Debate quinzenal aquece. Costa rejeita “lições” de Negrão (e promete-lhe carta privada)

Tiago Petinga / Lusa

O primeiro debate parlamentar pós-férias aqueceu com um duelo entre António Costa e Fernando Negrão, no qual o primeiro-ministro rejeitou “lições” do social-democrata.

O clima tenso em torno da substituição da procuradora-Geral da República parece ter sido posto de lado neste primeiro debate quinzenal após as férias. Ainda assim, o duelo entre Fernando Negrão e António Costa foi o responsável por aquecer os ânimos na Assembleia da República.

O primeiro a disparar foi Negrão, que usou a bala Infarmed para atingir o primeiro-ministro. “O sr. não honrou, não cumpriu, não respeitou a sua palavra dada. Isto mina a sua credibilidade”, atirou o social-democrata, depois de lembrar que Costa tinha garantido ao ex-líder parlamentar do PSD cinco vezes que o instituto que iria ser deslocalizado.

Segundo o Público, outro ponto de discórdia entre ambos foi o significado de deslocalização e descentralização, depois que o Governo ter passado para a comissão de descentralização a responsabilidade sobre o dossier, vinculando os sociais-democratas com a decisão que vier a ser tomada.

A troca de argumentos continuou e acabou mesmo por azedar, com António Costa a chegar ao limite de prometer explicar “por escrito” a razão pela qual não aceita “lições” de Negrão sobre a sua palavra. Negrão respondeu: “chega de insinuações”, mas nenhum dos dois revelou sobre o que falavam.

Assunção Cristas entrou na discussão sobre o Infarmed e, mais tarde, Costa viria mesmo a responder-lhe: “Se isto fosse uma autocracia do António Costa, o Infarmed já estava no Porto”.

Mas o Infarmed não foi o único assunto em cima da mesa. A ala pediátrica oncológica do Hospital de São João no Porto acabou por ser trazia à tona por Fernando Negrão, que questionou a decisão do Governo de avançar com um concurso internacional para a construção do edifício.

António Costa respondeu ao PSD, desafiando o partido a fazer aprovar uma lei especial que permita excecionar a lei e entregar a obra por ajuste direto. O PSD admitiu um projeto de resolução, mas o primeiro-ministro não gostou da solução (por não ter eficácia legislativa) e exige uma lei.

Foi então que se dirigiu à bancada do CDS, desafiando Assunção Cristas a apresentar um projeto de lei que permita contornar o Tribunal de Contas. No entanto, o CDS estava mais interessado noutro tema: o caso do assalto em Tancos.

A líder do CDS perguntou ao chefe do Governo se mantém a confiança no ministro da Defesa, no chefe do Estado Maior do Exército e no diretor da Polícia Judiciária Militar, pergunta à qual António Costa respondeu de forma global, afirmando que mantém a confiança no “ministro da Defesa, na ministra da Justiça e em “todos os membros do Governo”.

Assunção Cristas não se contentou e insistiu na responsabilidade política em torno do caso do desaparecimento de material, mas Costa afirmou não ser da “responsabilidade de um ministro estar à porta de um paiol a guardá-lo para que não seja assaltado”.

A nova lei de bases de saúde foi o tema atirado por Catarina Martins, que quis ver assegurado o princípio da não concorrência entre o setor público e o privado, sendo este último apenas supletivo, criticando o peso dos pagamentos aos privados no orçamento da saúde.

Sem adiantar uma data para a entrega da proposta de lei, Costa afirmou que “este é um Governo do PS”, que o partido é que “foi o fundador do SNS” e que este se manterá como “público, universal e tendencialmente gratuito”.

O tema que pintou a última semana teve também destaque neste último debate quinzenal. Na intervenção do Bloco de Esquerda, Catarina Martins admitiu que é necessária uma “modernização do setor do táxi”, mas considerou que existe “concorrência desleal que põe em causa as obrigações do serviço público de transporte”. “O Governo tem possibilidade de corrigir os erros.”

Costa respondeu afirmando que “graças à lei da Assembleia” os motoristas (de transporte individual) têm de ter contrato de trabalho, não pode haver “fuga ao fisco”, a empresa tem de ser licenciada e “foi estabelecida uma clara diferenciação entre o estatuto” daquelas viaturas e os táxis.

Além disso, elencou um “conjunto de direitos exclusivos” de que beneficiam os táxis: “têm direito à redução do imposto sobre veículos, têm direito à redução do imposto único de circulação, têm direito à dedução do IVA das despesas de reparação, têm direito à redução do IVA no gasóleo, têm um apoio específico para a renovação das viaturas, têm direito a praça de táxis, têm direito ao acesso à via BUS”.

A situação de desigualdade existe, mas é em benefício do táxi“, defendeu.

Heloísa Apolónia, dos Verdes, insistiu e desafiou o Governo a “deixar de ser teimoso” e a sentar-se e conversar com os taxistas. Na resposta, o primeiro-ministro disse que não cabe ao Governo alterar uma lei que foi aprovada pela Assembleia da República e promulgada pelo Presidente da República.

“Teve ocasião de intervir no debate de formação da lei, a partir daqui o debate é da Assembleia da República. Era o que faltava o Governo desrespeitar a Assembleia da República”, disse.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. O Infarmed é só mais uma situação lamentável…

    Diz-se, fala-se, faz-se promessas mas depois na hora de atual ou decidir a palavra não vale nada…

    Outro belo exemplo é o caso das licenciaturas. Alterou-se a lei e ficaram esquecidos 380 mil licenciados. Apesar de terem uma licenciatura pré bolonha agora sou obrigados a competirem com licenciados pró bolonha sendo mesmo ultrapassados por colegas exatamente com o mesmo curso…

    é só mais um caso de vergonha deste governo

  2. É o que faz falar com TM , para a próxima vez recomenda-se antes de falar passar pelo WC e com aquela idade a próstata já deve estar inflamada.

RESPONDER

Maior expedição científica de sempre ao Ártico parte hoje da Noruega

A maior expedição científica de sempre ao Ártico parte hoje para estudar durante um ano os efeitos visíveis das alterações climáticas no Pólo Norte. O quebra-gelo Polarstern, do instituto Alfred-Wegener, de Bremerhaven, na Alemanha, partirá do …

Asteróide "sorrateiro" pregou um susto à NASA e quase colidiu com a Terra em julho

Em finais de julho, um asteróide do tamanho de um campo de futebol pregou um susto à NASA quando passou a apenas 65.0175 quilómetros da Terra. Foi a maior rocha espacial a passar tão perto …

Vem aí o Dia 0. A Austrália vai ficar sem água (e pode não ser a única)

O Dia 0 está a chegar e a Austrália está prestes a ficar sem água. Os cientistas dizem que este é um aviso para todas as outras regiões em redor do mundo. Este dia vai marcar …

Mujahid é a misteriosa figura por detrás da propaganda talibã (mas pode nem ser real)

Zabihullah Mujahid pode não ser um nome reconhecido pelas pessoas, mas a verdade é que tudo aquilo que ele diz é escutado atentamente por todo o mundo. Mujahid é o porta-voz dos talibãs há 12 anos …

O rapper, a mulher adúltera, a caçadeira e a PIDE feminista. Polémica com videoclip de Valete

Numa altura em que continuam a contar-se as mulheres que morrem vítimas de violência doméstica, o último videoclip de Valete, um dos rappers mais reconhecidos do país, está a causar polémica. Há quem considere que faz …

Milhares de milhões de pássaros desapareceram dos EUA

Um quarto de todos os pássaros dos EUA desapareceram desde 1970, segundo uma pesquisa publicada esta quinta-feira na revista Science, que dá conta de uma perda de biodiversidade contabilizada em 30% da população total de …

Cruzeiro "exclusivamente para britânicos" levanta polémica

Uma brochura que prometia viagens de cruzeiro exclusivas para britânicos levou várias pessoas a queixarem-se da Saga, uma empresa especializada em serviços para clientes com mais de 50 anos. A empresa já remeteu as culpas …

Começou à "invasão" da Área 51. Já há detidos e até um festival

Pelo menos 75 pessoas já chegaram à Área 51, uma base militar secreta dos Estados Unidos, em resposta a um evento criado no Facebook. Milhão e meio de pessoas combinaram invadir esta sexta-feira esta zona misteriosa …

Guantánamo é a prisão mais cara do mundo: 13 milhões de dólares por prisioneiro

Guantánamo é a prisão mais cara do mundo. Para manter as instalações a funcionar, cada prisioneiro custa 13 milhões de dólares ao Estado norte-americano. A prisão de segurança máxima de ADX Florence, em Colorado, nos Estados …

Gabriela foi morta pelo ex-marido e os colegas convocaram uma vigília por ela

Gabriela Monteiro, de 46 anos, foi morta pelo seu ex-marido, junto ao Tribunal de Braga. O Theatro Circo, onde trabalhava há uma década, convocou uma vigília por ela. O homem esfaqueou a mulher no peito e pescoço …