Costa mostra reservas ao Estado de Emergência. “Plano jurídico permite-nos ir escalando”

Hugo Delgado / Lusa

Em entrevista à SIC, nesta segunda-feira à noite, António Costa referiu que “as medidas têm de ir sendo tomadas em função das necessidades concretas”, porque, sublinhou, os portugueses têm de continuar a viver. 

Esta segunda-feira, as autoridades de saúde confirmaram a primeira morte por Covid-19 em Portugal. Num dia “triste” que mostra que temos de dar tudo para salvar vidas, António Costa marcou presença no Jornal da Noite da SIC, numa entrevista onde destacou que as medidas que o Governo tem tomado para enfrentar a pandemia de Covid-19 “têm sido tomadas em função da necessidade concreta de cada dia”.

“Temos de ir enfrentando este desafio com a consciência de que temos de dar tudo por tudo para salvar as vidas, mas tendo a consciência de que temos de preservar a vida. As medidas têm sido tomadas em função da necessidade concreta de cada dia”, referiu o primeiro-ministro.

Em relação ao encerramento de estabelecimentos de ensino e de discotecas, Costa disse que o Executivo tem optado por fechar espaços “que, pela sua natureza e grande aglomeração, aumentam muito o risco de contaminação”, como é o caso das escolas, bares e discotecas.

Contudo, destacou o facto de este vírus ser completamente novo, o que faz com que não haja “consenso científico e técnico suficientes para permitir tomar decisões políticas seguras”.

“O que os governos têm tentado fazer é estabelecer um padrão comum”, explicou. “Temos de manter a capacidade da sociedade manter-se em funcionamento para assegurar as condições básicas de vida de todos nós”, algo que, segundo o primeiro-ministro, os portugueses têm feito com “grande sentido de responsabilidade“.

Rodrigo Guedes de Carvalho confrontou o primeiro-ministro com o exemplo dos centros comerciais, que ainda não encerraram, mesmo perante os protestos dos trabalhadores. Costa defendeu que o Governo deve intervir “na margem daquilo que é estritamente essencial, proibindo quando é necessário proibir ou obrigando quando é necessário obrigar”.

Nesse sentido, quando questionado sobre se será necessário outro tipo de legislação, o governante referiu que, até agora, não foi preciso “porque os portugueses têm-se refugiado voluntariamente em casa”.

No que diz respeito ao estado de emergência, que será decidido na próxima quarta-feira, António Costa insistiu na ideia de decretar estado de calamidade. “Nós temos um quadro jurídico que nos permite ir escalando as medidas. Estamos em estado de alerta, da Proteção Civil, e temos um grau ainda superior, de calamidade, que nos permite instalar cercas sanitárias em torno de uma localidade em que haja um surto particularmente grave e que seja preciso confinar toda a população”, explicou.

Ainda assim, o primeiro-ministro garantiu que, se essa for a decisão de Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhará o Presidente da República. “Se o Presidente considerar que é necessário, o Governo dará parecer favorável.”

À semelhança da declaração feita pela ministra da Saúde no sábado, Costa frisou que o pico da crise deverá acontecer até finais de abril e nunca terminará antes do final de maio. “Temos de reforçar recursos para o caso de haver um aumento anormal. Temos de estar sempre a prever o imprevisto.”

Em relação ao material nos hospitais, o primeiro-ministro garantiu que há dois milhões de máscaras de reserva estratégicas para responder a qualquer necessidade futura, e o mesmo acontece com outro material. Além disso, deu a garantia de que não há carência de ventiladores: “temos 1142 ventiladores para adultos.”

Nenhum setor sai imune a esta pandemia, e a economia é o reflexo disso mesmo. Nesse sentido, António Costa revelou que haverá, na próxima terça-feira, uma reunião entre o ministro das Finanças e o ministro da Economia para anunciar medidas de apoio às empresas e às famílias.

As medidas que vamos desenhar amanhã são para PME e trata-se de um pacote bastante diversificado”, disse, falando numa linha de crédito, diferimento de obrigações e moratórias dos bancos.

Em matéria de Finanças, reconheceu que, este ano, “já não haverá excedente“. Ainda assim, frisou o facto de ter havido “uma gestão responsável” que permite agora que o país não viva angustiado.

“Olhamos para o futuro com preocupação. Temos uma vantagem por estarmos numa situação de equilíbrio que não estávamos há quatro anos”, concluiu.

LM, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. É notável o Nível de Personalidade entre o PCL e o PCP, Aqui está a Nu a Qualidade dos nossos Empresários da Restauração e da Cultura, em quem nós Confiamos a qualidade da nossa Alimentação.
    Em Portugal Há muitos Chegas, muitos Trumps, muitos Bolsonaros, muitos Oportunistas, muitos Populistas, Veja-se o Presidente da Câmara Municipal do Porto, co-responsável da situação a que chegou o seu Distrito, na Manifestação dos Restaurantes, dizia apoiá-los, já baixou o IMI? às taxas Saneamento, lixo,água, etc? Nada, não fêz não fará nada, mas esteve no meio, dizia apoiar a Restauração, mas apenas chutando para o Governo,, devia era Pedir Muitas Desculpas por nada ter Feito para que o distrito do Porto não estivesse na Lista Negra de Portugal.

  2. O Nível como Presidente de Câmara Municipal entre o Porto e Lisboa. É notável o Nível de Personalidade entre o PCL e o PCP, Aqui está a Nu a Qualidade dos nossos Empresários da Restauração e da Cultura, em quem nós Confiamos a qualidade da nossa Alimentação.
    Em Portugal Há muitos Chegas, muitos Trumps, muitos Bolsonaros, muitos Oportunistas, muitos Populistas, Veja-se o Presidente da Câmara Municipal do Porto, co-responsável da situação a que chegou o seu Distrito, na Manifestação dos Restaurantes, dizia apoiá-los, já baixou o IMI? às taxas Saneamento, lixo,água, etc? Nada, não fêz não fará nada, mas esteve no meio, dizia apoiar a Restauração, mas apenas chutando para o Governo,, devia era Pedir Muitas Desculpas por nada ter Feito para que o distrito do Porto não estivesse na Lista Negra de Portugal.

RESPONDER

Patrões não podem recusar apoio nem faltas justificadas aos pais

Especialistas destacam que as entidades empregadoras não podem opor-se às faltas justificadas de pais que fiquem em casa para tomar conta dos filhos, nem recusar-se a prestar o apoio excecional à família. Com o encerramento das …

Voos e 2 mil libras. Reino Unido oferece incentivos a cidadãos da UE que queiram abandonar o país

O Governo britânico está a oferecer incentivos financeiros para os cidadãos da União Europeia (UE) deixarem o Reino Unido, meses antes do prazo para solicitar o estatuto de residente permanente De acordo com o jornal britânico …

Novo máximo diário de mortes por covid-19. Há mais 15.073 novos casos e 293 óbitos

Portugal registou esta quarta-feira 15.073 novos casos de infeção por covid-19 e mais 293 mortes, o maior número de óbitos em 24 horas desde o início da pandemia, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde …

Três sismos abalaram a cidade de Granada na passada noite. Pedro Sánchez pede "calma"

Mais de meio milhão de pessoas que vivem em Granada, sul de Espanha, despertaram hoje inquietas depois do sobressalto causado durante a noite por três sismos de magnitude superior a quatro graus seguidos de 30 …

Isabel dos Santos vai ter mesmo de pagar 339,4 milhões de dólares à Sonangol

O Tribunal de Recurso de Paris decidiu, esta terça-feira, a favor da PT Ventures (Sonangol), no âmbito do processo de anulação interposto pela Vidatel, da empresária angolana, que terá de pagar 339,4 milhões de dólares. Em …

Islândia começou a emitir "passaportes de vacinação"

A Islândia é um dos primeiros países a emitir os chamados "passaportes de vacinação" com o objetivo de facilitar as viagens de pessoas imunizadas contra a covid-19. A questão é polémica e divide os 27 …

Máscaras compradas no supermercado só são dedutíveis no IRS com fatura à parte

As máscaras de proteção social compradas em supermercados ou lojas precisam de uma fatura à parte para serem dedutíveis no IRS, avança o Jornal de Notícias. Se foram compradas em farmácia, a a fatura habitual …

Alemanha admite reduzir tráfego aéreo "a quase nada". Irlanda prolonga terceiro confinamento

A Alemanha admite reduzir “a quase nada” o tráfego internacional com destino ao seu território devido à pandemia de covid-19, anunciou esta terça-feira o ministro do Interior. “O perigo representado pelas diferentes mutações do vírus exige …

Marques Mendes considera que "juntar PSD e Chega é naufrágio anunciado"

Apesar de considerar que o Governo está "em queda imparável", Luís Marques Mendes vê um risco de "ingovernabilidade política" quer à esquerda, quer à direita. Num artigo de opinião publicado no Diário de Notícias, Luís Marques …

Um quarto das mortes por covid-19 foram de idosos em lares

Um quarto das mortes por covid-19 em Portugal, desde o início da pandemia, foram de idosos em lares. Em pouco mais de duas semanas, morreram 827 idosos que residiam em lares. Desde o início da pandemia, …