Corrida às armas durante a pandemia é “representativa” da mentalidade dos EUA

A subida das vendas de armas e munições nos Estados Unidos (EUA), em paralelo às medidas restritivas relacionadas com a pandemia de Covid-19, é “representativa” da mentalidade americana, disse à Lusa o português José da Veiga, emigrado em Los Angeles há 22 anos.

Em entrevista à agência portuguesa, o empreendedor afirmou que o fenómeno, visível nas filas à porta de várias lojas de armamento na cidade, “reflete o universo mental e cultural dentro da cabeça das pessoas do que é o país onde vivem e a sua sociedade”.

“Sempre que acontece alguma coisa nos Estados Unidos, isto é uma reação das pessoas”, disse José da Veiga, contando que vários dos seus amigos foram abastecer-se de armas e munições nos últimos dias.

A corrida às armas tem sido registada em vários estados norte-americanos, especialmente nos que estão a ser mais atingidos pela propagação da Covid-19, sendo que em Los Angeles continua a estar presente na mente de muitos habitantes o que aconteceu nos motins de 1992, na altura motivados pela absolvição de quatro polícias acusados de uso excessivo de força e espancamento do afro-americano Rodney King.

Geneva Solomon, dona da Redstone Firearms em Burbank, condado de LA, confirmou à Lusa que houve uma grande subida do número de clientes a comprar armas e munições na loja. “Temos um problema de ‘stock’ neste momento”, afirmou, referindo que está a trabalhar para repor os volumes de armamento e munições para venda. A loja funciona habitualmente por marcações, mas nos últimos dias tem tido filas à porta.

É um cenário que se repete em várias outras lojas de armas em Los Angeles. Na Gun World, que costuma ter “dois ou três gatos pingados” de cada vez, o luso-americano Tony Lima encontrou filas para entrar quando tentou ir comprar munições. “A loja pela primeira vez tinha uma fila à porta, com pessoas lá dentro a comprar sete e oito pistolas”, disse.

“Se isto der para o torto, vão fazer barricadas”, opinou o empresário, que detém um negócio de transportes de luxo. Lima notou que “no supermercado havia discussões” e há um sentimento de incerteza que está a provocar este comportamento.

Com o encerramento das escolas, as organizações anti-lóbi das armas estão a alertar para o perigo acrescido da presença de armas nos lares onde as crianças estão agora o dia todo, uma mensagem reforçada esta semana quando um rapaz de sete anos alvejou acidentalmente o irmão de dez, em Sacramento.

Maxim Shipenkov / EPA

“Com milhões de crianças agora em casa nos dias de escola, precisamos de ser inteligentes”, escreveu a Everytown For Gun Safety na sua conta na rede social Twitter. “Assumam que as crianças curiosas vão ter acesso a armas e guardem-nas, descarreguem-nas e separem-nas das munições”, alertou.

A subida das vendas está também a ser reportada em cidades onde a pandemia ainda não causou tanta disrupção como na Califórnia, Washington e Nova Iorque. Um dos casos, reportado pelo Los Angeles Times, dá conta de um motorista de veículos pesados que comprou 2.500 dólares de munições em Oklahoma.

“As pessoas aqui não confiam no governo para manter a paz pública e compram armas porque acham que quando deixar de haver comida terão de se defender”, afirmou José da Veiga. “Muitas pessoas da classe média” receiam que os habitantes das zonas mais pobres recorram a assaltos e violência perante um cenário de “hecatombe económica”, explicou.

Além das prateleiras vazias no supermercado, que têm sido uma constante na última semana, os receios prendem-se com o desemprego e crise económica.

As previsões dos economistas apontam para que as restrições impostas para suster a propagação da pandemia de Covid-19 levem a uma contração substancial do crescimento em 2020, sendo que a IHS Markit prevê uma recessão a partir do segundo trimestre.

“As pessoas aqui têm a ideia de que a sociedade é muito frágil”, disse José da Veiga, contrapondo com o sentido mais forte de comunidade que existe em Portugal. “Aqui não existe isso, as pessoas estão completamente sozinhas e o governo dá também a sensação de que é cada um por si”, acrescentou.

Os EUA têm 6.500 casos de infeção e 110 mortos confirmados por causa da pandemia da Covid-19. O novo coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou mais de 194 mil pessoas, das quais mais de 7.800 morreram. Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 81 mil recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 160 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia, apontando que o seu epicentro moveu-se entretanto da China para a Europa.

Lusa //

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

    • Não é para matar o vírus a tiro, é para terem como defender a sua família e a sua propriedade numa situação de colapso social. Quem tem menos de 45 anos em Portugal viveu sempre num mundo relativamente estável, e convenceu-se que isso nunca irá mudar. Não há nada como estar preparado. Numa situação de ruptura social, vai haver mais violência e assaltos. Se pudesse, garanto que comprava uma arma (ou 2!) para ter em casa.

      • Fazes bem… compra também um bunker, um blindado, etc, etc… nunca se sabe…
        Ter armas é uma coisa, estar preparado é outra – como comprova quase diariamente a realidade americana!!..
        Enfim… mentalidade belicista mesmo à cowboy parolo!…

  1. é para proteger o papel higienico que açambarcaram, rsssss
    que espera quando o presidente deles tambem tem estas atitudes?
    estao bem representados

  2. Tendo em conta que neste momento a polícia de alguns estados já nao responde a chamadas por crimes como invasão de propriedade alheia, fizeram eles muito bem.
    Mais vale prevenir do que remediar e em tempo de guerra, não se limpam armas.

RESPONDER

Tribunal de Loures. António Joaquim vai manter-se em liberdade

O Tribunal de Loures decidiu esta sexta-feira manter a medida de coação de termo de identidade e residência a António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, após um pedido …

Mesmo com o aumento de infetados, diminuir a quarentena para 10 dias é uma hipótese

A DGS deverá decidir em breve se o período de quarentena pode ser reduzido de 14 dias para apenas 10 dias, mas não para todos os casos. Para ficar menos tempo isolado é necessário cumprir …

Porfírio Silva vê “papel positivo” na candidatura de Ana Gomes, mas critica farpas a Costa

O dirigente socialista Porfírio Silva considera que a candidatura presidencial de Ana Gomes pode ser positiva se não cair na "armadilha" de se centrar no ataque a António Costa e se não "atropelar" o Estado …

Operação Lex. Três juízes acusados de corrupção. Luís Filipe Vieira vai ser julgado por um crime

Os juízes Rui Rangel, Fátima Galante e Vaz das Neves e o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, estão entre os 17 acusados da Operação Lex. Em causa estão crimes de corrupção, abuso de poder, …

Em tempos difíceis, Von der Leyen diz que “sempre vi em Portugal um forte aliado"

Numa entrevista, Ursula von der Leyen disse que Portugal terá “a tarefa de liderar” com a recuperação da pandemia quando chegar à presidência do Conselho da UE em 2021. E promete uma proposta “mais humana …

Caso Eurofin. Salgado recebe coima de 4 milhões de euros do Banco de Portugal

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES, foi condenado pelo Banco de Portugal a pagar mais uma coima, no valor de quatro milhões de euros, no processo sobre o veículo suíço Eurofin e por operações que lesaram …

"Último recurso". Governo britânico admite novo confinamento no Reino Unido

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, admitiu esta sexta-feira que o Governo conservador não descarta decretar um segundo confinamento nacional para conter a pandemia de covid-19, embora considere esta opção um "último recurso" “Faremos …

Pais deixaram aluno com covid-19 na escola. Denúncia já chegou à PSP

Um aluno de uma escola de Leiria que está infectado com o coronavírus foi à apresentação do ano lectivo, nesta quarta-feira, quando já havia suspeitas de que teria covid-19, uma vez que o pai também …

A segunda vaga já chegou a Portugal (e há "uma diferença muito importante")

Os especialistas não duvidam que a segunda vaga de covid-19 já chegou a Portugal, mas apontam que há diferenças significativas relativamente ao início da pandemia, em Março. "Há uma diferença muito importante nesta segunda vaga que …

Governo tinha 90 milhões para apoiar criação de emprego (mas pedidos superaram os 487 milhões)

O programa do Governo para apoiar a criação de emprego, lançado em julho, tinha uma verba de 90 milhões de euros. Dois meses depois, a procura excedeu os 487,5 milhões. O jornal Público adiantou esta quinta-feira …