Governo estuda compra de mais vacinas de ARN mensageiro para evitar atrasos

João Sena Goulão / Lusa

As autoridades de saúde portuguesas estão a estudar a compra de mais vacinas de ARN mensageiro, que até agora não têm revelado efeitos secundários tão graves como a vacina da AstraZeneca e da Johnson & Johnson.

A notícia é adiantada esta quinta-feira ao Diário de Notícias por especialistas, que sugeriram às autoridades de saúde que sejam estudadas outras opções, como a compra de mais vacinas de ARN mensageiro, uma vez que são necessárias vacinas para as populações mais jovens.

“É uma das propostas que está agora em cima da mesa das autoridades”, disseram os especialistas, acrescentando que esta solução seria uma “forma de avançar com o processo sem contratempos”.

Por outro lado, há quem defenda que esta pode não ser a solução mais rápida. “Todos nós desejamos, nesta altura, a compra de mais vacinas, mas se forem adquiridas agora não chegam amanhã e nós precisamos de começar a vacinar população mais jovem”.

Para estes especialistas, a solução passa por adaptar as vacinas já disponíveis aos grupos que é necessário vacinar de imediato.

Portugal poderá avançar para esta solução através da aquisição feita pela União Europeia (UE), uma vez que é uma questão de optar mais por umas vacinas do que por outras, embora as de ARN sejam de dose dupla.

A UE anunciou esta semana a compra de mais 100 milhões de vacinas à Pfizer, passando para 600 milhões de vacinas o total que deve receber até ao final do ano.

A Comissão Técnica de Vacinação esteve reunida na quarta-feira para avaliar a situação da vacina da Johnson & Johnson, mas que não foi tomada uma decisão oficial, o que só deverá acontecer esta quinta e sexta-feira.

Fonte da task force referiu, contudo, que o que está planeado e agendado é a distribuição desta vacina para as Administrações Regionais de Saúde (ARS) já a partir da próxima semana para que comecem a ser administradas à faixa etária considerada prioritária na segunda fase do plano de vacinação – os maiores de 70 anos.

DGS começa a vacinar quem tem entre 16 e 79 anos

A Direção-Geral de Saúde (DGS) anunciou esta quarta-feira que atualizou as normas de vacinação contra a covid-19 devido a uma maior disponibilidade de doses e vai começar a vacinação de pessoas entre 16 e 79 anos.

Em comunicado, a DGS indica que, na segunda fase do plano de vacinação, são definidas duas estratégias distintas: “a vacinação por faixas etárias decrescentes, até aos 16 anos, e de pessoas com 16 ou mais anos e que tenham doenças com risco acrescido de covid-19 grave ou morte”.

Entre as doenças que darão prioridade na toma da vacina, independentemente da idade, conta-se a diabetes, obesidade grave, doença oncológica ativa, transplantação e imunossupressão, doenças neurológicas graves e doenças mentais, refere.

Além disso, aqueles que recuperaram de infeção por covid-19 “há pelo menos seis meses” também estão incluídos na segunda fase de vacinação, “de acordo com o grupo prioritário ou a faixa etária a que pertencem”.

A DGS anunciou ainda que, quando for iniciada a administração de doses a pessoas com menos de 60 anos, “a vacinação será feita com apenas uma dose, independentemente da vacina”.

“O Plano de Vacinação é dinâmico, evolutivo e adaptável à evolução do conhecimento científico e à calendarização da chegada a Portugal das diferentes vacinas contra a covid-19”, explica a entidade, sublinhando que o objetivo é “salvar vidas, através da redução da mortalidade e dos internamentos” e “preservar a resiliência do sistema de saúde e do sistema de resposta à pandemia e do Estado”.

Governo diz que não haverá falta de profissionais

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, afirmou esta quarta-feira que não haverá falta de profissionais de saúde no processo de vacinação contra a covid-19, sublinhando a existência de diferentes mecanismos legais de contratação.

“Não haverá, garantidamente, qualquer tipo de dificuldades nesta matéria [profissionais de saúde], sendo necessários nas diferentes carreiras, nomeadamente médicos, enfermeiros e assistentes técnicos e operacionais cerca de 4.700 profissionais”, afirmou Lacerda Sales no final da cerimónia de entrega da Bolsa D. Manuel de Mello, no Porto.

Destes 4.700 profissionais de saúde necessários, o governante especificou que 2.500 são enfermeiros, 600 médicos e, os restantes, assistentes operacionais e técnicos.

Lembrando a existência de diferentes mecanismos legais de contração, o secretário de Estado sublinhou já terem sido dadas orientações nesse sentido, estando as administrações regionais de saúde “no terreno” para essas mesmas contratações. “Não será por falta de profissionais que haverá qualquer restrição ao processo de vacinação”, reforçou.

Lacerda Sales acrescentou ainda que “tudo aquilo” que a task force necessitar em termos de recursos humanos, o Governo dará suporte.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Dizer que MAI autorizou festejos do Sporting é "delírio"

Esta sexta-feira, no Funchal, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, voltou a distanciar-se do modelo adotado pelo Sporting para os festejos do campeonato. Os festejos do Sporting, do passado dia 11 de maio, não cumpriram …

"Não tem emenda." PSD e Bloco de Esquerda criticam relatório do Novo Banco

O Bloco de Esquerda defende que a versão entregue do relatório da comissão do Novo Banco, redigida por um deputado do PS, tem uma "parcialidade evidente" a favor do Governo. O PSD diz que "não …

Frederico Morais falha Jogos Olímpicos. Testou positivo à covid-19

O português Frederico Morais vai falhar a estreia do surf nos Jogos Olímpicos Tóquio2020, por estar infetado pelo novo coronavírus, informou esta sexta-feira o Comité Olímpico de Portugal (COP). O surfista natural de Cascais, de 29 …

Governo propõe que todas as freguesias possam ter pelo menos um autarca a meio tempo

O Governo aprovou uma proposta para que todas as freguesias do país possam ter um autarca a meio tempo independentemente da sua dimensão, anunciou esta sexta-feira a ministra da Modernização do Estado, que tutela as …

Espanha vai administrar terceira dose da vacina

Espanha anunciou esta sexta-feira que será administrada uma terceira dose da vacina contra a covid-19, embora ainda não haja data prevista. Carolina Darias, ministra da Saúde espanhola, anunciou esta sexta-feira que será administrada uma terceira dose …

Portugal com mais 3.794 casos de covid-19 e 16 mortes

Portugal registou, esta sexta-feira, 3.794 novos casos e 16 mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, o …

Deputada expulsa do parlamento britânico por chamar “mentiroso” a Boris Johnson

A deputada do Partido Trabalhista, Dawn Butler, foi esta quinta-feira expulsa da Câmara dos Comuns, a câmara baixa do Parlamento britânico, por chamar "mentiroso" ao primeiro-ministro, Boris Johnson. Butler foi expulsa pela presidente adjunta temporária, Judith …

UGT dispara contra o Governo. "Exemplo vem sempre de quem está no topo"

Numa carta aberta ao primeiro-ministro, a UGT criticou a atitude de vários ministros, a destruição de milhares de postos de trabalho durante a pandemia e alertou para a suspeita de existir cartelização entre os grandes …

Greve de fome de 470 pessoas em Bruxelas termina 60 dias depois

Em Bruxelas, mais de 470 pessoas deram por terminada uma greve de fome que durou dois meses. O governo belga disse que não pode ceder a chantagens e saudou a boa decisão. Nos últimos dois meses …

Estados Unidos anunciam novas sanções a Cuba. “É apenas o início”

Sanções dos Estados Unidos a Cuba têm como objetivo castigar “os indivíduos responsáveis pela opressão da população cubana”. Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano, numa reação, fala em medidas "sem fundamento e caluniosas" e pede que …