Costa mostra reservas ao Estado de Emergência. “Plano jurídico permite-nos ir escalando”

Hugo Delgado / Lusa

Em entrevista à SIC, nesta segunda-feira à noite, António Costa referiu que “as medidas têm de ir sendo tomadas em função das necessidades concretas”, porque, sublinhou, os portugueses têm de continuar a viver. 

Esta segunda-feira, as autoridades de saúde confirmaram a primeira morte por Covid-19 em Portugal. Num dia “triste” que mostra que temos de dar tudo para salvar vidas, António Costa marcou presença no Jornal da Noite da SIC, numa entrevista onde destacou que as medidas que o Governo tem tomado para enfrentar a pandemia de Covid-19 “têm sido tomadas em função da necessidade concreta de cada dia”.

“Temos de ir enfrentando este desafio com a consciência de que temos de dar tudo por tudo para salvar as vidas, mas tendo a consciência de que temos de preservar a vida. As medidas têm sido tomadas em função da necessidade concreta de cada dia”, referiu o primeiro-ministro.

Em relação ao encerramento de estabelecimentos de ensino e de discotecas, Costa disse que o Executivo tem optado por fechar espaços “que, pela sua natureza e grande aglomeração, aumentam muito o risco de contaminação”, como é o caso das escolas, bares e discotecas.

Contudo, destacou o facto de este vírus ser completamente novo, o que faz com que não haja “consenso científico e técnico suficientes para permitir tomar decisões políticas seguras”.

“O que os governos têm tentado fazer é estabelecer um padrão comum”, explicou. “Temos de manter a capacidade da sociedade manter-se em funcionamento para assegurar as condições básicas de vida de todos nós”, algo que, segundo o primeiro-ministro, os portugueses têm feito com “grande sentido de responsabilidade“.

Rodrigo Guedes de Carvalho confrontou o primeiro-ministro com o exemplo dos centros comerciais, que ainda não encerraram, mesmo perante os protestos dos trabalhadores. Costa defendeu que o Governo deve intervir “na margem daquilo que é estritamente essencial, proibindo quando é necessário proibir ou obrigando quando é necessário obrigar”.

Nesse sentido, quando questionado sobre se será necessário outro tipo de legislação, o governante referiu que, até agora, não foi preciso “porque os portugueses têm-se refugiado voluntariamente em casa”.

No que diz respeito ao estado de emergência, que será decidido na próxima quarta-feira, António Costa insistiu na ideia de decretar estado de calamidade. “Nós temos um quadro jurídico que nos permite ir escalando as medidas. Estamos em estado de alerta, da Proteção Civil, e temos um grau ainda superior, de calamidade, que nos permite instalar cercas sanitárias em torno de uma localidade em que haja um surto particularmente grave e que seja preciso confinar toda a população”, explicou.

Ainda assim, o primeiro-ministro garantiu que, se essa for a decisão de Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhará o Presidente da República. “Se o Presidente considerar que é necessário, o Governo dará parecer favorável.”

À semelhança da declaração feita pela ministra da Saúde no sábado, Costa frisou que o pico da crise deverá acontecer até finais de abril e nunca terminará antes do final de maio. “Temos de reforçar recursos para o caso de haver um aumento anormal. Temos de estar sempre a prever o imprevisto.”

Em relação ao material nos hospitais, o primeiro-ministro garantiu que há dois milhões de máscaras de reserva estratégicas para responder a qualquer necessidade futura, e o mesmo acontece com outro material. Além disso, deu a garantia de que não há carência de ventiladores: “temos 1142 ventiladores para adultos.”

Nenhum setor sai imune a esta pandemia, e a economia é o reflexo disso mesmo. Nesse sentido, António Costa revelou que haverá, na próxima terça-feira, uma reunião entre o ministro das Finanças e o ministro da Economia para anunciar medidas de apoio às empresas e às famílias.

As medidas que vamos desenhar amanhã são para PME e trata-se de um pacote bastante diversificado”, disse, falando numa linha de crédito, diferimento de obrigações e moratórias dos bancos.

Em matéria de Finanças, reconheceu que, este ano, “já não haverá excedente“. Ainda assim, frisou o facto de ter havido “uma gestão responsável” que permite agora que o país não viva angustiado.

“Olhamos para o futuro com preocupação. Temos uma vantagem por estarmos numa situação de equilíbrio que não estávamos há quatro anos”, concluiu.

LM, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

13 de Outubro em Fátima "sim, mas sem peregrinos". Delegada de Saúde espera que a Igreja se "porte bem"

A delegada de Saúde Pública do Médio Tejo defende que as cerimónias religiosas do 13 de Outubro no Santuário de Fátima decorram "sem peregrinos", esperando que a Igreja se porte "tão bem" como aquando do …

Espanha acusa hackers chineses de roubarem informações de vacina contra coronavírus

O Centro Nacional de Inteligência (CNI) espanhol argumenta que hackers chineses terão, alegadamente, acedido a informações confidenciais sobre o desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus. A diretora do CNI, Paz Esteban, alerta para um aumento …

Tribunal de Loures. António Joaquim vai manter-se em liberdade

O Tribunal de Loures decidiu esta sexta-feira manter a medida de coação de termo de identidade e residência a António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, após um pedido …

Mesmo com o aumento de infetados, diminuir a quarentena para 10 dias é uma hipótese

A DGS deverá decidir em breve se o período de quarentena pode ser reduzido de 14 dias para apenas 10 dias, mas não para todos os casos. Para ficar menos tempo isolado é necessário cumprir …

Porfírio Silva vê “papel positivo” na candidatura de Ana Gomes, mas critica farpas a Costa

O dirigente socialista Porfírio Silva considera que a candidatura presidencial de Ana Gomes pode ser positiva se não cair na "armadilha" de se centrar no ataque a António Costa e se não "atropelar" o Estado …

Operação Lex. Três juízes acusados de corrupção. Luís Filipe Vieira vai ser julgado por um crime

Os juízes Rui Rangel, Fátima Galante e Vaz das Neves e o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, estão entre os 17 acusados da Operação Lex. Em causa estão crimes de corrupção, abuso de poder, …

Em tempos difíceis, Von der Leyen diz que “sempre vi em Portugal um forte aliado"

Numa entrevista, Ursula von der Leyen disse que Portugal terá “a tarefa de liderar” com a recuperação da pandemia quando chegar à presidência do Conselho da UE em 2021. E promete uma proposta “mais humana …

Caso Eurofin. Salgado recebe coima de 4 milhões de euros do Banco de Portugal

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES, foi condenado pelo Banco de Portugal a pagar mais uma coima, no valor de quatro milhões de euros, no processo sobre o veículo suíço Eurofin e por operações que lesaram …

"Último recurso". Governo britânico admite novo confinamento no Reino Unido

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, admitiu esta sexta-feira que o Governo conservador não descarta decretar um segundo confinamento nacional para conter a pandemia de covid-19, embora considere esta opção um "último recurso" “Faremos …

Pais deixaram aluno com covid-19 na escola. Denúncia já chegou à PSP

Um aluno de uma escola de Leiria que está infectado com o coronavírus foi à apresentação do ano lectivo, nesta quarta-feira, quando já havia suspeitas de que teria covid-19, uma vez que o pai também …