Familiares de vítimas do Meco reiteram que não foram contactados por sobrevivente

Alvesgaspar / Wikimedia

-

Os familiares dos seis jovens que morreram em dezembro na praia do Meco insistiram hoje que não obtiveram qualquer informação nem foram contactados pelo único sobrevivente, João Miguel Gouveia, e mostraram-se disponíveis para colaborar com a justiça.

Os pais das vítimas, que estiveram hoje reunidos para tomar uma posição concertada sobre o assunto, falaram às televisões após o encontro e apelaram ao esclarecimento de “tudo o que se passou naquele fim de semana”.

Questionada pelos jornalistas sobre a carta enviada à Agência Lusa em que os familiares de João Miguel Gouveia sustentam que o sobrevivente colaborou, desde o primeiro dia, “com as autoridades seja para contactar as outras famílias, seja para dar indicações sobre o que sucedeu”, Fátima Negrão, mãe de uma das vítimas, afirmou não ter tido qualquer contacto “nem qualquer informação por parte do João.

A mesma mãe acrescentou que têm “sido bastante tolerantes” e que o objectivo não é “crucificar”.

“Estamos sempre a apoiá-lo”, acrescentou, referindo-se a João Miguel Gouveia.

Fátima Negrão adiantou ainda que os familiares dos jovens falecidos estão dispostos a colaborar com a justiça e esperam “que da outra parte isso também aconteça”.

Os jovens que morreram na praia do Meco, no dia 15 de dezembro, eram alunos da Universidade Lusófona, que anunciou na segunda-feira a abertura de um inquérito interno para “aclaração dos factos”.

As seis vítimas (quatro raparigas e dois rapazes) faziam parte de um grupo de sete estudantes universitários que tinham alugado uma casa na zona, para passar o fim de semana.

Segundo as autoridades, uma onda arrastou-os na madrugada de 15 de dezembro, mas um dos universitários conseguiu sobreviver e dar o alerta.

Os corpos dos restantes foram encontrados nos dias que se seguiram.

Numa carta enviada na sexta-feira à agência Lusa, a família de João Miguel Gouveia, o único sobrevivente do grupo de sete estudantes, sublinha: “Mais do que ninguém, ele deseja que tal ocorra”, referindo-se aos esclarecimentos.

“No local certo e perante as instâncias competentes, no tempo necessário para que todas as diligências sejam efectuadas, o sobrevivente prestará todos os esclarecimentos”, sustentam os familiares do jovem, que até agora se tem remetido ao silêncio.

Os seis jovens que morreram na praia do Meco faziam parte de um grupo de estudantes universitários que tinham alugado uma casa na zona para passar o fim de semana.

Segundo as autoridades, uma onda arrastou-os na madrugada de 15 de dezembro, mas um dos universitários conseguiu sobreviver e dar o alerta. Os corpos dos restantes foram encontrados nos dias que se seguiram.

A família de João Miguel Gouveia, o único sobrevivente, enviou, na sexta-feira, uma carta à Agência Lusa, justificando o silêncio do jovem com a tragédia, que exigiu “tempo para o luto e para tentar integrar tão dramática experiência, que marca e marcará para sempre a sua existência”.

“Em nome de quê, alguém se pode arrogar o direito de especular, falsear, pressionar ou mesmo ameaçar, quem foi também vítima deste terrível acidente?”, questiona a família do estudante que se declara “solidária com a dor imensa das famílias que perderam os seus filhos” e que afirma ter falado com alguns deles “para prestar os esclarecimentos solicitados”.

A família nega ainda que a audição marcada para 21 de janeiro não tenha sido realizada por uma “alegada amnésia selectiva” do jovem, afirmando que foi desmarcada pelas autoridades.

Na carta, os familiares queixam-se de “injustiça”, “especulação, notícias sem explicitação de fontes credíveis e construídas com base em comentários de quem nada sabe sobre os factos ou mesmo assentes em mentiras claras e contradições óbvias, que apenas criam alarme social”.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Antes demais as mais profundas condulâncias a todos os familiares que perderam os seus ente queridos, quando as pessoas perdem a dignidade e o respeito pelos seus semelhantes aconteçem estas tragédias.
    Quero dar o meu apoio ás familias para que continuem com este processo para a frente e que os culpados sejam severamente punidos sejam quem forem, näo percam a esperança nem a Fé.
    As Universidades säo culpadas por estas tragédias… além disso os maiores responsáveis säo o governo e as autoridades nunca quiseram saber o que se passa nas Universidades, depois de várias vezes a comunicaçäo social falar tantas vezes deste assunto, mas como näo eram os filhos deles nunca se interessaram.
    EStas praxes tem que ser PROÍBIDAS.

RESPONDER

Presidente promulga lei que lança app Stayaway Covid

O Presidente da República promulgou, esta terça-feira, o diploma que estabelece o responsável pelo tratamento dos dados e regula a intervenção do médico no sistema 'Stayaway Covid'. À margem de uma visita a Lagoa, no Algarve, …

Prémios e dados pessoais. Worten alerta clientes para falso SMS em circulação

A Worten alerta os clientes para não partilharem dados pessoais em resposta a mensagens publicitárias falsas que estão a circular por SMS em nome da retalhista, a anunciar um prémio. "Alertamos que não devem ser facultados …

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …