Descongelamento das carreiras vai custar 1334 milhões de euros

Olivier Hoslet / EPA

Os aumentos da função pública que envolvem o descongelamento das carreiras e as promoções vão permitir ao governo um encaixe adicional superior a 128 milhões de euros em impostos e descontos contributivos.

Esse valor permite amortecer o custo da medida das progressões e promoções, que, nos três anos em análise – entre 2019 e 2021-, ascenderá a 1462 milhões de euros, segundo informações do Ministério das Finanças.

Assim, a receita adicional obtida por via dos aumentos salariais equivale a 9%. O custo líquido da medida rondará os 1334 milhões de euros e não os 1462 milhões (brutos) que decorrem dos quadros plurianuais do Programa de Estabilidade.

“A evolução das despesas com pessoal até 2021 é, em grande parte, explicada pelas despesas com progressões resultantes do descongelamento das carreiras e da mitigação dos efeitos do congelamento do tempo nas carreiras especiais”, referem as Finanças, citadas pelos Diário de Notícias.

O descongelamento das carreiras começou a ter efeitos no ano passado, tendo sido aplicado “de forma faseada com impactos orçamentais ao longo de três anos“. “A taxa de reposição das progressões começou nos 25% em janeiro de 2018 e atinge os 100% em dezembro de 2019. Este último aumento da taxa de pagamento das progressões reflete-se essencialmente no ano de 2020, aplicando-se a todas as progressões que ocorreram desde 2018”, explica a tutela de Centeno.

Em 2019, o aumento da despesa bruta com o descongelamento das carreiras associado a progressões vale 480 milhões de euros, em 2020 esse custo ascende a 482 milhões de euros e em 2021 a 350 milhões de euros.

“Ao longo destes três anos, a despesa com progressões será extraordinariamente elevada, aumentando 1311 milhões de euros face a 2018, o que representa um aumento de 6% da massa salarial, que no caso dos professores é de 13,4%”, calcula o ministério.

“A exigência das estruturas sindicais dos professores”, que “insistem na recuperação de 9 anos, 4 meses e 2 dias” no tempo de serviço congelado para efeitos de carreira, “corresponderia a um aumento permanente da despesa de 600 milhões de euros por ano”, reitera o governo, acusando os sindicatos de estarem a avançar com propostas incompatíveis com “a sustentabilidade das contas públicas” e contrárias “à equidade entre carreiras da administração pública”.

A proposta do governo para os aumentos, entretanto aprovada sem acordo dos professores, permite aos docentes recuperar 2 anos, 9 meses e 18 dias na próxima progressão e é compatível com uma redução do défice público de 0,5% do PIB em 2018 para apenas 0,2% já neste ano, ficando assim muito perto do equilíbrio.

ZAP //

 

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Quem paga as mordomias à função publica..?Os privados?Não me parece que a maioria que ganha pouco mais de 600€ no privado consiga ter rendimentos para pagar impostos ,para a loucura da gerigonça e dos funcionários públicos, que parece que vivem noutro país…!Salário mínimo superior ao privado,35hrs e descongelamento de carreiras,parece mordomias de países ricos.Se a função publica contribuísse para o PIB ,não estávamos mal,o pior é que contribuem para o défice e aumento de impostos para todos(publico e privado)Este governo é um embuste…!!!

  2. Esta é uma medida para ganhar votos. Com que então vão dar na próxima legislatura o que prometeram para esta. Basta contar as greves
    Só cai quem quer.

RESPONDER

Carga fiscal subiu aos 35,4% em 2018. É o valor mais alto desde 2000

A carga fiscal em Portugal subiu dos 34,3% do PIB em 2017 para os 35,4% em 2018, o valor mais elevado desde 2000, acima da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento …

Família da jornalista assassinada apresenta queixa-crime em França contra várias figuras maltesas

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) e a família da jornalista maltesa assassinada em 2017 disseram, esta quarta-feira, que apresentaram uma queixa-crime em França por “cumplicidade em homicídio” e “corrupção” contra várias figuras maltesas implicadas …

Portugal foi o país da Europa que mais pagou a agentes de futebol

Em 2019, Portugal foi o país da Europa que mais gastou em comissões a agentes nos processos de venda de jogadores de futebol. Os números são de um relatório FIFA, citado esta quinta-feira pelo Jornal de …

"Agregar, agregar, agregar". Se vencer, Pinto Luz conta com Rio e Montengro

O candidato à liderança do PSD Miguel Pinto Luz disse que caso vença as diretas de 11 de janeiro quer contar os seus adversários nesta corrida - o antigo líder parlamentar Luís Montenegro e o …

Açores são o único arquipélago do mundo com certificado de destino turístico sustentável

Os Açores são a primeira região do país certificada como destino turístico sustentável, distinção atribuída a apenas 13 regiões no mundo e entregue esta quinta-feira com a categoria de "prata" pela certificadora Earthcheck. "É com profundo …

Kendrick Lamar atua em data extra do Alive

O rapper norte-americano Kendrick Lamar vai atuar a 8 de julho, num dia extra do festival Alive, no Passeio Marítimo de Algés, em Oeiras. Esta será a terceira vez que o rapper atua em Portugal, tendo …

Hugh Grant em campanha porta a porta contra Boris Johnson e o Brexit

Hugh Grant está em campanha contra o primeiro-ministro do seu país. O ator britânico decidiu juntar-se aos trabalhistas e liberais democratas para derrotar Boris Johnson e, nos últimos dias, tem participado em ações de campanha …

Sarah previu a vitória de Trump em 2016. Agora, alerta para o perigo das redes sociais

Sarah Kendzior, que previu a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de 2016, diz que as redes sociais podem ser utilizadas como uma arma política. Quando quase todos menosprezavam a corrida eleitoral de Donald Trump …

Marcelo "afasta-se" do encontro entre Pompeo e Netanyahu

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu esta quinta-feira que o encontro, que decorre em Lisboa, entre o secretário de estado dos Estados Unidos e o primeiro ministro israelita "é uma realidade que …

Economia portuguesa cresce acima da média europeia

As economias da zona euro e da União Europeia (UE) mantiveram, no terceiro trimestre, o ritmo de crescimento do período homólogo, respetivamente 1,2% e 1,4%, com Portugal a avançar acima da média (1,9%). Segundo revelou o …