França enviou o porta-aviões Charles de Gaulle e um submarino nuclear para combater Estado Islâmico

Taylor M. DiMartino, US Navy / Wikimedia

O porta-aviões Charles de Gaulle (em primeiro plano) é o navio almirante da marinha francesa

A França enviou para o leste do Mar Mediterrâneo o seu porta-aviões Charles de Gaulle, com uma frota de escolta de pelo menos sete navios e um submarino nuclear, para lutar contra o Estado Islâmico na Síria, informou esta quinta-feira o jornal francês La Provence.

O porta-aviões francês Charles-de-Gaulle, com 26 aviões de combate a bordo, zarpou na quarta-feira do porto de Toulon, no sudeste da França, em direção ao leste do Mediterrâneol, onde vai participar no combate ao grupo Estado Islâmico.

Segundo o La Provence, entre os navios que acompanham o porta-aviões encontram-se o contra-torpedeiro La Motte-Piquet, o navio de reabastecimento Marne, a fragata Aquitaine, e um submarino nuclear, cuja classe não foi revelada.

Além dos navios da marinha francesa, a frota de escolta do porta-aviões inclui ainda o contra-torpedeiro britânico HMS Defender e uma fragata australiana.

Após os mortíferos atentados de sexta-feira, “o Presidente francês François Hollande decidiu envolver o grupo aeronaval no Mediterrâneo oriental, antes de o reunir, se necessário, no golfo arábico-persa”, indicou o almirante René-Jean Crignola, comandante do grupo aeronaval, citado pela AFP.

O Charles-de-Gaulle e os seus 26 caças – 18 Rafale e oito Super-Etandard – deverão chegar a esta região dentro de pouco dias, e estacionar ao largo da Síria ou do Líbano, quando se previa cerca de um mês para alcançar o golfo arábico-persa, a sua missão inicial.

“A chegada ao teatro de guerra dos caças do grupo aéreo embarcado vai triplicar a capacidade atualde ação da França”, sublinhou Crignola, que comanda a totalidade da Task Force 476.

Esta força naval inclui, para além do grupo aeronaval francês, diversos navios estrangeiros, onde se incluem uma fragata britânica e outra belga, a Leopoldo I.

O porta-aviões francês Charles de Gaulle, navio almirante da marinha francesa, cumpre a sua terceira missão nesta zona nos últimos dois anos.

Dois dias após os ataques de Paris e Saint-Denis, a aviação francesa bombardeou intensamente, na noite de domingo, a cidade de Raqa, a capital que o EI estabeleceu no norte da Síria.

Num ‘raide’ com uma amplitude sem precedentes desde os primeiros ataques franceses na Síria no início de setembro, dois caças-bombardeiros lançaram 20 bombas sobre um posto de comando e um centro de treinos do EI.

“Prosseguiremos os ataques durante as próximas semanas. Não haverá qualquer abrandamento nem qualquer trégua”, disse François Hollande perante os deputados.

A França está em guerra. Estamos em guerra contra o terrorismo jihadista, que ameaça o mundo inteiro”, acrescentou o presidente francês.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Inspetores do SEF rejeitam extinção sem aval do Parlamento (e dizem estar em causa o Espaço Schengen)

O sindicato dos inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) rejeitou este domingo a extinção daquele organismo sem a aprovação formal da Assembleia da República e considerou que está em causa a permanência de …

Testes rápidos registaram maior número de sempre. APED defende venda nos super e hipermercados

O recurso a testes rápidos de antigénio à covid-19 está a aumentar em Portugal, tendo atingido o maior número a 7 de abril, com mais de 34 mil realizados nesse dia, segundo dados do Instituto …

Francisco Rodrigues dos Santos admite que tem sido "difícil" juntar o CDS (mas "não por falta de iniciativa")

Francisco Rodrigues dos Santos, presidente do CDS-PP, afirmou, numa entrevista ao Jornal de Notícias e TSF que tem sido "difícil" conquistar a coesão do partido. Em entrevista ao Jornal de Notícias e à TSF, o líder …

Isabel dos Santos usou equipa de espiões para provar "conspiração" e "vingança" de João Lourenço

A empresária Isabel dos Santos contratou uma firma de antigos agentes secretos israelitas para provar que foi vítima de um ataque orquestrado pelo governo de João Lourenço. Isabel dos Santos criou uma equipa de espiões para …

"Perdemos o avô da nação". Morte do príncipe Filipe deixou "um grande vazio" na vida de Isabel II

A morte do príncipe Filipe, duque de Edimburgo, na sexta-feira, aos 99 anos, deixou a Rainha Isabel II, sua esposa, com "um grande vazio na sua vida", disse este domingo aos jornalistas o seu filho …

Mapa online interativo ajudou indígenas do Panamá a fazer frente à pandemia

Quando a covid-19 chegou ao Panamá no ano passado, o cartógrafo Carlos Doviaza temeu pelas pessoas indígenas da sua comunidade. Por isso, para as ajudar, dedicou-se a fazer aquilo que faz melhor: mapas. "Pensei: 'Porque não …

"A política ama traição, mas despreza o traidor". Sócrates acusa PS de "ataque injusto" (e diz-se alvo de "vingança" da direita)

"A política ama a traição, mas despreza o traidor". No livro "Só Agora Começou", que será publicado nos próximos dias, José Sócrates acusa a atual direção do PS de traição. De acordo com o Diário de …

Portugal regista mais 566 casos e seis óbitos por covid-19

Portugal registou, este domingo, mais seis mortes e 566 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde …

PS quer que Cavaco Silva diga "quando é que soube do buraco do BES"

O PS quer que o antigo Presidente da República Cavaco Silva esclareça "quando é que soube do buraco do BES" e porque é que "não agiu atempadamente" para evitar o aumento de capital, que gerou …

Perdoar o passado, celebrar o renascimento e cumprir tradições. A primavera traz o Nowruz, o ano novo persa

Assim que as flores começam a desabrochar e os dias ficam mais longos, fica claro que o Nowruz está prestes a chegar. A celebração do ano novo iraniano é secular, com raízes que remontam a …