Cristas lançou-se contra um Costa “perdido” (mas é um “nado morto”)

Estela Silva / Lusa

Às 16h00 de sexta-feira, Assunção Cristas apareceu no púlpito para explicar os motivos da moção de censura e também a escolha do calendário, a seis meses das próximas legislativas. Para Costa, a iniciativa é uma questão “mais entre a direita” do que uma questão com o Governo.

Depois do anúncio surpresa da moção de censura, esta sexta-feira em conferência de imprensa, a líder do CDS fez duras críticas ao Governo, ao primeiro-ministro e aos partidos da esquerda, que apoiam o executivo. Falou de “uma deriva ideológica da esquerda”, acusou António Costa de ter colocado “o partido à frente do país” e de fazer “escolhas setoriais em vez de investir no interesse nacional”.

“O Governo está esgotado e o primeiro-ministro perdido”, declarou Cristas, dizendo que o executivo “cria problemas, mas que é incapaz de encontrar soluções”. Para Cristas, o Governo está “desorientado, desconcertado, sem ambição e sem programa”.

Um dos alvos do discurso da líder do CDS são os problemas no setor da saúde: “Este é o governo dos serviços públicos mínimos e da carga fiscal máxima”, atirou.

A presidente do CDS sublinhou a “má resposta” que o Serviço Nacional de Saúde dá à população e apontou para a sustentabilidade do SNS, referindo que “a dívida a fornecedores e credores disparou quase mil milhões de euros em três anos”.

A posição do Governo relativamente à ADSE também mereceu críticas por parte de Assunção Cristas. Depois das notícias dos últimos dias, que deram conta de que vários hospitais privados rasgaram os acordos que tinham com o subsistema de saúde, Assunção Cristas defendeu que a esquerda deixou a ADSE “chegar a um estado de rutura” e colocou os ”interesses dos beneficiários” em “segundo plano”.

As críticas à forma como o Governo gere o setor da saúde foram mais longe, com Cristas a afirmar que “a ideologia não pode estar acima da saúde dos portugueses”, nem pode ser uma “arma de negociação partidária”, referindo-se também aos partidos da esquerda.

Na declaração para justificar a moção de censura avançada pelo partido, Cristas acusou o Governo de apostar “nas meias verdades” e “na tradição da velha escola socrática”. Afirmou que “cresceram os impostos indiretos e as cativações”, e referiu os “mínimos históricos” de Portugal em termos de investimento público.

Cristas diz haver “má gestão”, o “excesso de promessas” e o “sentimento de engano que se instalou” na sociedade, e que levou a um nível de “insatisfação social crescente” e a uma “contestação que não pára de crescer”.

Assunção Cristas defendeu também que “o que corre bem” não é mérito do Governo: “O que corre bem no país é apesar do Governo e não graças ao Governo”. E declarou que o “ilusionismo socialista chegou ao fim”.

A seis meses das próximas legislativas, a presidente do CDS acusou o Governo de eleitoralismo ao afirmar que “o único futuro em que pensam é o de outubro”.

António Costa reagiu este sábado. O secretário-geral do PS considerou que a moção de censura ao Governo apresentada pelo CDS foi um “nado morto” porque não terá maioria parlamentar para ser aprovada.

“A moção de censura foi um nado morto, visto que, ficou esclarecido, não teria maioria parlamentar para ser aprovada. Faz parte de uma certa disputa que existe hoje na nossa direita para ver quem se destaca mais, se o CDS-PP, se o PSD ou se os partidos emergentes como o Chega ou o Aliança”, afirmou o líder socialista.

Para António Costa, esta iniciativa do CDS-PP é uma questão “mais entre a direita” do que uma questão com o Governo. O socialista mostrou-se “tranquilo e concentrado” em governar o país e resolver os problemas que afligem os portugueses no setor da saúde, da educação, na criação de mais e melhor emprego e na promoção do crescimento da economia.

Questionado se tem curiosidade sobre o sentido de voto do PSD, António Costa afirmou não ter qualquer tipo de curiosidade. “A minha curiosidade é saber como vai correr a convenção que resulta de seis semanas de trabalho sobre o tema da Europa e que é fundamental para termos um bom programa para afirmar Portugal na Europa e defender os interesses dos portugueses”, frisou.

Nova moção de censura tem chumbo garantido

O debate onde o texto da moção vai ser discutido no Parlamento ficou marcado para a próxima quarta-feira. Na quinta-feira, está agendado o debate quinzenal com o primeiro-ministro.

Esta é a segunda vez que o CDS de Assunção Cristas apresenta uma moção de censura. Tal como a primeira, dificilmente será aprovada, segundo o Observador.

É pouco provável que os parceiros de esquerda do PS viabilizem esta moção de censura, mas caso o fizessem, teriam de existir eleições antecipadas ou o governo ficar em gestão até 22 de setembro.

Aliás, os líderes parlamentares do Bloco de Esquerda e dos PCP usaram os mesmos argumentos para justificar o voto contra: esta moção trata-se de uma jogada política para disputar o eleitorado de direita.

O líder da bancada comunista foi o primeiro a reagir no Parlamento. João Oliveira falou numa “encenação” e não encontra razão nos argumentos utilizados esta tarde por Assunção Cristas para justificar a apresentação de uma moção de censura.

“É uma iniciativa que não pode ser levada a sério”, disse. “Há certamente opções do Governo e do PS que são merecedoras de crítica e de censura, que são as opções de convergência com o PSD e com o CDS. Essas opções sim deviam ser censuradas. Mas não é a isso que se destina a moção de censura do CDS e, por isso, o PCP votará contra“.

Pedro Filipe Soares reagiu em nome do Bloco de Esquerda menos de um minuto depois de João Oliveira. “Percebemos que esta moção de censura tem mais a ver com o estado da direita do que com a realidade do país. O CDS utiliza a moção de censura para a campanha eleitoral. Não nos merece qualquer tipo de acompanhamento”, justificou o líder da bancada bloquista. “Sem surpresa, votaremos contra”, anunciou.

Pedro Filipe Soares apontou ainda uma “grande confusão de ideias” nos argumentos apresentados por Assunção Cristas.

Já a primeira reação do PSD deixa tudo em aberto em relação ao voto dos sociais-democratas no Parlamento. Ao contrário dos restantes líderes parlamentares, Fernando Negrão preferiu responder aos jornalistas por escrito.

Sem concretizar qual será o sentido de voto, o social-democrata assegura apenas que o partido “participará no debate e continuará a denunciar a má governação de que o país e os portugueses têm sido vítimas”.

Existem muitos motivos para criticar o governo. Os que fora anunciados e muitos outros. Este governo está a desfazer os serviços públicos, pondo em causa a coesão social. Embora a meses de eleições, o PSD participará no debate e continuará a denunciar a má governação de que o país e os portugueses têm sido vítimas”, sublinha o líder parlamentar social-democrata, citado pelo Expresso.

Moção “irrelevante” e fruto de “ambição política”

O presidente e líder parlamentar do PS considera “irrelevante” para a estabilidade do país a moção de censura apresentada pelo CDS, partido que acusou de se ter “radicalizado” e que usa esta figura parlamentar para “embaraçar o PSD” e “e barrar caminho à ascensão de outros partidos da direita”, como o Chega ou a Aliança.

“Esta moção de censura, praticamente antes de nascer, já não conta para o trabalho e a decisão política no país”, começou por dizer Carlos César citado pelo Público. “Vivemos num regime de estabilidade e compromisso forte entre os partidos que apoiaram esta experiência parlamentar”, congratulou-se.

Para Carlos César, esta iniciativa centrista é mais uma prova de que o CDS “se tem radicalizado de forma muito impressiva”. “É hoje um partido mais extremista, que se exclui do diálogo político e parlamentar e parece ter uma única preocupação: disputar as próximas eleições em condições privilegiadas face aos restantes partidos da direita”, apontou o líder parlamentar socialista.

Esta iniciativa política não “olha de frente o país, mas de lado, para o PSD”, mas de “disputa e instabilidade na direita portuguesa”, porque “procura sobretudo embaraçar o PSD, aproveitando-se da sua desorientação política, e barrar caminho à ascensão de outros partidos da direita”.

Questionado sobre qual o sentido de voto que espera do PSD, Carlos César considerou que esse é um problema dos social-democratas, mas seja qual for, “será irrelevante do ponto de vista da estabilidade do país político”.

Aliança votaria a favor da moção

Apesar de não estar presente na Assembleia da República, o partido liderado pelo antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes, que tem tecido duras e sucessivas críticas ao Governo liderado pelo socialista António Costa, “votaria a favor da censura ao Governo”, lê-se numa nota.

Na nota, o diretor executivo da Aliança, Luís Cirilo, refere que o partido fá-lo-ia pelas “razões que têm sido abundantemente expostas, nomeadamente no recente Congresso Nacional”, que decorreu em Évora.

Recordando que o Bloco e PCP já anunciaram que iriam rejeitar a moção de censura, a Aliança considera ser “mais uma vez nítida a premência de um entendimento para se formar uma alternativa democrática e patriótica que traga estabilidade, confiança e crescimento a Portugal”.

ZAP //

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Esta moça anda a colocar pouco tabaco na mistura… A outra cambada, já se sabe ao que vêm: o regresso da ditadura fascista que tanto admiravam, cultivavam e veneravam.

  2. Ao longo destes últimos quatro anos, só assistimos à união e convergência das esquerdas e à desunião e fragmentação das direitas. Isto porque os ratos da extrema direita, que no fundo sempre existiram mas num Portugal pós 25 de Abril se armaram todos em moderados de centro-direita e sociais democratas que nunca foram… Agora andam a sair debaixo das pedras onde tinham as tocas, quais vermes…

    A extrema direita, ao achar que está na hora de se assumir, é que está a causar a derrocada da direita em Portugal. Depois, ressabiadíssimos acusam a esquerda de se unir e até dizem estupidezes como “deriva ideológica à esquerda”. Ora se são de esquerda, não hão-de orgulhosamente estar ideológicamente à esquerda? Parece que ser de esquerda é vergonha ou crime. Claro que a esquerda está ideológicamente à esquerda! Nunca pensaram com as ideias da direita, era agora que estão no poder que íam mudar? Acusem lá a esquerda de algo mais grave… Do que ser de esquerda.

  3. Carrega Cristas! Um governo destes merecia um moção de censura todos os dias… se tal fosse possível. Um total desgoverno que ficará para a história pelo regime do Cativador. O que cativa os orçamentos logo a partir do mês de fevereiro. É de facto obra! Isto até deveria ser levado a tribunal porque na minha opinião constitui um crime. O orçamento é uma Lei do Estado aprovada na Assembleia da República. O governo ao não a cumprir assume um comportamento infrator e deste modo deveria ser presente à justiça.

  4. Esta Sra Cristas onde tem andado? Ainda é muito nova mas com uma ambição desmedida.Esta Sra não foi ministra no governo de Passos?O que fez pelo País?
    Esta Sra Cristas é mas é muito populista e demagoga como o tal Portas que só sabem andarem pendurados no poder eno país como os salpicãoes no sarilhos.Basta de tanta besteira Sra Cristas e todos os CDS.

  5. Coitada, às vezes tenho pena desta senhora. E penso comigo e com os meus botões: como pode esta senhora ser catolica, e ainda por cima praticante, pelos vistos. Mas afinal o que é que o cds pretende com esta moçao???? Simplesmente marcar posição. Dizer que faz oposição, mas qual oposição??? Também é logico que está preocupada com a existencia do partido, porque para lá do psd, tem agora o basta, e vem a caminho o chega, e claro não assim tanta gente para votar em todos. Tenho para mim que o cds nao é preciso para a politica Portuguesa, e que vai voltar ao taxi.

RESPONDER

Se quer um coração saudável, desligue a televisão e tome um bom pequeno-almoço

É conhecida como a refeição mais importante do dia e não é por acaso. Os hábitos de vida que seguimos diariamente têm um impacto direto na nossa saúde vascular. Numa investigação recentemente apresentada na reunião anual …

Determinada temperatura das bebidas que aumenta risco de cancro

Cientistas da Universidade de Ciências Médicas de Teerão publicaram novas provas sobre a relação entre o consumo de bebidas quentes e o cancro do esófago. De acordo com o estudo publicado na revista International Journal of …

Descobertos 83 buracos negros supermassivos no Universo inicial

Astrónomos do Japão, de Taiwan e dos EUA descobriram 83 quasares alimentados por buracos negros supermassivos no universo distante, numa época em que o Universo tinha menos de 10% da sua idade atual. "É notável que …

Joy Milne consegue cheirar a doença de Parkinson antes de ser diagnosticada

Atualmente, não existe nenhum teste diagnóstico definitivo para o Parkinson, mas isso pode mudar graças a Joy Milne, uma mulher que consegue detetar a doença antes que os sintomas apareçam. Parece demasiado bizarro para ser verdade, …

Filho de José Eduardo dos Santos libertado da prisão. Estava preso desde setembro de 2018

O antigo presidente do Fundo Soberano de Angola, José Filomeno dos Santos, que se encontrava em prisão preventiva desde 24 de setembro de 2018, encontra-se já em liberdade, disse hoje à agência Lusa fonte oficial. A …

Naufrágio no Nilo é a primeira prova de que Heródoto não estava a mentir sobre os barcos egípcios

Um navio naufragado encontrado no rio Nilo pode ter permanecido inalterado durante mais de 2.500 anos. Agora, está finalmente a revelar os seus segredos: cientistas pensam que este navio revelou uma estrutura cuja existência tem …

A gravidade influencia a maneira como tomamos decisões

Todo e qualquer organismo vivo na Terra evoluiu a longo de milhares de anos sob um campo gravitacional constante, com a gravidade desempenhando um papel fundamental no comportamento e na cognição humana. Um estudo recente publicado …

"Atentado" na Disneyland Paris era apenas uma avaria nas escadas rolantes

Por volta das 21h00 em Paris, produziu-se um movimento de pânico na Disney Village, no parque de diversões francês da Disney. Rapidamente se multiplicaram mensagens sobre um "atentado". Ao jornal belga DH, uma fonte afirmou que …

Cientistas alargam limites físicos do grafeno

Até onde vão os limites físicos do grafeno? Uma equipa de cientistas do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), em Braga, respondeu a esta questão e desafiou-os. Uma equipa de investigadores dos Departamentos de Materiais Quânticos …

Ilusionista britânico diz que vai travar o Brexit com o poder da mente

Uri Geller é um ilusionista israelista, com nacionalidade britânica, que se tornou famoso nos anos 1970 em programas de televisão em que realizava demonstrações dos seus alegados poderes paranormais. Agora, Geller deixa um aviso a Theresa …