Debate quinzenal aquece. Costa rejeita “lições” de Negrão (e promete-lhe carta privada)

Tiago Petinga / Lusa

O primeiro debate parlamentar pós-férias aqueceu com um duelo entre António Costa e Fernando Negrão, no qual o primeiro-ministro rejeitou “lições” do social-democrata.

O clima tenso em torno da substituição da procuradora-Geral da República parece ter sido posto de lado neste primeiro debate quinzenal após as férias. Ainda assim, o duelo entre Fernando Negrão e António Costa foi o responsável por aquecer os ânimos na Assembleia da República.

O primeiro a disparar foi Negrão, que usou a bala Infarmed para atingir o primeiro-ministro. “O sr. não honrou, não cumpriu, não respeitou a sua palavra dada. Isto mina a sua credibilidade”, atirou o social-democrata, depois de lembrar que Costa tinha garantido ao ex-líder parlamentar do PSD cinco vezes que o instituto que iria ser deslocalizado.

Segundo o Público, outro ponto de discórdia entre ambos foi o significado de deslocalização e descentralização, depois que o Governo ter passado para a comissão de descentralização a responsabilidade sobre o dossier, vinculando os sociais-democratas com a decisão que vier a ser tomada.

A troca de argumentos continuou e acabou mesmo por azedar, com António Costa a chegar ao limite de prometer explicar “por escrito” a razão pela qual não aceita “lições” de Negrão sobre a sua palavra. Negrão respondeu: “chega de insinuações”, mas nenhum dos dois revelou sobre o que falavam.

Assunção Cristas entrou na discussão sobre o Infarmed e, mais tarde, Costa viria mesmo a responder-lhe: “Se isto fosse uma autocracia do António Costa, o Infarmed já estava no Porto”.

Mas o Infarmed não foi o único assunto em cima da mesa. A ala pediátrica oncológica do Hospital de São João no Porto acabou por ser trazia à tona por Fernando Negrão, que questionou a decisão do Governo de avançar com um concurso internacional para a construção do edifício.

António Costa respondeu ao PSD, desafiando o partido a fazer aprovar uma lei especial que permita excecionar a lei e entregar a obra por ajuste direto. O PSD admitiu um projeto de resolução, mas o primeiro-ministro não gostou da solução (por não ter eficácia legislativa) e exige uma lei.

Foi então que se dirigiu à bancada do CDS, desafiando Assunção Cristas a apresentar um projeto de lei que permita contornar o Tribunal de Contas. No entanto, o CDS estava mais interessado noutro tema: o caso do assalto em Tancos.

A líder do CDS perguntou ao chefe do Governo se mantém a confiança no ministro da Defesa, no chefe do Estado Maior do Exército e no diretor da Polícia Judiciária Militar, pergunta à qual António Costa respondeu de forma global, afirmando que mantém a confiança no “ministro da Defesa, na ministra da Justiça e em “todos os membros do Governo”.

Assunção Cristas não se contentou e insistiu na responsabilidade política em torno do caso do desaparecimento de material, mas Costa afirmou não ser da “responsabilidade de um ministro estar à porta de um paiol a guardá-lo para que não seja assaltado”.

A nova lei de bases de saúde foi o tema atirado por Catarina Martins, que quis ver assegurado o princípio da não concorrência entre o setor público e o privado, sendo este último apenas supletivo, criticando o peso dos pagamentos aos privados no orçamento da saúde.

Sem adiantar uma data para a entrega da proposta de lei, Costa afirmou que “este é um Governo do PS”, que o partido é que “foi o fundador do SNS” e que este se manterá como “público, universal e tendencialmente gratuito”.

O tema que pintou a última semana teve também destaque neste último debate quinzenal. Na intervenção do Bloco de Esquerda, Catarina Martins admitiu que é necessária uma “modernização do setor do táxi”, mas considerou que existe “concorrência desleal que põe em causa as obrigações do serviço público de transporte”. “O Governo tem possibilidade de corrigir os erros.”

Costa respondeu afirmando que “graças à lei da Assembleia” os motoristas (de transporte individual) têm de ter contrato de trabalho, não pode haver “fuga ao fisco”, a empresa tem de ser licenciada e “foi estabelecida uma clara diferenciação entre o estatuto” daquelas viaturas e os táxis.

Além disso, elencou um “conjunto de direitos exclusivos” de que beneficiam os táxis: “têm direito à redução do imposto sobre veículos, têm direito à redução do imposto único de circulação, têm direito à dedução do IVA das despesas de reparação, têm direito à redução do IVA no gasóleo, têm um apoio específico para a renovação das viaturas, têm direito a praça de táxis, têm direito ao acesso à via BUS”.

A situação de desigualdade existe, mas é em benefício do táxi“, defendeu.

Heloísa Apolónia, dos Verdes, insistiu e desafiou o Governo a “deixar de ser teimoso” e a sentar-se e conversar com os taxistas. Na resposta, o primeiro-ministro disse que não cabe ao Governo alterar uma lei que foi aprovada pela Assembleia da República e promulgada pelo Presidente da República.

“Teve ocasião de intervir no debate de formação da lei, a partir daqui o debate é da Assembleia da República. Era o que faltava o Governo desrespeitar a Assembleia da República”, disse.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. O Infarmed é só mais uma situação lamentável…

    Diz-se, fala-se, faz-se promessas mas depois na hora de atual ou decidir a palavra não vale nada…

    Outro belo exemplo é o caso das licenciaturas. Alterou-se a lei e ficaram esquecidos 380 mil licenciados. Apesar de terem uma licenciatura pré bolonha agora sou obrigados a competirem com licenciados pró bolonha sendo mesmo ultrapassados por colegas exatamente com o mesmo curso…

    é só mais um caso de vergonha deste governo

  2. É o que faz falar com TM , para a próxima vez recomenda-se antes de falar passar pelo WC e com aquela idade a próstata já deve estar inflamada.

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …