Marcelo em linha com Costa. Portugal deve evitar novo confinamento (mas não pode descurar o atual surto)

Mário Cruz / Lusa

O Presidente da República concorda que Portugal deve evitar um novo confinamento por causa da covid-19 no Outono e Inverno, mas advertiu que até lá não se pode descuidar o atual surto.

“Nós ainda não acabámos de viver um surto pandémico. É verdade que já se fala no próximo surto, mas ainda não saímos do atual. É bom que isso fique claro, que isto às vezes também é muito português: estamos a falar no segundo surto e ainda estamos no primeiro, ainda estamos com mais de 300 contaminados por dia no primeiro”, afirmou.

O chefe de Estado, que falava durante uma audiência ao Conselho Nacional de Juventude (CNJ), nos jardins do Palácio de Belém, em Lisboa, acrescentou: “Não é que se não deva preparar o segundo, mas talvez não seja má ideia continuar a acompanhar, como se tem acompanhado, e todos os portugueses têm vivido e têm experimentado nas suas vidas, o que foi a mudança introduzida pelo primeiro”.

O primeiro-ministro sustentou esta quarta-feira que Portugal não suportará um novo período de confinamento por causa da covid-19 e que o tempo é “curtíssimo” para a sociedade se preparar para uma segunda vaga no Outono ou Inverno. “Não podemos repetir o confinamento que tivemos de impor durante o período do estado de emergência. As empresas, as famílias e as pessoas não o suportarão”, disse Costa.

Questionado sobre estas declarações, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que “é preciso fazer” “duas coisas ao mesmo tempo”: “É preciso, como disse o senhor primeiro-ministro, olhar para o futuro e preparar o futuro, surja ele em setembro, outubro, novembro, dezembro, janeiro, quando for”, mas sem “desleixar o que se passa agora”.

Concordou que será “muito difícil voltar a repetir o confinamento, portanto, tem de se encontrar fórmulas de antecipar e de substituir uma solução radical, prevenindo essa segunda onda”. “Não podemos é deixar de ter os pés na terra e de ter cuidado com esta onda que existe, ainda não desapareceu. Estabilizou, mas existe”, salientou.

Segundo o Presidente da República, em Portugal “o confinamento foi dos mais exigentes da Europa e cumprido voluntariamente pelos portugueses” e “o ideal é não voltar a recorrer a um confinamento similar em circunstância idêntica”.

Ressalvando que houve sectores em que “nunca se parou de trabalhar”, Marcelo Rebelo de Sousa argumentou que a reabertura gradual de atividades e estabelecimentos encerrados “iria provocar inevitavelmente a subida de infetados ou contaminados, porque as pessoas passavam para uma convivialidade social que não tinham tido”.

Aconselhou a que se encare este desafio “de uma forma muito serena, muito racional”, e “sem traumas nem complexos”, mantendo a “orientação de verdade” seguida.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Um abandonar dos utentes". Centros de saúde atiram pacientes para farmácias e privados

Sem resposta nos centros de saúde, vários utentes vêm-se obrigados a recorrer ao setor privado e a farmácias. A Entidade Reguladora de Saúde já recebeu várias reclamações. Face à pandemia de covid-19, os centros de saúde …

Polícia treinou uma cadela para farejar provas eletrónicas

No Minnesota, Estados Unidos, a polícia treinou uma cadela para farejar dispositivos eletrónicos. Sota já ajudou a encontrar provas em dez crimes. A polícia estatal do Minnesota treinou uma cadela labrador britânica para farejar dispositivos eletrónicos, …

Trabalhistas lideram primeira sondagem desde que Boris chegou ao poder

O partido do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, situa-se hoje, pela primeira vez desde que chegou ao poder, atrás da oposição trabalhista nas intensões de voto, o que estará relacionado com a gestão da crise pandémica, …

Sporting vagueia mercado à procura de um avançado

Šporar, Luiz Phellype e Tiago Tomás não satisfazem as necessidades de Rúben Amorim, que quer trazer mais um avançado para o plantel antes do fecho do mercado de transferências. A janela de transferências está prestes a …

Transportes públicos são "ponto nevrálgico" da transmissão da covid-19

O infeciologista Jaime Nina defendeu hoje que é necessário quadruplicar a oferta dos transportes públicos para permitir a distância necessária entre os passageiros, considerando que são um “pontos nevrálgico” da transmissão da covid-19. "Os transportes públicos …

Estão a chegar os aviões movidos a hidrogénio. A Airbus é pioneira (e já está a trabalhar em três aeronaves)

Na passada segunda-feira, a Airbus apresentou três conceitos de aviões movidos a hidrogénio. A empresa quer estar na linha da frente no que toca às mudanças na indústria da aviação, e tem como objetivo pôr …

Fernando Pimenta com medalhas de ouro e prata na Taça do Mundo de Szeged

O canoísta português Fernando Pimenta conquistou o ouro em K1 1.000 metros e a prata em 500 metros na Taça do Mundo de Velocidade de Szeged, num dia com 'metais' também para Joana Vasconcelos e …

Após ataque ao Charlie Hebdo, França está "em guerra contra o terrorismo islâmico"

O ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, alertou este domingo que a França está “em guerra contra o terrorismo islâmico”, dois dias depois do ataque junto às antigas instalações do jornal satírico Charlie Hebdo. “O Ministro …

Já são conhecidas as colocações para o Ensino Superior

Quase 51 mil alunos conseguiram uma vaga na primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior, tendo ficado de fora cerca de 12 mil estudantes. Segundo dados divulgados hoje pela Direção-Geral do Ensino Superior, …

"Lutaram de forma corajosa e disciplinada". Von der Leyen elogia combate à covid-19 em Portugal

A presidente da Comissão Europeia garante que "a União Europeia está solidária com Portugal" face à crise provocada pela pandemia da covid-19, como o demonstra o facto de o país ser um dos importantes beneficiários …