Descongelamento das carreiras vai custar 1334 milhões de euros

Olivier Hoslet / EPA

Os aumentos da função pública que envolvem o descongelamento das carreiras e as promoções vão permitir ao governo um encaixe adicional superior a 128 milhões de euros em impostos e descontos contributivos.

Esse valor permite amortecer o custo da medida das progressões e promoções, que, nos três anos em análise – entre 2019 e 2021-, ascenderá a 1462 milhões de euros, segundo informações do Ministério das Finanças.

Assim, a receita adicional obtida por via dos aumentos salariais equivale a 9%. O custo líquido da medida rondará os 1334 milhões de euros e não os 1462 milhões (brutos) que decorrem dos quadros plurianuais do Programa de Estabilidade.

“A evolução das despesas com pessoal até 2021 é, em grande parte, explicada pelas despesas com progressões resultantes do descongelamento das carreiras e da mitigação dos efeitos do congelamento do tempo nas carreiras especiais”, referem as Finanças, citadas pelos Diário de Notícias.

O descongelamento das carreiras começou a ter efeitos no ano passado, tendo sido aplicado “de forma faseada com impactos orçamentais ao longo de três anos“. “A taxa de reposição das progressões começou nos 25% em janeiro de 2018 e atinge os 100% em dezembro de 2019. Este último aumento da taxa de pagamento das progressões reflete-se essencialmente no ano de 2020, aplicando-se a todas as progressões que ocorreram desde 2018”, explica a tutela de Centeno.

Em 2019, o aumento da despesa bruta com o descongelamento das carreiras associado a progressões vale 480 milhões de euros, em 2020 esse custo ascende a 482 milhões de euros e em 2021 a 350 milhões de euros.

“Ao longo destes três anos, a despesa com progressões será extraordinariamente elevada, aumentando 1311 milhões de euros face a 2018, o que representa um aumento de 6% da massa salarial, que no caso dos professores é de 13,4%”, calcula o ministério.

“A exigência das estruturas sindicais dos professores”, que “insistem na recuperação de 9 anos, 4 meses e 2 dias” no tempo de serviço congelado para efeitos de carreira, “corresponderia a um aumento permanente da despesa de 600 milhões de euros por ano”, reitera o governo, acusando os sindicatos de estarem a avançar com propostas incompatíveis com “a sustentabilidade das contas públicas” e contrárias “à equidade entre carreiras da administração pública”.

A proposta do governo para os aumentos, entretanto aprovada sem acordo dos professores, permite aos docentes recuperar 2 anos, 9 meses e 18 dias na próxima progressão e é compatível com uma redução do défice público de 0,5% do PIB em 2018 para apenas 0,2% já neste ano, ficando assim muito perto do equilíbrio.

ZAP //

 

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Quem paga as mordomias à função publica..?Os privados?Não me parece que a maioria que ganha pouco mais de 600€ no privado consiga ter rendimentos para pagar impostos ,para a loucura da gerigonça e dos funcionários públicos, que parece que vivem noutro país…!Salário mínimo superior ao privado,35hrs e descongelamento de carreiras,parece mordomias de países ricos.Se a função publica contribuísse para o PIB ,não estávamos mal,o pior é que contribuem para o défice e aumento de impostos para todos(publico e privado)Este governo é um embuste…!!!

  2. Esta é uma medida para ganhar votos. Com que então vão dar na próxima legislatura o que prometeram para esta. Basta contar as greves
    Só cai quem quer.

RESPONDER

CP recebeu injeções de 1800 milhões de euros do Estado nos últimos três anos

Nos últimos três anos, o Estado fez 17 operações de reforço de capital na CP, na ordem dos 1,8 mil milhões de euros. Estes serviram principalmente para pagar dívidas da empresa a privados e ao …

Imposto Mortágua foi aplicado a 75 mil contribuintes

O novo escalão do Adicional ao IMI, que prevê a aplicação de uma taxa de 1,5% sobre o valor patrimonial dos imóveis que ultrapasse os dois milhões, chegou a 331 contribuintes. Ao todo, o imposto …

Preço da luz vai descer 18 cêntimos no mercado regulado

Os preços da eletricidade no mercado regulado vão voltar a descer em 2020, segundo a proposta avançada esta terça-feira pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Esta terça-feira, a ERSE propôs uma atualização em baixa de …

Portugal teve perdas fiscais de 900 milhões de euros por menor tributação do gasóleo

A tributação ao gasóleo é mais baixa do que os impostos à gasolina. A diferença entre os dois combustíveis leva a perdas de 900 milhões de euros ao Estado. Quem abastece um carro a gasóleo na …

Dulce Neto é a primeira mulher a presidir a um Supremo Tribunal português

A juíza conselheira toma posse, esta quarta-feira, como presidente do Supremo Tribunal Administrativo (STA), tornando-se na primeira mulher a ocupar o lugar cimeiro de um supremo tribunal em Portugal. Dulce Neto, de 58 anos, foi eleita …

Défice zero e mais crescimento. Previsões de Centeno para o OE2020 são de "elevado risco"

O Governo faz uma revisão das metas para 2020 no esboço do Orçamento de Estado para o próximo ano que enviou à Comissão Europeia, prevendo um aumento do crescimento económico e um saldo orçamental equilibrado, …

Conselho nacional do PSD pode ser atirado para novembro. Apoios a Rio e Montenegro equilibrados

Rui Rio mantém o silêncio sobre uma recandidatura a líder do PSD, o que está a ser visto como um condicionamento do partido, tendo também nas suas mãos o calendário interno. O conselho nacional para …

Varandas quer vender já em janeiro (e há três nomes em cima da mesa)

O Sporting deverá vender um jogador já no próximo mercado de transferências em janeiro. O dinheiro será destinado a renovações e a trazer um novo reforço para o ataque. Frederico Varandas continua a sua saga para …

Médicos, enfermeiros e professores lamentam recondução de ministros

Médicos, enfermeiros e professores lamentaram a recondução de ministros na pasta da Saúde, Educação e das Finanças, reagindo assim à constituição do novo Governo entregue em Belém pelo primeiro-ministro indigitado, António Costa. O secretário-geral do …

"Batalha campal" na Catalunha: 40 mil pessoas nas ruas, 50 detidos e mais de 100 feridos

Pelo menos 51 pessoas foram detidas e 70 polícias ficaram feridos desde o início dos atos de violência que começaram na segunda-feira na região espanhola da Catalunha após a sentença que condenou políticos separatistas catalães …