Houve mortes por atraso no socorro em Pedrógão

Paulo Nobre / Lusa

Algumas das pessoas que acabaram por morrer devido ao incêndio de junho, em Pedrógão Grande, teriam sobrevivido se não tivesse havido atraso dos meios de socorro, revelou esta quinta-feira o investigador Xavier Viegas.

Nalguns dos casos de pessoas que perderam a vida naquele fogo, no dia 17 de junho, houve “demora no socorro e no tratamento médico”, reiterou Domingos Xavier Viegas, líder da equipa da Universidade de Coimbra (UC) que elaborou um relatório sobre a tragédia, encomendado pelo Governo.

“Creio que algumas das vítimas que acabaram por falecer talvez tivessem sobrevivido” se os meios de socorro tivessem chegado aos locais mais rapidamente, disse.

Xavier Viegas falava no auditório do Polo II da UC, durante o seminário subordinado ao tema “As lições de Pedrógão Grande”, em que participaram centenas de investigadores, autarcas, bombeiros e dirigentes da Proteção Civil, além de outros especialistas e profissionais.

O catedrático, diretor do Centro de Estudos de Incêndios Florestais, salientou que os tratamentos médicos a queimados evoluíram significativamente nas últimas décadas.

A medicina tem registado “avanços neste tipo de problemas”, o que, quando se verifica um socorro rápido das vítimas, estas têm mais possibilidades de sobreviver, defendeu.

Xavier Viegas proferiu estas afirmações enquanto relatava e comentava diversas situações de pessoas com quem falou na fase de preparação do relatório que entregou ao Governo, designadamente habitantes de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, no distrito de Leiria.

Um dos entrevistados citados na apresentação foi o adjunto de comando dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, Sérgio Lourenço, que sobreviveu após ter percorrido diversas povoações serranas, tendo conseguido salvar alguns moradores em perigo.

Estes relatos dizem o que aquelas pessoas viveram e sentiram naquelas horas“, tendo “muitas delas” chegado a arriscar a própria vida para prestar auxílio a outras, afirmou. O incêndio provocou, de acordo com a contabilização oficial, 64 mortos e mais de 250 feridos.

Em novembro, o especialista em incêndios florestais da Universidade de Coimbra, que coordenou a equipa que produziu a pedido do Governo o relatório sobre o incêndio de Pedrógão, deu ao Executivo um mês para revelar um capítulo de 70 páginas que foi mantido em segredo.

Segundo o perito, que coordena o Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, nestas 70 páginas são apontadas falhas “arrepiantes” no socorro às vítimas.

No fim do mês, o investigador, que preparou uma nova versão deste capítulo de forma a omitir os nomes das pessoas envolvidas, e “tornando o texto impessoal e de difícil leitura mas ainda assim compreensível”, acusou a Comissão Nacional de Protecção de Dados de censura por ter vetado a publicação integral do capítulo 6 do Relatório.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …

Este mamífero consegue sobreviver a quase sete mil metros de altura

Cientistas pensam ter confirmado que um pequeno rato descoberto no vulcão Llullaillaco, nos Andes, é o mamífero que consegue viver à maior altitude já conhecida (6739 metros). Segundo o IFLScience, o Phyllotis xanthopygus rupestris foi descoberto, …

O glaciar Denman recuou quase cinco quilómetros nos últimos 22 anos

O glaciar Denman, na Antártica Oriental, recuou cerca de cinco quilómetros nos últimos 22 anos. Investigadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados coma topografia exclusiva …

Gruta em Setúbal mostra que os Neandertais também eram pescadores

Cientistas encontraram restos de alimentos numa gruta, no distrito de Setúbal, que comprovam que os Neandertais também se alimentavam de espécies marinhas. De acordo com o jornal espanhol ABC, restos encontrados por uma equipa de arqueólogos …

Associação alerta para riscos da mudança da hora em tempos de confinamento

O presidente da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono advertiu hoje que os efeitos potencialmente adversos causados pela mudança da hora podem acentuar-se devido ao confinamento obrigatório das pessoas na sequência da pandemia …

Governo português legaliza estrangeiros ilegais. "A prioridade é a defesa da saúde"

O Governo português decidiu regularizar os estrangeiros com pedidos pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, medida em vigor desde a declaração do estado de emergência, no dia 19, e que lhes garante os mesmos …

Cirque du Soleil despediu 95% dos trabalhadores e pode ir à falência (mas vai dando shows online)

O Cirque du Soleil pode ser mais uma vítima do coronavírus. A empresa que gere o circo está a analisar a possibilidade de declarar a falência devido a dívidas avultadas e depois de ter despedido …

Ordem dos Médicos está a avaliar uso de medicamento não testado para travar Covid-19

Portugal pode tornar-se no segundo país do mundo a usar hidroxicloroquina como forma de prevenção de Covid-19. A Ordem dos Médicos (OM) estará a estudar essa possibilidade, de acordo com o Expresso. O semanário refere que …

Aumento salarial exigido por Jesus deixa renovação por um fio

A cumprir a segunda temporada no Flamengo, Jorge Jesus quer um aumento salarial. No entanto, o Flamengo não terá capacidade financeira para responder às suas exigências. A renovação do contrato de Jorge Jesus no Flamengo está …