …

França pondera passaporte de vacinação e códigos QR para regresso à "normalidade"

O governo do Presidente francês Emmanuel Macron está a estudar formas de recuperar alguma normalidade, admitindo a implementação de passaporte de vacinação e soluções com código QR para cruzar fronteiras e ter acesso a restaurantes, …

Na Suíça, os jovens vão poder voltar a cantar. Nos EUA, teme-se o impacto da variante britânica

A Suíça vai avançar com a primeira fase de um plano de desconfinamento cauteloso. Nos Estados Unidos, a variante britânica preocupa. Depois de a Suíça ter proibido o canto em dezembro do ano passado, os jovens …