Família de Ihor pondera recorrer se inspetores não forem condenados por homicídio

(dr)

Ihor Homeniuk

A família de Ihor Homenyuk está a ponderar recorrer se os três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) forem condenados por ofensas à integridade física agravada e não por homicídio qualificado.

A notícia é adiantada ao jornal Público pelo advogado da família José Gaspar Schwalbach.

Na semana passada, o presidente do coletivo de juízes, Rui Coelho, anunciou que o tribunal ia ponderar a hipótese de julgar Duarte Laja, Bruno Sousa e Luís Silva pelo crime menos graves de ofensas à integridade física grave, agravada pelo resultado morte.

Esta segunda-feira, a procuradora do Ministério Público (MP) Leonor Machado seguiu a indicação do juiz e deixou cair o crime de homicídio, propondo uma pena não inferior a 13 anos para Luís Silva e Duarte Laja, e de mínimo de oito anos para Bruno Sousa.

“Os arguidos quiserem causar ofensas corporais graves, sabiam que podiam pôr em risco a vida da vítima e conformaram-se com essa circunstância. Os arguidos sabiam que os pontapés, dado a zona atingida — o tronco e abdómen — eram suscetíveis de provocar lesões graves. Por força da sua formação também sabiam que a posição em que deixaram a vítima poderia conduzir àquilo que o senhor perito [Carlos Durão, médico legista] considerou asfixia posicional. Portanto estes resultados são previstos na conduta. Houve negligência dos arguidos porque eles sabiam em que estado deixaram a vítima e os perigos que ela corria”, disse Leonor Machado.

Nas alegações finais, o advogado da família defendeu que os inspetores deveriam ter sido condenados pelo crime de homicídio e opôs-se que o fossem pelos crimes menos graves. “Podendo prever o resultado os agentes atuaram e mantiveram o propósito de atuar, deixando a vítima prostrada no chão, algemada de forma a impedir a sua respiração de forma livre, e não dando ordens específicas para a libertação da vítima nem se preocupando com o estado em que a mesma foi mantida até à sua morte”.

Ao jornal Público, o advogado disse que a viúva de Ihor está a ponderar recorrer caso o crime de homicídio qualificado não seja provado por ausência de prova.  “Houve um controlo muito rígido de produção de prova para evitar abrir uma caixa de Pandora. Se tivessem sido autorizadas as inquirições a outras testemunhas a produção de prova poderia ir mais além”, afirmou.

Questionado sobre se o recurso tem alguma ligação à indemnização do Estado português à viúva,o advogado respondeu: “Não, de maneira nenhuma, esse assunto está fechado”.

A leitura da sentença está marcada para dia 10 de maio.

Novo inquérito à atuação de vigilantes

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou esta terça-feira a existência de inquérito à atuação dos vigilantes presentes nas instalações do SEF no aeroporto de Lisboa na noite em que viria a morrer o cidadão ucraniano Ihor Homeniuk.

Questionada se foi aberto um inquérito para apurar eventuais responsabilidades criminais à atuação dos vigilantes que interagiram com o passageiro ucraniano durante esse período noturno que antecedeu a sua morte, na tarde de 12 de março de 2020, a PGR respondeu afirmativamente, mas sem adiantar mais pormenores.

Confirma-se apenas a existência de um inquérito, cuja investigação é dirigida pelo Ministério Público do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa”, indicou.

A confirmação pela PGR surge após, na segunda-feira, nas alegações finais do julgamento sobre a morte de Ihor Homeniuk, um dos advogados de defesa ter revelado possuir informação de que, à margem daquele julgamento, o Ministério Público (MP) já tinha aberto inquérito para averiguar o comportamento e a atuação daqueles vigilantes.

A defesa dos arguidos lamentou que os vigilantes que durante a madrugada ataram Ihor Homeniuk, de pés e mãos, com fita adesiva, deixando-o imobilizado, não tenham sido também constituídos arguidos, assim como outros inspetores do SEF, cuja responsabilidade e grau hierárquico os responsabiliza pelo trágico acontecimento ocorrido naquelas instalações do SEF no Aeroporto de Lisboa.

Os advogados de defesa Ricardo Sá Fernandes e Maria Manuel Candal alegaram que muitas das testemunhas ouvidas em julgamento e que vieram incriminar os acusados, também deveriam ter sido constituídos arguidos no processo, sendo que alguns deles foram já alvo de processos disciplinares, pelo que lhes convinha “mentir” e ocultar as suas coresponsabilidades.

Segundo Ricardo Sá Fernandes, os vigilantes e inspetores do SEF ouvidos em tribunal como testemunhas produziram uma “prova mentirosa” e relataram falsidades sob pena de futuramente virem também a serem incriminados pelo “lamentável” caso.

Maria Campos Maria Campos, ZAP // Lusa

 

 

PARTILHAR

RESPONDER

Rio Ave 0 - 2 Sporting | Leão invicto com uma garra no “caneco”

O Sporting registou o 31º jogo consecutivo sem perder na Liga NOS. Na visita ao Rio Ave, os “leões” venceram o Rio Ave por 2-0 e estão muito perto de conquistar o ceptro de campeões …

Taylor's lança vinho do Porto produzido na vindima de 1896 (e custa uma pequena fortuna)

A Taylor's vai lançar um "raro" vinho do Porto produzido na vindima de 1896, na Região Demarcada do Douro, e que tem uma edição limitada de 1.700 decantadores de cristal, embalados numa luxuosa caixa de …

"Este calendário pode ser muito mais perigoso do que finalizar o campeonato"

Dois treinadores de equipas femininas de andebol analisaram a sucessão de jornadas duplas em fins-de-semana consecutivos. Diogo Guerra avisa: "Este calendário é uma irresponsabilidade enorme. Só espero que ninguém se aleije". A primeira divisão nacional feminina …

Mulher dá à luz nove bebés, mais dois do que mostraram as ecografias

Uma mulher de 25 anos deu à luz nove bebés, mais dois do que mostraram as várias ecografias realizadas ao longo da gravidez. O caso aconteceu no Mali. Este está a ser considerado um recorde mundial …

Andrea Bocelli dá dois concertos em Coimbra em 25 e 26 de junho

O tenor italiano Andrea Bocelli vai atuar no Estádio Cidade de Coimbra em 25 e 26 de junho, em dois concertos que contam com a participação da fadista Mariza. "Em cumprimento das normas de segurança e …

Califórnia vai ter o maior sistema de armazenamento de energia não hidrelétrica do mundo

A empresa canadiana Hydrostor, que fornece soluções de armazenamento de energia de longa duração, revelou esta semana que irá desenvolver 1.000 MW de CAES na Califórnia, de acordo com um comunicado. O CAES é um tipo …

Seis anos e mil milhões de links depois, cientistas concluem que a Internet está a crescer (e a encolher)

Uma equipa de investigadores analisou mil milhões de links ao longo de seis anos e concluiu que a Internet está tanto a crescer como a encolher. O mundo online está em constante expansão — sempre agregando …

Há estranhas rádios-fantasma na Rússia (e exploradores entraram numa delas)

Aos 14 anos, um jovem comprou um rádio de ondas curtas e estava a testá-lo quando encontrou a transmissão errada - uma rádio fantasma. Imagine que é um entusiasta da rádio, sozinho à noite, a trabalhar …

Dinheiro e refeições grátis. A Sérvia vai recompensar os cidadãos que forem vacinados

O Presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, anunciou esta quarta-feira que serão pagos 25 euros aos cidadãos já vacinados contra a covid-19 e aos que se vão vacinar até final de maio, uma iniciativa original no …

Ivã, o (não tão) Terrível. Aliado de Putin reescreve história para reabilitar reputação do primeiro czar da Rússia

Segundo um alto funcionário russo, Ivã, o Terrível, não era terrível e a sua reputação de tirano cruel é o resultado de uma campanha de difamação realizada pelo Ocidente no século XVI. Nikolai Patrushev, o poderoso …