Governo argentino suspeita de corrupção no processo de reparação do submarino desaparecido

(dv) Armada Argentina / EFE / EPA

Submarino ARA San Juan da Armada Argentina

O Governo da Argentina afirmou na segunda-feira suspeitar de corrupção no processo de reparação do submarino ARA San Juan, desaparecido há 20 dias, durante o mandato da anterior Presidente Cristina Kirchner.

“Houve uma denúncia por corrupção que foi arquivada sem ser investigada e dava conta de algumas anomalias que existiam. O que pude comprovar é que tinha que ser consertado em dois anos e demorou cinco”, afirmou o ministro da Defesa argentino, Oscar Aguad, numa entrevista ao canal TN.

Na primeira entrevista desde que o ARA San Juan desapareceu no Atlântico sul, com 44 tripulantes a bordo, em 15 de novembro, Oscar Aguad indicou existirem relatórios de auditoria que dão conta de que os materiais utilizados durante a reparação de “meia-idade” do submarino, entre 2008 e 2014, não foram “da qualidade exigida”.

Além disso, segundo o ministro, também há informações reportando “outra série de anomalias”, como preços inflacionados, “que terão que ser investigados”.

Apesar de não haver “provas claras”, existem, contudo, “suspeitas” de irregularidades, garantiu Oscar Aguad, referindo-se ao processo de manutenção do submarino, que foi construído na Alemanha e incorporado na Marinha argentina em 1985.

Mesmo assim, o ministro do Governo de Mauricio Macri reconheceu que os trabalhos de conservação do submarino foram feitos.

“A corrupção tem que ver com os preços inflacionados, mas os trabalhos foram feitos. Acredito que são duas coisas distintas, mas há que investigar”, realçou Aguad, para quem o problema das Forças Armadas da Argentina é que durante 34 anos foram “estigmatizadas” pela repressão por parte do Estado argentino durante as ditaduras e pela guerra das Malvinas contra o Reino Unido, em 1982.

Neste sentido, defendeu que durante o Governo de Cristina Kirchner, a política da Defesa era “estigmatizar as Forças Armadas e baixar o salário dos militares”.

O submarino informou sobre a sua localização e comunicou, pela última vez, com a base no Mar da Prata, há duas semanas, e, segundo a investigação, poucas horas depois ocorreu uma “explosão“.

Questionado sobre se, em 13 de novembro, o submarino zarpou do porto de Ushuaia em perfeito estado, Aguad afirmou que “as evidências dizem que sim”.

No entanto, afirmou que um dos aspetos que a justiça deve investigar é se houve erros por parte da Marinha quando na noite anterior, ao comunicar a localização pela última vez, o comandante do submarino alertou os superiores em terra que tinha entrado água no compartimento das baterias elétricas e ocorrido um princípio de incêndio, um problema que, segundo a Marinha, se solucionou, tanto que o próprio comandante decidiu continuar viagem.

“É motivo de investigação. Determinar se a avaria era ou não grave. Eu também confio no capitão, toda a gente fala da sua experiência”, argumentou o ministro.

Aguad relatou ainda que o ARA San Juan teve há algum tempo um “incidente similar” de infiltração de água.

“Com a diferença de que nesse caso a água não chegou às baterias“, sublinhou, para explicar que o comandante “deu conta” do problema e pediu que essa questão fosse resolvida quando o submarino fosse submetido a reparações no primeiro semestre de 2018.

Prosseguem intensas buscas pelo submarino, com a ajuda de países como os Estados Unidos, Reino Unido e Rússia, numa zona do oceano Atlântico em que várias agências internacionais registaram a ocorrência de uma explosão, horas depois do desaparecimento do submarino, perto de onde se perdeu o seu rasto.

“O que terá acontecido com esse submarino? Essa é a incógnita. O ruído que se ouviu foi a explosão de hidrogénio ou foi o colapso do barco quando estava a cair? Não saberemos enquanto não o encontrarmos”, sustentou Aguad.

Há cinco dias, a Marinha anunciou que a busca ia continuar, embora tenha descartado a possibilidade de resgatar os tripulantes, considerando não haver hipótese de terem sobrevivido, o que desencadeou a indignação por parte dos familiares, que exigiram ao Governo de Macri o resgate da tripulação do submarino.

O ministro explicou que o prazo de busca e resgate expirou porque assim determinam as normas internacionais, e assumiu que todos os tripulantes morreram, ao recordar que “as condições do ambiente extremo” no fundo do mar durante tanto tempo são incompatíveis com a existência da vida humana.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Misterioso raio cósmico detetado incrivelmente perto da Terra

Uma estranha rajada de ondas de rádio detetada no espaço foi rastreada até uma galáxia a 120 milhões de anos-luz do nosso planeta - a nível astronómico, esta é uma distância incrivelmente curta da Terra. …

Primeira missão europeia a Mercúrio lançada com cientista e tecnologia portuguesas

A primeira missão europeia que vai estudar Mercúrio, o planeta mais pequeno e mais próximo do Sol, vai ser lançada no sábado, e nela participa uma cientista e uma empresa portuguesas. A astrofísica Joana S. Oliveira …

Sertanense vs Benfica | Águias passam sem dificuldade

O Benfica venceu hoje o Sertanense, do Campeonato de Portugal, por 3-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, em que Jonas voltou a ser titular e a marcar ao fim …

Quase todo o património da UNESCO no Mediterrâneo ameaçado pela subida das águas

O aumento da erosão costeira devido à subida do nível das águas está a pôr em risco quase todos os monumentos reconhecidos como Património da Humanidade que se localizam na zonas baixas da costa do …

Carne podre e cadáveres que explodem por falta de eletricidade na Venezuela

Em Maracaibo, na Venezuela, a energia elétrica falha constantemente. Nos mercados, há carne podre à venda, mas ainda assim a procura aumenta. Porquê? "O que fazer, se é mais barato?" A Venezuela atravessa, desde 2014, uma …

Ministro da Administração Interna não emitiu despacho de alerta para a Leslie

Eduardo Cabrita, Ministro da Administração Interna, não emitiu o despacho de alerta que podia reforçar os meios de proteção e socorro durante a tempestade que atingiu Portugal. A decisão poderia ter tido impacto junto das …

Trump ameaça fechar fronteira com o México

O Presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou esta quinta-feira fechar a fronteira entre os Estados Unidos e o México, numa altura em que milhares de migrantes atravessam a pé vários países da América Central na esperança …

Rendas vão ter duração mínima de um ano

Apresentada pelo PS, a medida já foi aprovada e prevê que contratos de arrendamento tenham um prazo mínimo de um ano e que se renovem por mais três anos, não havendo dados em contrário. O Parlamento …

Mais de 12 mil jovens vão viajar gratuitamente pela Europa

Os jovens escolhidos vão poder viajar de comboio até 30 dias e visitar entre um a quatro destinos. Os requisitos: ter completado 18 anos este ano e ser cidadãos europeus. A Comissão Europeia anunciou, esta quarta-feira, …

"O emprego mais difícil do mundo" é português, não tem salário e procura "gente de fibra"

"O emprego mais difícil do mundo" é uma campanha de recrutamento dos Bombeiros Voluntários de Albufeira, no Algarve, que abriram candidaturas para "gente de fibra". Honestos face àquilo que são os requisitos para a profissão, a …