Grande parte dos hospitais de campanha ficaram vazios

José Coelho / Lusa

A maioria dos hospitais de campanha montados para ajudar no combate à pandemia de covid-19 estão agora vazios. A evolução favorável no número de infetados pelo novo coronavírus levou a que grande parte destas estruturas não chegasse sequer a ser utilizada.

É esse o caso em Lisboa, onde três pavilhões do Estádio Universitário foram transformados em hospitais de campanha no final de março. Embora tivessem capacidade para 500 camas, acabaram por nunca ser utilizados, escreve o jornal Público esta sexta-feira. “Não está a funcionar, a evolução da pandemia não colocou essa necessidade“, confirma fonte do Hospital de Santa Maria.

No Pavilhão Rosa Mota, no Porto, que também foi transformado num hospital de campanha, foram tratadas 27 pessoas com covid-19. Esta sexta-feira é a data esperada para que o último paciente tenha alta médica e, por isso, a data em que a Câmara do Porto planeia desativar a estrutura com capacidade para 320 camas.

Ainda assim, tanto no Porto como em Lisboa, a ideia é manter os hospitais de retaguarda, por enquanto, caso aconteça a tão falada segunda vaga de infeções.

Por sua vez, em Ovar, o hospital de campanha no pavilhão Arena Dolce Vita está a funcionar como uma extensão do Hospital Francisco Zagalo. Importante lembrar que o concelho esteve em cerca sanitária com um surto de casos que, no seu pico, levou a que um terço da lotação da estrutura tivesse ocupada.

No Algarve, o hospital de campanha também continua em stand by. “O hospital está operacional, só que não chegou a entrar em funcionamento. Sempre que há uma situação de catástrofe, há dois hospitais de campanha que têm de ser montados no Algarve, aqui e em Faro, por isso ele está pronto, todo equipado, foram até compradas camas articuladas”, explica fonte da Câmara de Portimão ao Público.

O presidente da Câmara Municipal de Santarém, Ricardo Gonçalves, admite que as imagens que chegavam a Portugal dos hospitais de Espanha e Itália, lotados e sem capacidade de resposta, tiveram uma forte influência na decisão de avançar para um hospital de campanha.

“Vimos como, no caso dos incêndios de Pedrógão Grande se falhou ao nível da prevenção. Desta vez, fizemos tudo para que não houvesse uma falha dessas. Foi um excesso? Acho que não, nunca é em excesso quando falamos de Proteção Civil. Percebemos todos o quanto é importante, ao nível da Proteção Civil, termos planos aprovados e cumpri-los. Melhor termos excesso do que falhas”, explicou o autarca.

Há outros casos, como em Coimbra, em que se optou por não montar um hospital de retaguarda. “Não houve essa necessidade. Tínhamos o Hospital dos Covões com reforço de camas para dar resposta à covid-19″, salienta o assessor de imprensa da câmara.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Nenhuma era apenas um número". NYT dedica toda a primeira página a mil vítimas da pandemia

Mil nomes de pessoas numa primeira página. O jornal norte-americano The New York Times dedicou a primeira página da edição deste domingo a mil vítimas mortais da pandemia de covid-19, para assinalar a iminente passagem …

A economia é a vítima colateral da estratégia singular da Suécia

A Suécia deixou nas mãos dos cidadãos a responsabilidade pela sua saúde e a abordagem relaxada do país em relação à pandemia de covid-19 trouxe resultados negativos. O Governo sueco não impôs um confinamento à população …

Polícia de Hong Kong detém 180 manifestantes. E elogia lei da segurança nacional

A polícia de Hong Kong elogiou a lei da segurança nacional chinesa, horas depois de ter detido pelo menos 180 manifestantes que protestaram, este domingo, contra a legislação anunciada por Pequim. O comissário da polícia, Tang Ping-keung, …

Pinto da Costa recandidata-se a "pensar nas dificuldades do presente"

Pinto da Costa admitiu, este domingo, no lançamento do site oficial da recandidatura à presidência do FC Porto, que vai a eleições "a pensar nas dificuldades tremendas do presente". No site oficial da sua candidatura, Pinto …

Abraços e apertos de mão. Bolsonaro junta-se a manifestação sem distanciamento social

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, participou, este domingo, em mais uma manifestação sem respeitar as regras de distanciamento social. A manifestação decorrer na Praça dos Três Poderes, em Brasília. De acordo com o jornal Público, …

"Relativamente rápido". Centeno acredita que países europeus vão recuperar da crise até ao fim de 2022

O ministro das Finanças português e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, acredita que a União Europeia vai conseguir ultrapassar a crise económica provocada pela pandemia de covid-19 de forma "relativamente rápida". Em entrevista ao jornal alemão …

Florentino congelado e Jota (e mais dois) na porta de saída. Mercado já mexe na Luz

Apesar da pandemia, que paralisou quase todas as competições europeias e que deverá atrasar a janela de transferência no futebol, o mercado já mexe na Luz. A imprensa desportiva dá conta nesta segunda-feira que Florentino …

Cova da Piedade abandona direção da Liga e convida Proença a demitir-se

O Cova da Piedade juntou-se ao Benfica na decisão de abandonar a direção da Liga de clubes e convidou Pedro Proença a demitir-se da presidência do organismo. Em comunicado, o Cova da Piedade justifica a decisão …

Milhares foram a banhos este domingo. Só nas praias da Caparica estiveram mais de 180 mil pessoas

As elevadas temperaturas que se fizeram sentir neste domingo levaram milhares de portugueses à praias. Só na Costa da Caparica, no concelho de Almada, mais de 180 mil pessoas foram a banhos. Entre as 9 e …

"Há outras prioridades". Ana Gomes está a refletir sem "pressa" sobre eventual candidatura a Belém

No espaço de comentário da SIC Notícias, a ex-eurodeputada Ana Gomes disse que ainda está a "refletir" sobre uma eventual candidatura à Presidência da República. Ana Gomes ainda não tomou uma decisão sobre uma possível candidatura …