Funcionários públicos podem não ter aumentos em 2021

António Pedro Santos / Lusa

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública

Os funcionários públicos podem não ter aumentos em 2021, ao contrário do que está prometido no Orçamento de Estado deste ano.

Em entrevista ao jornal Público, a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, apontou como áreas prioritárias do investimento público para a retoma da economia a Saúde, a Educação e a Habitação.

Relativamente aos aumentos na função pública em 2021, a governante declara que, neste momento, com a pandemia de covid-19, não pode assegurar que estes vão ser possíveis.

“O que estava previsto era que em 2021 haveria um aumento em linha com a inflação de 2020, nunca inferior a 1%. Gostaria muito de conseguir assegurar que isso será possível em 2021. Não o posso responsavelmente fazer“, lamentou.

“Nestes últimos 45 dias temos uma situação completamente diferente da que tínhamos quando este compromisso foi assumido, diametralmente diferente, por circunstâncias que, da maneira mais dura possível, todos os portugueses veem”, continuou.

“O que posso dizer é que gostaria de manter o compromisso. Continuo com o compromisso da valorização dos trabalhadores da administração pública. Não posso, neste momento, assegurar que vai ser possível pagar aumentos de 1% em 2021.”

Questionada sobre como fica a descentralização, Alexandra Leitão confirmou que a transferência das competências nas áreas da Educação e Saúde, bem como da Ação Social, já não vão passar para as autarquias em 2021.

Não sei qual será a decisão. A crise tem um impacto em todas as matérias e também nesta. A decisão que está tomada e que não foi revertida ainda, não sei se será, é manter o bolo das competências com obrigatoriedade de aceitação em 2021 e prorrogar para 2022 a obrigatoriedade naquelas três áreas, que pelo seu peso financeiro e de recursos humanos já tinha sido, antes decidido”, disse a ministra.

No entanto, a governante considera importante “procurar que as autarquias que já aceitaram competências nas diversas áreas não venham agora a revertê-las. Quem já aceitou, quem já fez caminho, quem já trabalhou, neste momento não perdeu nada do que já fez”.

“A descentralização nas várias áreas não é ou deverá ser um peso para as autarquias. Do ponto de vista financeiro, está gizada como algo de neutro, aquilo que é gasto a mais por ter assumido a competência A, B ou C, é transferido do Orçamento do Estado para a autarquia para aquela área. Não é uma forma de aumentar o financiamento dos municípios, mas também não é uma forma de aumentar as despesas. Estamos a viver momento de muita incerteza, à partida, contudo, este é o plano gizado”, concluiu.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Novo recorde: SNS24 recebeu mais de 23 mil chamadas só esta segunda-feira

O centro de contactos SNS24 bateu um novo recorde de atendimentos no dia 19 de outubro, com 23.373 chamadas atendidas, revelaram os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) ao Público. Os picos de chamadas …

Israel descobre túnel escavado desde a Faixa de Gaza

"O túnel, com várias dezenas de metros de comprimento, foi escavado em Khan Younès, no sul da Faixa de Gaza, e entra no território israelita", afirmou o porta-voz do exército, Jonathan Conricus, durante uma conferência …

Lei aprovada no Parlamento pretende facilitar prescrições de multas a partidos políticos

O projeto foi aprovado na generalidade no Parlamento, e está em discussão na especialidade. A Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) teme os efeitos da nova legislação sobre as prescrições de multas a partidos …

Noiva de Khashoggi processa príncipe herdeiro saudita

Hatice Cengiz, noiva de Jamal Khashoggi, colocou um processo contra o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman e outros alegados mentores do assassínio. A noiva do jornalista Jamal Khashoggi, assassinado na Turquia em outubro de …

Papa Francisco defende pela primeira vez uniões de facto para casais homossexuais

O Papa Francisco defendeu a regulação do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, afirmando que os homossexuais têm direito a constituir família. "Homossexuais têm o direito de constituir família. São filhos de Deus", defendeu o …

“Uma desgraça completa”. Ex-ministro do PSD arrasa atuação do Ministério da Saúde no combate à pandemia

O antigo governante do PSD Fernando Leal da Costa acusou esta quarta-feira o Ministério da Saúde de “falta de liderança” na gestão da pandemia de covid-19, e falou até de “uma desgraça completa” do ponto …

Ministro defende que investimento nas Forças Armadas “é tão relevante” como na saúde

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, destacou o papel das Forças Armadas no combate à pandemia de covid-19 e defendeu que o investimento público nesta área “é tão relevante” quanto na saúde ou …

Giro. João "Rosa" Almeida segura liderança da geral

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) manteve esta quarta-feira a liderança da Volta a Itália em bicicleta, numa 17.ª etapa ganha pelo australiano Ben O'Connor (NTT). O'Connor, de 24 anos, cumpriu os 203 quilómetros entre Bassano del …

Investimento público atinge máximo de uma década em 2021

Dados do relatório do Orçamento do Estado mostram que o Governo conta terminar 2020 com um investimento público de 4.884 milhões de euros (75 milhões de euros a menos do que a previsão do Orçamento …

Audições urgentes pedidas pelo PS sobre StayAway Covid são por escrito ou em dezembro

O Parlamento aprovou, esta terça-feira, a audição de entidades e personalidades sobre a obrigatoriedade da aplicação Stayaway Covid, proposta pelo PS, "com caráter de urgência", por escrito ou em dezembro, após o debate do Orçamento …