Falha numa folha de Excel pode ter levado a mais de 1.500 mortes no Reino Unido

Angelo Carconi / EPA

Um erro numa folha de Excel que eliminou quase 16 mil casos de covid-19 das estatísticas do Reino Unido pode ter levado a mais de 1.500 mortes evitáveis, de acordo com um artigo da Warwick University.

Os casos que foram removidos do registo devido ao erro na folha de cálculo não foram encaminhados para a operação de teste e rastreamento do NHS (Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido), o que significa que as pessoas que foram expostas à covid-19 não souberam que precisavam de se isolar.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, uma análise dos dados sugere que essas referências perdidas estão associadas a mais de 125 mil infecções e 1.500 mortes por covid-19.

Thiemo Fetzer e Thomas Graeber, economistas da Warwick University, descobriram o efeito graças a uma anomalia estatística nos dados. Diferentes partes da Inglaterra foram afetadas pelo erro em diferentes graus – e o número de casos perdidos é suficientementealeatório para tratar o erro como uma “quase-experiência”.

Isto significa que o resultado pode ser analisado como se algumas áreas tivessem sido atribuídas aleatoriamente ao rastreamento de contato menos eficaz, com outras a agir como um grupo de controle. Ao comparar os dois grupos, o artigo estima a eficácia do rastreamento de contatos para salvar vidas e quantas vidas podem ter sido perdidas devido ao erro.

“A falha específica de rastreamento de contacto oportuno devido à falha de dados está associada a algo entre 126.836 (22,5% de todos os casos no período pós-tratamento em consideração) e 185.188 (32,8%) casos adicionais e com entre 1.521 (30,6% de todas as mortes) e 2.049 (41,2%) mortes adicionais relacionadas com covid-19”.

Os investigadores “aconselham cautela contra considerar esses tamanhos de efeito pelo valor de face” devido à estrutura complexa da pandemia.

“A boa notícia – se os autores estiverem corretos de que este foi um evento puramente aleatório – o rastreamento de contacto realmente funciona e é de vital importância para impedir a propagação do vírus. A má notícia – este único erro pode ter matado indiretamente cerca de 1.500 pessoas e, implicitamente, atrasos do governo e falhas no rastreamento de contactos podem ser responsáveis ​​por muito mais mortes”, disse Jonathan Portes, professor de economia na King’s College London.

Por outro lado, a Public Health England contestou as descobertas. Isabel Oliver, diretora do Serviço Nacional de Infecção de Saúde Pública da Inglaterra, disse que “estas estimativas são enganosas. Não é apropriado concluir que um aumento de casos e mortes na época foi causado por este problema e os próprios autores aceitam que há pouca confiança nas suas conclusões”.

“Cada pessoa recebeu o resultado do teste como faria em qualquer outro momento, juntamente com o conselho para se isolar. A orientação nacional afirma que as pessoas com sintomas e as suas famílias devem isolar-se imediatamente. Em termos práticos, sabemos que a maioria dos contactos próximos são contatos domésticos, portanto, deveriam estar cientes da sua necessidade de se isolar”, continuou Oliver.

Além disso, acrescentou a responsável, “a maioria dos casos afetados por esse problema também foram detetados por contacto em cinco dias, o que significa que é improvável que o atraso tenha levado os seus contactos próximos a transmitirem o vírus sem saber, dados os períodos de incubação típicos.”

Em outubro, o SNS britânico usou o Microsoft Excel para contabilizar os casos de covid-19 no país. Isso levou a um erro que deixou passar ao lado cerca de 16 mil infeções.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Péssimo título, quem falhou foi quem fez a programação da planilha eletrônica ou a inserção dos dados, não deve ter sido uma falha do Excel. O título induz o leitor ao erro.

  2. À primeira vista pensa-se: Mas que raio tem o Excel a ver com isto?
    É que os programas informáticos não erram. Quem erram são os operadores ao introduzir e, como parece ter sido o caso, ao compilar e tratar a informação. Que, mandam as boas regras, deve ter um backup até ao fim do processo.

  3. Agora decidiram dar nome ao velho “problema informático”, que é a desculpa do costume para os erros humanos cometidos por quem usa mal o computador!
    Isto seria motivo de riso não fosse a tragédia causada pela enorme quantidade de pessoas que mal sabem usar os computadores pelas quais são responsáveis no seu posto de trabalho, que em muitos casos são o motivo de grandes atrasos e erros sistemáticos em vários serviços públicos que até estão bem equipados informaticamente.

  4. O erro foi não implementarem um sistema de informação de gestão dessa informação. A falta de investimento e de visão da entidade que gere essa informação resultou neste problema. É preciso muita falta de ética para culpar um programa de produtividade generalista.

  5. Para os que se questionam: sim, o problema foi uma limitação do Excel e ao mesmo tempo um erro do utilizador.
    https://www.theguardian.com/politics/2020/oct/05/how-excel-may-have-caused-loss-of-16000-covid-tests-in-england
    Há um limite de 1 milhão de linhas no excel, logo todos os novos dados inseridos pelos laboratórios de testes acima desses valores não foram contabilizados. Não sei se será bem um problema de design do programa ou de má utilização porque o utilizador desconhecia esta limitação.

RESPONDER

Máscaras vieram para ficar. Mas pode haver exceções

A máscara de proteção individual vai continuar a fazer parte do nosso dia-a-dia. No entanto, pode haver exceções para os já vacinados contra a covid-19. O Governo convidou os especialistas a criarem um novo plano e …

Chega quer que agentes da PSP e GNR usem câmaras de vídeo nas lapelas e nas viaturas

O deputado único do Chega entregou esta quinta-feira um projeto de resolução no Parlamento que recomenda a colocação de câmaras de vídeo nas lapelas das fardas e nas viaturas das forças de segurança, a fim …

Em dia sem registo de mortes, Portugal contabiliza 450 novos casos

Esta sexta-feira, Portugal não regista qualquer óbito. Nas últimas 24 horas, houve 450 novos casos positivos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Não morreu ninguém infetado com o novo …

Câmara de Torres Vedras deteta migrantes a viverem em armazéns e antigas pecuárias

Além de espaços sem condições de habitabilidade, como armazéns e pecuárias desativadas, a autarquia tem conhecimento de "casas alugadas a pessoas migrantes onde existe sobrelotação". A Câmara de Torres Vedras, no distrito de Lisboa, levantou coimas …

Parlamento aprova "direito ao esquecimento" para quem superou doenças graves

O Parlamento aprovou esta sexta-feira, na generalidade, o projeto-lei do PS que pretende consagrar o “direito ao esquecimento” para acabar com a discriminação de pessoas que tiveram cancro. O Parlamento aprovou, na generalidade, o projeto-lei do …

No seu último discurso, presidente do Supremo atira críticas aos megaprocessos

António Piçarra, presidente do Supremo Tribunal de Justiça, centrou o seu último discurso na falta de eficácia do sistema judicial em tratar os processos especialmente complexos de corrupção. Para o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, …

Viagens não essenciais de e para o Reino Unido permitidas a partir de segunda-feira

Cristóvão Norte, deputado do PSD, criticou a indefinição em torno das viagens do Reino Unido para Portugal, em entrevista à BBC. Entretanto, esta manhã, fonte governamental revelou que as viagens não essenciais de e para …

PPP na saúde levou Estado a "poupar" mais de 200 milhões

As Parceiras Público-Privadas (PPP) dos hospitais de Braga, Vila Franca de Xira, Loures e Cascais trouxeram ao Estado uma "poupança" de 203 milhões de euros, menos de um terço do que se esperava no arranque …

Praias podem receber mais banhistas este verão

Apesar de o semáforo de lotação das praias se manter nesta época balnear, a percentagem de ocupação sobe para os 90%. Quem não respeitar as regras estará sujeito a coimas. As limitações à lotação, introduzidas no …

Ritmo de vacinação da UE ultrapassa o dos EUA e China. Grécia reabre turismo

Atualmente, o ritmo de vacinação da União Europeia ultrapassa o registado nos Estados Unidos da América e na China, de acordo com os dados da plataforma Our World in Data. Os dados recolhidos pelo Público …