Marcelo diz que desconfinamento não agravou surto de covid-19

Manuel de Almeida / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve reunido esta segunda-feira com especialistas, políticos e parceiros sociais para analisar os dados relativos às primeiras duas fases de desconfinamento.

À saída da reunião, que se realizou em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa destacou os sinais positivos. “Há aspetos positivos. É positivo a tendência de diminuição do número de internados, é positiva a tendência de diminuição do número de internados em cuidados intensivos. É positivo, dentro da relatividade das coisas, a diminuição do número de óbitos. É positiva a evolução sentida na larguíssima maioria das áreas territoriais do pais. As regiões autónomas, o Alentejo, Algarve, zonas Norte e Centro”.

“Mais do que isso, as projeções aqui apresentadas quanto à pressão sobre o SNS são positivas. Ao ritmo de novos casos de internamento – 25, 30, 35 – temos uma estabilização na pressão no SNS”, acrescentou.

O Presidente disse ainda que Portugal está em linha com outras “experiências europeias de desconfinamento”, em que o R anda à volta de 1.

“A primeira conclusão provisória que decorreu foi a de que não há sinais que as duas primeiras fases de desconfinamento tenham provocado em termos do país um agravamento da expressão do surto epidémico. A haver sinais, é no sentido de uma estabilização na descida, lenta”.

Questionado sobre a dualidade de critérios entre setores que já abriram e outros que não, Marcelo disse que, comparando com os outros países, “Portugal ainda hoje tem um regime de confinamento dos mais elevados da Europa.

Sobre a imagem externa do país, o Presidente disse que não considera que “a verdade e transparência quanto aos números na evolução do surto tenha prejudicado a imagem externa do país”.

Em relação aos dados registados na região de Lisboa e Vale do Tejo, Marcelo disse que “houve uma análise muito cuidadosa daquilo que se passa”. Uma hipótese possível “é de ter havido um atraso na expressão mais intensa do surto na região de Lisboa e Vale do Tejo no tempo, relativamente às outras regiões. Esta subida a que assistimos é retardada no tempo relativamente a outras regiões.”

O Presidente defendeu ainda que há uma “perceção pela opinião pública de um agravamento na região de Lisboa e vale do Tejo que é superior ao agravamento efetivo”. “Há uma perceção que até é injusta para outras regiões, porque quando temos a lista dos municípios com maior incidência de surto, nos primeiros 10 não está nenhum município de Lisboa e Vale do Tejo. Já esquecemos o que houve no norte e centro de forma muito acentuada em fases anteriores”.

Marcelo disse ainda que vale a pena investigar o peso da construção civil e do trabalho temporário no grande crescimento do número de casos em Lisboa e Vale do Tejo.

Já sobre as manifestações, Marcelo não condenou a sua realização, apelando apenas ao comportamento cívico.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Football Leaks. PGR e FPF só souberam de ataques informáticos pela PJ

A Procuradoria Geral da República (PGR) e a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) só souberam que tinham sido alvo de ataques informáticos através da Polícia Judiciária (PJ), revelou esta quinta-feira o inspetor José Amador no …

Governo prolonga prazo das moratórias até setembro de 2021. Portugal em contingência até 14 de outubro

O Conselho de Ministros decidiu prorrogar, esta quinta-feira, a vigência da situação de contingência em Portugal continental até às 23h59 de 14 de outubro. As moratórias de crédito foram prolongadas até 30 de setembro de …

Trump diz que diretrizes mais rigorosas para aprovação de vacina são “jogada política”

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse, esta quarta-feira, que a Casa Branca “pode ou não” aprovar novas directrizes da Food and Drug Administration. As novas diretrizes para aprovação de vacina contra a covid-19 exigem …

Maduro insta ONU a criar fundo que garanta alimentos e medicamentos

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, propôs que a Organização das Nações Unidas (ONU) crie um fundo rotativo de compras públicas para garantir o acesso a alimentos e a produtos de saúde, financiado com recursos …

Mais três mortes e 691 novos casos de covid-19 em Portugal

Portugal regista, esta quinta-feira, mais três mortes e 691 novos casos de infeção por covid-19 em relação a quarta-feira, mostra o boletim mais recente da Direção-Geral de Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da …

2 em 1. Ryanair está a oferecer um voo na compra de outro (e é só hoje)

Já estava com saudades de viajar e conhecer novos países? A Ryanair não quer que lhe falte nada. A companhia aérea low cost lança uma promoção “inédita” e garante uma oferta 2 em 1. As …

Autarca de Almada diz que declarações sobre Bairro Amarelo foram descontextualizadas

A presidente da Câmara de Almada disse esta quarta-feira que as suas afirmações sobre o Bairro Amarelo surgiram em resposta a uma pergunta feita pelo Bloco de Esquerda (BE), considerando que foram descontextualizadas devido …

Vendas tardam em recuperar. Empresas pouco preparadas para mudanças

Um estudo do Banco de Portugal (BdP), publicado na quarta-feira, revelou que as empresas enfrentam um "cenário de recuperação muito gradual" do volume de negócios para níveis anteriores à pandemia e poucas estão preparadas para …

Hospital de Lisboa deixou entrar pessoas sem máscara

O Hospital da Luz, em Lisboa, permitiu a entrar e circulação de pessoas sem máscara dentro das instalações. O hospital garante que foi um "erro humano" e que não voltará a acontecer. A Rádio Renascença escreve, …

A Estação Espacial Internacional moveu-se para evitar uma colisão

Esta terça-feira, a Estação Espacial Internacional realizou uma "manobra de evasão" para evitar ser atingida por um pedaço de lixo espacial. Controladores de voo russos e norte-americanos terão trabalhado em conjunto para mover a Estação Espacial …