Nem escondido num porta-bagagens Puigdemont vai poder regressar a Espanha

Olivier Hoslet / EPA

O ex-presidente do governo da Catalunha, Carles Puigdemont

Espanha montou um sistema de vigilância para assegurar a prisão do líder independentista Carles Puigdemont no caso de este tentar regressar à Catalunha, mesmo que tente voltar escondido num porta-bagagens.

O ministro da Administração Interna espanhol, Juan Ignacio Zoido, entrevistado hoje na rádio Antena 3, revelou que as forças de segurança estão a trabalhar de forma “muito intensa” para impedir que Puigdemont entre em Espanha e apareça no Parlamento catalão no dia da sua eventual investidura.

“Estamos, sem dúvida, muito preocupados com essa conduta, porque não se sabe o que pode fazer e estamos a estudar todas as possibilidades que temos”, disse Zoido, acrescentando que as forças de segurança vão tentar que Puigdemont “não entre na Catalunha, nem que venha no porta-bagagens de um carro“.

O responsável governamental explicou que a fronteira da Catalunha com a Europa é “muito extensa”, pois há muitos “caminhos rurais por onde pode entrar num helicóptero, num ultra-ligeiro ou por barco”, tendo indicado que está a ser desenhado um dispositivo para evitar que isso possa acontecer.

Juan Ignacio Zoido defendeu o respeito pela legalidade e garantiu que Puigdemont irá responder perante a justiça.

Entretanto, o ex-presidente do Governo regional retirou o pedido para delegar o seu voto de deputado na sessão de investidura, o que leva muitos observadores a pensar que poderia estar a pensar regressar.

O novo presidente do parlamento catalão, Roger Torrent, propôs na segunda-feira o nome do líder separatista para voltar a dirigir o Governo da Catalunha, apesar de todos os obstáculos jurídicos que isso implica.

Roger Torrent, um independentista empossado há duas semanas, quando prometeu privilegiar o “diálogo” entre as forças parlamentares, tomou esta decisão depois de se ter encontrado com todos os partidos com assento na assembleia regional.

Carles Puigdemont disse na segunda-feira num discurso na Universidade de Copenhaga que as forças independentistas irão “em breve” formar um novo Governo regional, apesar das “ameaças” de Madrid.

O líder separatista é procurado pela justiça espanhola, que o acusa de delitos de rebelião, sedição e peculato na sequência da tentativa de criar um estado independente.

O bloco de partidos independentistas tem a maioria dos assentos no parlamento da Catalunha e o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, avisou na semana passada que Madrid irá manter a sua intervenção na Catalunha no caso de Carles Puigdemont tentar regressar ao poder na região.

Se o ex-presidente regional regressar a Espanha será imediatamente preso e no caso de continuar em Bruxelas terá de ser investido à distância, o que os serviços jurídicos do parlamento regional já consideraram ser contrário à Constituição.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. se a catalunha fose um estado da venezuela , cuba…ou mesmo russia….. provavelmente os independentistas so poderiam deitar flores ao largo do mediterraneo em sua memoria. mas como faz parte de uma europa governada por mafiosos trilaterias e congeneres sionistas pro jhiadistas, anda solto e livre apregoando a sua traiçao . sinal dos tempos.. em que os bons terao muito que sofrer…. e o mal espalhara os seus erros por todo o mundo.

RESPONDER

Infetado detido em Miranda do Douro por desrespeitar confinamento obrigatório

A GNR deteve em Miranda do Douro um homem, de 26 anos, por não respeitar o confinamento obrigatório que lhe foi decretado pela autoridade de saúde pública naquele concelho do distrito de Bragança. "O homem encontrava-se …

Sudão aprova criminalização da mutilação genital feminina

O Conselho Soberano, a mais alta autoridade do Sudão, aprovou a criminalização da mutilação genital feminina (MGF), uma prática muito antiga que continua generalizada no país, anunciou o Ministério da Justiça. O Conselho Soberano, composto por …

Andrzej Duda reeleito Presidente da Polónia

O chefe de Estado polaco venceu a segunda volta das eleições Presidenciais com 51,21% dos votos, derrotando o liberal Rafal Trzaskowski, anunciou, esta segunda-feira, a Comissão Eleitoral. Segundo a Comissão Eleitoral, Andrzej Duda conseguiu a reeleição …

Manifestantes criticam escolha de Macron para o Ministério do Interior. Ministro é acusado de violação

Ativistas dos direitos das mulheres protestaram, em França e no estrangeiro, contra a nomeação do novo ministro do Interior, acusado de violação, e do ministro da Justiça, que ridicularizou o movimento #MeToo. Ativistas dos direitos das …

Cinco meses depois, chefes de diplomacia da UE voltam a reunir-se em Bruxelas

A reunião contempla temas como o impacto da pandemia, a situação na Líbia, Hong Kong e na Venezuela, as relação da União Europeia com a Índia e África e o Processo de Paz do Médio …

Há 12 países que conseguiram escapar à pandemia

Tendo em conta os casos registados e comunicados oficialmente pelas autoridades, há 12 países no mundo que não registam qualquer caso de infeção. Segundo a universidade norte-americana Johns Hopkins, a covid-19 chegou a 188 países, mas, …

"Prisioneira em casa" há 4 meses. Algarvia já fez 14 testes e não se livra do coronavírus

A algarvia Tânia Poço está infectada com o novo coronavírus há quatro meses. Nesta altura, já não tem sintomas de covid-19, mas os testes que tem feito continuam a assinalar a presença do vírus naquele …

Mais duas mortes e 306 novos casos em Portugal

Portugal regista, esta segunda-feira, mais duas mortes e 306 novos casos de infeção por covid-19 em relação a domingo. Segundo o boletim diário da Direção-Geral de Saúde (DGS), dos 306 novos casos (aumento de 0,7%), 254 são …

15.299 casos num só dia. Florida bate recorde

Este domingo, o estado norte-americano registou 15.299 casos no espaço de 24 horas. Se a Florida fosse um país, seria o quarto com mais casos de covid-19 em todo o mundo. O estado da Florida, nos …

Partidos de Direita vencem eleições na Galiza e País Basco

As eleições regionais disputadas hoje em Espanha fortaleceram os partidos no poder, com o Partido Popular (direita) a alcançar a quarta maioria absoluta consecutiva na Galiza e o Partido Nacionalista Basco (PNV-centro-direita) a triunfar no …