Malásia suspeita que desaparecimento do voo MH370 foi ataque suicida

(cv)

O ex-primeiro ministro australiano Tony Abbott disse que altos responsáveis do governo da Malásia suspeitam há muito tempo que o desaparecimento do avião da Malasian Airlines, há quase seis anos, tenha sido um ataque suicida do piloto.

Abbott era primeiro-ministro quando desapareceu o voo 370 da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, no dia 8 de março de 2014, quando voava de Kuala Lumpur para Pequim.

A Austrália coordenou aquilo que se transformou na maior busca na história da aviação, mas não conseguiu encontrar o avião antes do final do ano de 2017, quando foram dadas por terminadas as buscas.

Falando num documentário da Sky News, que será transmitido esta quarta e quinta-feira, Abbott disse que as autoridades de “alto nível” da Malásia acreditam que o piloto veterano Zaharie Ahmad Shah tenha deliberadamente derrubado o avião.

“O meu claro entendimento é que, desde os níveis mais altos do governo da Malásia, desde muito cedo, pensaram que era ataque suicida do piloto”, disse Abbott, que foi primeiro-ministro da Austrália entre 2013 e 2015.

“Não vou dizer quem disse o quê a quem, mas deixe-me reiterar: quero ser absolutamente claro, foi entendimento nos níveis mais altos que quase certamente foi ataque suicida do piloto”, acrescentou.

Um relatório de investigação independente liderado pela Malásia, divulgado em 2018, concluiu que a rota do avião foi alterada manualmente, mas não nomeou um suspeito e levantou a possibilidade de “intervenção de terceiros”. Contudo, os investigadores disseram que a causa do desaparecimento do avião não será determinada até que os destroços e as caixas negras sejam encontrados.

O Ministério dos Transportes da Malásia não respondeu às perguntas da Associated Press sobre as observações do ex-líder australiano.

A Malásia sofreu uma mudança de governo desde o desaparecimento do avião, depois de o primeiro-ministro Mahathir Mohamad ter derrubado o executivo liderado por Najib Razak, cujo partido governava a Malásia desde sua independência, em 1957.

A família do piloto negou há muito tempo que fosse suicida. O relatório da investigação concluiu que não havia evidências de comportamento anormal ou stresse nos dois pilotos e que nenhum dos passageiros tinha alguma vez recebido treino para pilotar.

Vários familiares das vítimas, devastados pelo desaparecimento, acusaram no passado a companhia aérea e o governo da Malásia de esconder informações sobre a tragédia.

Abbott disse que não acredita que as teorias da conspiração centradas no governo da Malásia, proprietário da Malaysia Airlines.

“Eu li todas essas histórias [que indicam] que os malaios supostamente não queriam que a teoria do ataque suicida vingasse porque estavam envergonhados por um dos seus pilotos eventualmente fazer isso. Não tenho motivos para aceitar tal teoria”, disse.

As operações de busca lideradas pela Austrália percorreram 120.000 quilómetros quadrados (46.000 milhas quadradas) no sul do Oceano Índico e custaram 200 milhões de dólares australianos (123,4 milhões de euros). Mais tarde, uma busca privada realizada pela empresa Ocean Infinity, com sede no Texas, pesquisou mais de 96.000 quilómetros quadrados (37.000 milhas quadradas) de mar.

Os detritos que deram à costa na zona ocidental no Oceano Índico foram confirmados como sendo do Boeing 777 desaparecido e indicaram uma vasta extensão do oceano onde o avião provavelmente caiu, depois de ficar sem combustível.

Austrália, Malásia e China concordaram, em 2016, que uma busca oficial só seria retomada se os três países tivessem evidências fiáveis que identificassem uma localização específica para os destroços. A maioria dos passageiros era chinesa.

Nas declarações emitidas, Abbott defendeu que se justificava uma nova investigação.

“Vamos supor que foi um ataque suicida do piloto e, se houver alguma parte desse oceano que possa ainda não ter sido explorada, vamos sair e explorá-la”, defendeu.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …