/

Dois anos depois, mulher de Assange pede que Reino Unido pressione EUA para acusações caírem

Facundo Arrizabalaga / EPA

O fundador da Wikileaks, Julian Assange

A mulher de Julian Assange, Stella Moris, disse que a Grã-Bretanha seria mais forte a fazer campanha contra regimes autoritários se pressionasse o Governo Biden a retirar o seu apelo para o extraditar sob acusações de espionagem.

Stella Moris – que tem dois filhos com Assange – está a tentar ampliar a campanha de apoio, apontando para os danos globais causados à reputação do Reino Unido por mantê-lo na prisão durante tanto tempo.

A mulher de Assange deu uma entrevista ao jornal britânico The Guardian, que coincide com o segundo aniversário da sua detenção na prisão de alta segurança de Belmarsh, no sudeste de Londres.

“O tratamento dado a Julian está a comprometer o Reino Unido constantemente em todo o mundo. É dar a governos autoritários pontos para marcar em todo o mundo, tanto privadamente como em fóruns internacionais como a ONU. Não se pode iniciar uma nova competição de valores com a China com Julian Assange em Belmarsh por divulgar crimes de guerra. Isso simplesmente não funciona. Não pode ter a moral elevada com isso como seu ponto de partida”, disse Moris.

“Jake Sullivan, o conselheiro de segurança nacional dos EUA, disse que a diferença entre a China e os EUA é que a China coloca os seus críticos na prisão. Não tenho certeza se o governo britânico está ciente de quantas críticas internacionais está a enfrentar sobre essa questão, ou do dano que está a causar à sua reputação de soft power. É uma ferramenta para golpear o Reino Unido repetidamente. É a resposta perfeita para líderes autoritários quando são criticados pelo Reino Unido ou pressionados a libertar prisioneiros políticos”.

Moris disse ainda que o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido estava a fazer uma grande campanha global pela liberdade de imprensa e, ao mesmo tempo que mantém Assange na prisão.

Até agora, o governo Biden, para decepção de Moris, disse que vai apelar contra a decisão do tribunal do Reino Unido, tomada em fevereiro, de recusar a extradição, alegando que a saúde mental de Assange significava que havia um risco real de que cometeria suicídio. O tribunal rejeitou a maioria dos argumentos da imprensa livre apresentados pelos advogados de Assange para rejeitar a extradição. Também recusou a fiança de Assange.

Moris afirma que a pressão dos grupos de liberdades civis sobre a administração Biden é real e que o tribunal estava certo em preocupar-se com o bem-estar de Assange, dado o seu histórico de saúde mental, incluindo o diagnóstico médico profissional de síndrome de Asperger, apresentado no seu caso como uma obsessão e uma incapacidade de entender como os outros podem estar a pensar.

“O sistema prisional dos Estados Unidos é atroz. Em qualquer dia, estima-se que haja 80 mil pessoas em confinamento solitário. Ele representa um risco de suicídio, o que significa que o manteriam sob vigilância constante. É prisioneiro de segurança nacional de alto nível, por isso mantê-lo-iam longe de outras pessoas”, continuou.

O maior perigo é que o caso de Assange seja deixado no limbo, nem solto nem extraditado, conforme o caso se arrasta.

Moris disse ainda que que fala com Assange por telefone quase todos os dias. “Às vezes temos que falar sobre o caso, mas ele gosta de ouvir sobre a vida normal e o tipo de fuga que isso lhe proporciona”, disse. “Às vezes tenho de esconder o quanto é uma luta emocional, tenho dias bons e dias maus, mas sinto que a trajetória tem de ser que vai ser libertado e isso tem que acontecer rápido. Mas ele ainda está lá”, rematou.

Assange, de 47 anos, está atualmente detido e enfrenta um processo de extradição para os EUA após ter sido condenado em maio a 50 semanas de prisão por um juiz britânico por ter desrespeitado em 2012 as condições da sua liberdade condicional, ao optar por se refugiar na embaixada do Equador.

O ativista foi preso em abril de 2019, depois de ter estado sete anos asilado na embaixada do Equador em Londres, onde se refugiou após ter violado as condições de fiança, enfrentando agora a possibilidade de extradição para os Estados Unidos.

O jornalista tinha-se refugiado nesta embaixada para evitar a sua extradição em direção à Suécia, que dois anos antes pediu que fosse entregue com o objetivo de esclarecer alegados delitos sexuais, em particular um caso de violação, que Assange sempre negou.

O informático receava que caso fosse entregue à justiça sueca, acabaria por ser extraditado para os Estados Unidos, onde considera que enfrentará um julgamento injusto pela difusão em 2010 de informações diplomáticas confidenciais.

  Maria Campos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.