/

Desconfinamento recua em alguns concelhos e será suspenso noutros. Mas avança no resto do país

14

António Cotrim / Lusa

O primeiro-ministro, António Costa

O primeiro-ministro, António Costa, fez uma declaração ao país no final da reunião do Conselho de Ministros que aprovou, esta quinta-feira, as medidas para a terceira fase de desconfinamento da pandemia de covid-19.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Apesar do Rt e a incidência dos casos estarem acima daquilo que foi definido para haver evolução no plano, Costa anuncia que “podemos a partir da próxima segunda-feira entrar na próxima fase de desconfinamento”.

O primeiro-ministro refere que “a evolução que temos tido de 9 de março a 14 de abril é claramente positiva”.

A incidência no continente era, a 9 março, de 118,49 por 100 mil habitantes e é agora, a 14 abril, de 69 casos por 100 mil. Porém, o Rt está agora em 1,05 no continente, quando era 0,78 a 9 de março.

O avanço para a terceira fase de desconfinamento é generalizado a todo o país, incluindo nos oito concelhos que há 15 dias tinham avançado para patamares de risco, mas que entretanto viram regredir a taxa de incidência.

Contudo, Costa alerta que há 13 concelhos que entram em taxa de risco (acima de 120 mil caso por 100 mil habitantes) e devem “ter especial atenção para controlar a incidência nos próximos dias”. São eles:

Aljezur
Almeirim
Barrancos
Mêda
Miranda do Corvo
Miranda do Douro
Olhão
Paredes
Penalva do Castelo
Resende
Valongo
Vila Franca de Xira
Vila Nova de Famalicão

Há ainda 6 concelhos que não passam para a terceira fase de desconfinamento:

Alandroal
Albufeira
Carregal do Sal
Figueira da Foz
Marinha Grande
Penela

António Costa informa também que quatro irão recuar, uma vez que o número de casos é superior a 240 casos por cada 100 mil habitantes. Como tal, estas localidades terão restrição de circulação entre concelhos, deverão voltar a vender apenas ao postigo e fechar todas as esplanadas:

PUBLICIDADE

Moura
Odemira
Portimão
Rio Maior

O ensino é a exceção, uma vez que a lógica é nacional e não local. O ensino secundário abre em todo o país a partir de segunda-feira.

Relativamente ao dever geral de recolhimento “este mantém-se. O que as medidas de desconfinamento vão fazendo é alargando a medida da exceção”, diz o primeiro-ministro.

Sobre a vacinação, o primeiro-ministro garante que o processo está a decorrer “nos seus termos normais”.

Costa diz que até ao final de abril “toda a população com mais de 70 anos vai estar vacinada” e que até início do mês de maio “toda a população com mais de 60 anos poderá estar vacinada”.

PUBLICIDADE

Questionado sobre as fronteiras com Espanha, Costa explicou que “mantemos o acordo com Espanha para manter a fronteira fechada pelos próximos 15 dias”. “Quanto aos voos, os critérios são os que estão em vigor”, rematou sobre o assunto.

Por fim, sobre a possibilidade de o público voltar aos estádios, o primeiro-ministro voltou a pôr essa hipótese de lado. “Antes da próxima época seguramente não haverá adeptos de volta aos estádios”, sublinhou.

De recordar que na próxima segunda-feira, dia 19 de abril, regressam o ensino secundário e ensino superior; reabrem todas as lojas e centros comerciais; os restaurantes, cafés e pastelarias podem servir com o máximo de quatro pessoas ou seis em esplanada, até às 22h (ou 13h aos fins-de-semana e feriados); voltam a abrir cinemas, teatros, auditórios, salas de espetáculos; lojas de cidadão com atendimento presencial; serão permitidas modalidades desportivas de médio risco; e atividade física ao ar livre até seis pessoas.

António Costa dá ainda luz verde a eventos exteriores com diminuição de lotação e a casamentos e batizados com 25% de lotação, mas já deixa avisos para dia 3 de maio, altura em que deverá avançar a última fase do desconfinamento: “Daqui a 15 dias estaremos a fazer nova análise e avaliação da situação”.

  Ana Isabel Moura, ZAP //

14 Comments

  1. É a loucura!!! Vamos lá abrir tudo!!! É óbvio que o povo, em poucos dias, percebeu o que tinha a fazer, algo que não conseguiu em mais de ano: Ser responsável! Tá tudo bem, estamos em confinamento e não há ninguém infetado e ninguém morre de Covid-19… Vivemos no ano 3000 e toda a gente movimenta-se em carros voadores! Não existe fome nem miséria e nem crime. É a loucura ou utopia?
    Cinemas, lojas de shoppings e escolas… Vai tudo correr bem!

      • Ainda bem!… Ou melhor… Ainda mal! Se fosse, o “povo” não estaria nesta situação. Mas está tudo bem… Até confinarmos outra vez e dar-mos uma golpada final em muitos negócios. Mas… “Calma que o “povo” não é todo como tu!…” Isso deixa-me mesmo “aliviado”.

    • Acho muito bem, alias, acho até que algumas casas de Restauração deviam ser pura e simplesmente encerradas, estava a TVI a entrevistar um comerciante destes e víamos pela Televisão toda a gente sem Mascara, infelizmente o comerciante quer é vender a cerveja não importa as consequências do lucro dessa cerveja, não limpam as mesas e as cadeiras, não impõe disciplina ao cliente, quer é a venda do imediato, é bom para a nossa saúde e salubridade publica que essas casas de restauração sejam encerradas, pena que não seja em definitivo, e que beneficiem das ajudas dos nossos impostos, nem aproveitaram todo o tempo de confinamento para uma limpeza e desinfeção.

  2. Acho muito bem, alias, acho até que algumas casas de Restauração deviam ser pura e simplesmente encerradas, estava a TVI a entrevistar um comerciante destes e víamos pela Televisão toda a gente sem Mascara, infelizmente o comerciante quer é vender a cerveja não importa as consequências do lucro dessa cerveja, não limpam as mesas e as cadeiras, não impõe disciplina ao cliente, quer é a venda do imediato, é bom para a nossa saúde e salubridade publica que essas casas de restauração sejam encerradas, pena que não seja em definitivo, e que beneficiem das ajudas dos nossos impostos, nem aproveitaram todo o tempo de confinamento para uma limpeza e desinfeção.

    • “infelizmente o comerciante quer é vender a cerveja não importa as consequências do lucro dessa cerveja…”
      Errado; não faltam comercianteas a queixar-se disso:
      Restaurantes dizem que clientes ignoram regras sobre máscaras nas esplanadas e pedem medidas mais duras”
      TSF, 07 Abril 2021

      • Vi na televisão o proprietário a queixar-se das medidas do Governo, e as câmaras da TV a focar os seus clientes a conversar, sem máscara, se o proprietário não servisse sem a necessidade das medidas de segurança, esses clientes não estariam alí, nessas condições, e se calhar a localidade estava no verde, existe comerciantes que para bem da Saúde Pública, dos clientes, de toda a gente, deviam ser encerrados pura e simplesmente, era bom para todos.

        • Viste um (1) “proprietário”, mas resolveste falar por TODOS!…
          Muito bem… as generalizações dão sempre esse resultado….

          • Vi o proprietário e a clientela, assim como vejo pessoalmente todos os dias, ainda hoje interpelei uma Senhora proprietária, a resposta foi, que pede para utilizar as máscaras, muitas vezes até as oferece, mas não aceitam, e ela precisa dos clientes, deu a entender que o prefere a ele, que bebe umas quantas cervejas por dia, e a família a lanchar e tomar o Pequeno almoço, que a mim, um chato, que só toma lá, 2 cafés por dia.

            • Mau é daqui a uns tempos ter de começar a Pagar todos os tipos de subsídios a esta gente que só a propagar o vírus.

            • Pois… se ela prefere clientes assim, talvez devesses ir a outro lado…
              Felizmente pelo país fora (e na grande maioria do sítios onde vou), as pessoas cumprem minimamente as regras.
              Por aqui, nem admitem que os clientes não cumpram!

  3. É o que eu faço, aquela casa Comercial nunca mais, mas tenho a noção de que não resolvo o Problema, porque ela deixa de vender 2 cafés, em troca continua a vender umas boas cervejas, entretanto um cliente dela pode se atravessar no meu caminho, além da Revolta de um dia destes ter de começar a contribuir para as ajudas do estado que ela está e continuará a receber, quando devia era ser encerrado.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.