França enviou o porta-aviões Charles de Gaulle e um submarino nuclear para combater Estado Islâmico

Taylor M. DiMartino, US Navy / Wikimedia

O porta-aviões Charles de Gaulle (em primeiro plano) é o navio almirante da marinha francesa

A França enviou para o leste do Mar Mediterrâneo o seu porta-aviões Charles de Gaulle, com uma frota de escolta de pelo menos sete navios e um submarino nuclear, para lutar contra o Estado Islâmico na Síria, informou esta quinta-feira o jornal francês La Provence.

O porta-aviões francês Charles-de-Gaulle, com 26 aviões de combate a bordo, zarpou na quarta-feira do porto de Toulon, no sudeste da França, em direção ao leste do Mediterrâneol, onde vai participar no combate ao grupo Estado Islâmico.

Segundo o La Provence, entre os navios que acompanham o porta-aviões encontram-se o contra-torpedeiro La Motte-Piquet, o navio de reabastecimento Marne, a fragata Aquitaine, e um submarino nuclear, cuja classe não foi revelada.

Além dos navios da marinha francesa, a frota de escolta do porta-aviões inclui ainda o contra-torpedeiro britânico HMS Defender e uma fragata australiana.

Após os mortíferos atentados de sexta-feira, “o Presidente francês François Hollande decidiu envolver o grupo aeronaval no Mediterrâneo oriental, antes de o reunir, se necessário, no golfo arábico-persa”, indicou o almirante René-Jean Crignola, comandante do grupo aeronaval, citado pela AFP.

O Charles-de-Gaulle e os seus 26 caças – 18 Rafale e oito Super-Etandard – deverão chegar a esta região dentro de pouco dias, e estacionar ao largo da Síria ou do Líbano, quando se previa cerca de um mês para alcançar o golfo arábico-persa, a sua missão inicial.

“A chegada ao teatro de guerra dos caças do grupo aéreo embarcado vai triplicar a capacidade atualde ação da França”, sublinhou Crignola, que comanda a totalidade da Task Force 476.

Esta força naval inclui, para além do grupo aeronaval francês, diversos navios estrangeiros, onde se incluem uma fragata britânica e outra belga, a Leopoldo I.

O porta-aviões francês Charles de Gaulle, navio almirante da marinha francesa, cumpre a sua terceira missão nesta zona nos últimos dois anos.

Dois dias após os ataques de Paris e Saint-Denis, a aviação francesa bombardeou intensamente, na noite de domingo, a cidade de Raqa, a capital que o EI estabeleceu no norte da Síria.

Num ‘raide’ com uma amplitude sem precedentes desde os primeiros ataques franceses na Síria no início de setembro, dois caças-bombardeiros lançaram 20 bombas sobre um posto de comando e um centro de treinos do EI.

“Prosseguiremos os ataques durante as próximas semanas. Não haverá qualquer abrandamento nem qualquer trégua”, disse François Hollande perante os deputados.

A França está em guerra. Estamos em guerra contra o terrorismo jihadista, que ameaça o mundo inteiro”, acrescentou o presidente francês.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Quarentena deixou a crosta terrestre mais "silenciosa"

As medidas de isolamento social adotadas para conter o novo coronavírus estão a deixar a Terra mais silenciosa - pelo menos para os “ouvidos” sensíveis dos sismógrafos. A atividade humana, como a circulação de pessoas e …

Descobertas duas anãs brancas que orbitam entre si a cada 20 minutos

Cientistas do Harvard & Smithsonian Center, nos Estados Unidos, descobriram uma anã branca binária composta por duas estrelas com um núcleo de hélio que orbitam entre si a cada 1.201 segundos, isto é, pouco mais …

Dispositivo de grafeno pode transformar sinais de Wi-Fi em energia

A tecnologia do carregamento sem fio não é muito mais útil do que conectar o telemóvel a um cabo, já que, de qualquer das maneiras, precisamos de estar em contacto com o carregador. No entanto, …

Descobertas filmagens inéditas de um centro de espionagem da II Guerra Mundial

Foi descoberta uma rara filmagem da instalação militar secreta Bletchley Park, no Reino Unido. Este centro de espionagem atuou durante a II Guerra Mundial e foi responsável por decifrar códigos alemães durante o período nazi. O …

Montezemolo revelou o sonho que Ayrton Senna não cumpriu

O antigo presidente da equipa da Ferrari, Luca di Montezemolo, revelou que o seu maior arrependimento foi não ter conseguido levar Ayrto Senna para a equipa. Em 1994, Ayrton Senna morreu de forma trágica quando perdeu o …

Friends: atores já terminaram as gravações do episódio especial

Ainda antes de os talk shows serem suspensos devido à COVID-19, Matt LeBlanc foi um dos convidados do The Kelly Clarkson Show, onde confirmou que as gravações do episódio especial de FRIENDS estavam concluídas. O programa …

YouTube remove vídeos com teoria da conspiração que liga covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a funcionários de operadoras e ataques a antenas de telecomunicações. Agora, o YouTube está …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …