Governo processa Bruxelas mesmo que sanção seja de 1 euro

Jorge Ferreira / Portugal.gov.pt

O primeiro-ministro António Costa

O primeiro-ministro António Costa

O Governo está inflexível: se a Bruxelas anunciar uma multa acima de zero, recorre para Tribunal de Justiça da União Europeia.

A Comissão Europeia deverá tomar esta quarta-feira uma decisão sobre as sanções a aplicar a Portugal, que poderão ir até 360 milhões de euros. O El País avançou ontem que o valor devia ser fixado perto do 90 milhões.

De acordo com o Expresso, António Costa confirmou – repetindo a hipótese que já tinha admitido no fim de semana – que pretende levar a Comissão Europeia e o Conselho dos Ministros das Finanças (Ecofin) ao Tribunal de Justiça da União Europeia caso o valor seja acima de zero euros.

Esta quarta-feira, ao Público, Costa já admite que dificilmente Portugal terá multa-zero por causa do défice excessivo em 2015. “A situação não está muito simpática”, comentou.

O PM sustenta que “um desvio de 0,2 pontos percentuais não pode ser atribuído a falta de ação efetiva” de combate ao défice e considera incompreensível que os comissários – que diziam que a ação do anterior Governo era exemplar – queiram agora aplicar sanções por um desvio de 0,2 pontos percentuais, um montante que não se pode controlar.

O primeiro-ministro garante ao jornal que o Governo português vai contestar a sanção junto ao Tribunal de Justiça da União Europeia, com base no princípio da proporcionalidade.

Em causa estará a eventual desproporcionalidade das multas aplicadas ao caso português, em comparação com o caso de Espanha.

Portugal sempre cumpriu os seus objetivos e compromissos desde 2011 e em causa está apenas um desvio de 0,2 pontos percentuais.

Por outro lado, Espanha nunca foi sujeita a uma intervenção com a intensidade da intervenção em Portugal, tendo tanto o desvio do défice como o desvio em relação aos compromissos assumidos são muito maiores do que os valores portugueses.

De acordo com o jornal, o recurso ao Tribunal de Justiça da União Europeia – que deve acontecer até ao dia 12 de setembro – será feito apenas com base na contestação da multa que venha a ser aprovada, não envolvendo a eventual suspensão de fundos estruturais.

Inédito

No sábado, António Costa confirmou que recorreria da decisão do Conselho de Ministros das Finanças (Ecofin) que ratificou a recomendação da Comissão Europeia de agravar o procedimento por défice excessivo por o país não ter cumprido o défice de 2015.

“Temos de adotar todas as medidas necessárias para defender o interesse nacional”, disse António Costa, colocado perante a eventualidade de processar Bruxelas. “Se o interesse nacional o exigir, é isso que iremos fazer”, garantiu, adiantando que o seu Governo considera “que não há qualquer justificação, nem base legal, e que seria aliás contraproducente a aplicação de sanções por um resultado não alcançado em 2015, quando estamos num ano em que felizmente a própria Comissão Europeia reconhece que iremos conseguir cumprir este objetivo.”

O recurso de anulação que o Governo português ameaça apresentar terá de conter uma argumentação jurídica e não apenas política, explica ao Observador António Frada, professor de Direito da União Europeia na Universidade Católica que já trabalhou no Tribunal Europeu.

É preciso de alguma forma provar não tanto uma ilegalidade, mas suscitar “um controlo da legalidade e conformidade” da decisão com as regras europeias, diz o jurista.

“Não me parece nada que Portugal fique prejudicado do ponto de vista institucional ou diplomático”, afirma Francisco Seixas da Costa, embaixador que foi secretário de Estado dos Assuntos Europeus nos governos de António Guterres.

“Do ponto de vista político faz sentido que Portugal dê um murro na mesa de forma institucional. Do ponto de vista diplomático, é um gesto corajoso e com dignidade”, afirma ao Observador.

Apesar de a conflitualidade com Bruxelas poder isolar Portugal na Europa, para Seixas da Costa isso não muda o que já é uma realidade. “Portugal já está isolado”, reconhece, “até porque estas decisões têm sido tomadas por unanimidade”.

“Na UE, agora parece que uns têm todos os direitos e outros todos os deveres”, lamenta o embaixador, que considera que “elevar a questão para um patamar jurídico é interessante”.

Se é inédito, “também é a primeira vez que temos medidas nesse sentido“, da aplicação de sanções.

ZAP

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

    • A vergonha agora é sua pelo comentário!
      Estava mal habituada com o Passinhos de Massamá. Esse pateta dava o “amen” a tudo. Com este está bem de ver que, pelo menos dá luta à corja da UE.

RESPONDER

Rússia está a sabotar desenvolvimento da vacina contra covid-19

Um grupo de hackers associado ao Kremlin está a tentar sabotar o desenvolvimento da vacina contra a covid-19 no ocidente. Os piratas informáticos conseguiram piratear o computador de vários investigadores. O APT29, um grupo de piratas …

Família de George Floyd apresenta queixa-crime contra Minneapolis

A família de George Floyd apresentou esta quarta-feira uma queixa-crime contra o município de Minneapolis e contra quatro polícias pela responsabilidade na morte do afro-americano às mãos da polícia, em maio, anunciaram os advogados. "Não foi …

UE reduz lista de países para reabrir fronteiras e mantém EUA e Brasil de fora

Os Estados-membros da União Europeia (UE) atualizaram, esta quinta-feira, a lista de países aos quais reabrem as fronteiras externas, mantendo de fora os Estados Unidos e o Brasil. "Na sequência da primeira revisão ao abrigo da …

24 horas depois, estátua de manifestante antirracismo em Bristol foi removida

A estátua de uma manifestante do movimento Black Lives Matter, erguida, esta quarta-feira, na cidade de Bristol, no Reino Unido, já foi removida. De acordo com o jornal The Guardian, 24 horas depois de ter sido …

Advogados continuam luta para manter declarações fiscais de Trump em segredo

Depois de o Supremo Tribunal ter determinado que os procuradores nova-iorquinos podem ter acesso às declarações de impostos do Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, os seus advogados informaram na quarta-feira que estavam a considerar …

EUA negam vistos a funcionários da Huawei que apoiem "violadores de direitos humanos"

Esta quarta-feira, o Governo norte-americano que vai impor restrições nos vistos a funcionários da Huawei e a outras empresas que os Estados Unidos vejam como apoiantes de Governos violadores de direitos humanos. Além das restrições, o …

Ventilador produzido em Portugal recebe autorização de utilização do Infarmed

O ventilador Atena, produzido em Portugal, recebeu, na terça-feira, a autorização do Infarmed para o seu uso em contexto hospitalar na luta contra a covid-19. Esta quarta-feira, numa publicação na sua página de Facebook, o CEiiA …

American Airlines avisa 25 mil trabalhadores que podem perder emprego

Os dirigentes da American Airlines escreveram a cerca de 25 mil trabalhadores da transportadora aérea para lhes comunicar que o seu emprego pode desaparecer em outubro. Os dirigentes das Companhias de aviação dos Estados Unidos admitiram …

Trump substitui diretor de campanha a menos de quatro meses das eleições

O Presidente dos Estados Unidos substituiu, esta quarta-feira, o seu diretor de campanha, perante os maus resultados nas sondagens, a menos de quatro meses das eleições. "Tenho o prazer de anunciar que Bill Stepien foi promovido …

Bristol acordou com uma nova estátua. Manifestante antirracismo substitui comerciante de escravos

Bristol acordou com uma nova estátua. Um artista britânico ergueu uma estátua de uma manifestante do movimento ‘Black Lives Matter’ no topo do pedestal na cidade inglesa antes ocupado pela estátua de um comerciante de …