Costa e 2 mil pessoas no Campo Pequeno a ver Bruno Nogueira (então, e as touradas?)

José Sena Goulão / Lusa

O humorista Bruno Nogueira e a vocalista dos Clã, Manuela Azevedo, durante o espectáculo “Deixem o Pimba em Paz, no Campo Pequeno, em Lisboa, a 1 de Junho de 2020.

A Praça de Touros do Campo Pequeno, em Lisboa, recebeu, nesta segunda-feira à noite, duas mil pessoas para o espectáculo de Bruno Nogueira “Deixem o Pimba em Paz”, na reabertura pós-pandemia de covid-19. Um evento que merece críticas dos artistas tauromáquicos que se acorrentaram ao portão do Campo Pequeno para se queixarem de censura e exigirem o regresso das touradas.

Muitas máscaras na plateia, gel desinfectante à entrada e distâncias de segurança marcaram a reabertura do Campo Pequeno para o primeiro espectáculo, depois do período de confinamento ditado pela covid-19.

Coube a Bruno Nogueira e ao espectáculo “Deixem o Pimba em Paz”, onde participa ainda a cantora dos Clã Manuela Azevedo, essa honra. E a casa só não encheu devido às limitações de público, por causa da pandemia. Os 2 mil bilhetes colocados à venda esgotaram num ápice e a segunda sessão, marcada para esta terça-feira, também já está esgotada.



Nas bancadas, além dos anónimos, esteve o primeiro-ministro António Costa.

O deputado do Chega, André Ventura, também andou pelo Campo Pequeno, mas foi antes do espectáculo, para dar o seu apoio ao protesto dos artistas de tauromaquia que se acorrentaram à porta do Campo Pequeno, acusando o Governo de os “censurar” e “discriminar”, pelo facto de as touradas não poderem ainda regressar.

“Abre-se a praça para outros espectáculos que não aqueles a que está destinada. O Presidente da República não devia deixar isto em claro”, atirou André Ventura.

Toureiros acusam Governo de os “censurar”

José Sena Goulão / Lusa

Cerca de uma centena de artistas de tauromaquia concentraram-se junto ao Campo Pequeno, numa manifestação contra a não reabertura dos espectáculos tauromáquicos.

Cerca de uma centena de artistas de tauromaquia concentraram-se junto ao Campo Pequeno, numa manifestação contra a não reabertura dos espectáculos tauromáquicos.

Os cavaleiros António Telles, Luís Rouxinol, Rui Fernandes e o antigo forcado José Luís Gomes acorrentaram-se ao portão da praça de toiros e queixaram-se de “censura” e “discriminação”.

“O nosso governo não gosta de nós e não nos respeita”. Este foi um dos desabafos que saiu da boca de um dos quatro protestantes que se acorrentaram ao portão do Campo Pequeno, em Lisboa, para pedir o regresso das touradas.

Cerca de cem manifestantes juntaram-se pelas 18 horas junto ao Campo Pequeno, num protesto “pacífico”, e ali permaneceram durante três horas, altura em que começaram a dispersar também de forma ordeira.

No local estiveram vários meios policiais que separaram os manifestantes em grupos de dez pessoas, para que se manifestassem mantendo uma separação e distância de segurança.

Esta concentração visou protestar pelo facto de terem sido reabertas todas as actividades e espectáculos culturais com a excepção da tauromaquia.

O secretário-geral da ProToiro – Federação Portuguesa de Tauromaquia, Hélder Milheiro, alertou para os impactos que a pandemia de Covid-19 está a causar no sector, com o cancelamento de cerca de 70 espectáculos, num prejuízo de quase 5 milhões de euros.

Uma reportagem da CMTV assinalava, recentemente, que está a ser um “ano catastrófico”, frisando que alguns toureiros podem mesmo “parar de vez” devido aos avultados prejuízos.

De acordo com o dirigente da ProToiro, por inevitabilidade da pandemia da Covid-19, o sector está a sofrer um impacto interno económico e financeiro “muito drástico” de há dois meses para cá, porque “há pessoas em situações muito críticas”, pelo facto de a actividade estar parada.

“A sazonalidade da tauromaquia – entre Março e Outubro – faz com que, se estes artistas não têm receitas nestes meses, ficarão completamente sem receitas até ao ano que vem. Não trabalhando nestes meses, é uma perda irrecuperável“, observou Hélder Milheiro, acrescentando que as ajudas definidas pelo Estado não se aplicam à tauromaquia.

“Ministra da Cultura mentiu ao Parlamento”

Segundo Hélder Milheiro, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, mentiu ao Parlamento quando disse que as actividades tauromáquicas teriam início em 1 de Junho.

Disse que não havia nenhuma diferença na reabertura do sector da cultura, incluindo a tauromaquia. Mas, ao contrário do que disse, mentiu aos deputados, mentiu ao Parlamento e, quando saiu a resolução do Conselho de Ministros nesta sexta-feira, veio com toda a área da cultura aberta, com excepção da tauromaquia”, acusou.

Os deputados do CDS-PP, Ana Rita Bessa e João Pinho de Almeida, já questionaram a ministra da Cultura, denunciando o que definem como uma “discriminação inaceitável para com o sector tauromáquico”.

“Tomando como exemplo o Campo Pequeno, que funciona como sala de espectáculos mas é uma Praça de Touros, e onde hoje, dia 1 de Junho, se realiza um espectáculo musical e de comédia, por que motivo este é autorizado e a realização de espectáculos tauromáquicos não”, questionam os deputados do CDS numa comparação com o “Deixem o Pimba em Paz” de Bruno Nogueira.

A Resolução do Conselho de Ministros de 29 de Maio, que determinou as regras da terceira fase do desconfinamento, impede “textual e especificamente a abertura das praças de touros até 14 de Junho”, aponta ainda o CDS.

O partido lembra que as corridas de touros são “regulamentadas e reconhecidas pelo Estado” e conclui que, por isso, “não se compreende a exclusão da tauromaquia do recomeço da actividade cultural”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Senhor Costa então em vez de dar o exemplo e evitar ajuntamentos o senhor e mesmo o senhor P.R. com acções só aumenta o descrédito que muitos portugueses tem em si e mesmo até no Covide, os portugueses precisamos e de pedagogia essa deve vir de cima e não com acções dessas, que moral tem o senhor e o P.R. de pedir aos cidadãos que mantenham afastamento quando os senhores vãoa restaurantes e á praia?’ Morriam se este ano não fossem, aos restaurantes ou á praia. Tenham vergonha na cara e deem exemplo e não incitamento que é o que tem feito.

  2. Este vírus não suporta obviamente o humor cáustico do Bruno Nogueira e desintegra-se de imediato assim que abandona o corpo humano. Realmente nos próximos tempos vamo-nos defrontar com algumas situações de relativa incongruência, por exemplo: assistência nos estádios para jogos de futebol? Proibido! Ajuntamentos nos cafés/snack-bars para assistir a jogos nas TVs Desporto? Permitido! Creio que até durante a pandemia de 1918-1920 se devem ter vivido situações de inconsistência análogas a estas, embora em contextos completamente diferentes. A História repete-se sempre, como farsa ou como tragédia…

  3. Nunca se viu um governo tão discriminatório como este. Agora, até na cultura há discriminação.
    Querem impôr a ideologia deles a todo o custo. Já não falta muito para voltarmos a viver numa ditadura.

    • Declaração de interesses: nunca votei no PS e talvez nunca vote, nem sequer à sua esquerda, mas não quer isso dizer que não o venha a fazer, pois sou livre.
      A seguir, devo dizer: Não diga asneiras. E a todos os que apoiam essa cultura miserável, pois é próprio de cabeças com uma mentalidade de idade média, que não evoluiu, ou pior, têm uma visão sanguinária e mórbida e acima de tudo, IGNORANTE e total falta de ética, e mais não digo sobre isso, mas nesta frase poria + 100 linhas para (des)qualificar o assunto e os que o apoiam,
      Para quem apoia a cultura da turtura, que é o que é a tourada, e confundir tourada com outros tipos de cultura, …, é o que eu digo, só mentes atrasadas, ignorantes e insensíveis, estupidamente voltadas para si próprios. Para esta gente, proibir não é ditadura, é apenas “impor” o cumprimento de normas mais de acordo com uma cultura de mais respeito para todos, pois há pessoas (muitas, …, a maioria) que ainda não perceberam, que se quiseremos respeitar o ser humano como um todo, nomeadamente os mais fracos e sermos generosos e mais solidários, temos de deixar de praticar a cultura da violência especialmente a gratuita, que é o caso, entre outras, a da tourada.
      Pense mais longe e de forma mais abrangente e talvez perceba o sentido que estas linhas encerram.
      Se todas as ideologias têm o mesmo direito à existência e a se manifestarem, claro então, reconhecerá a validade de se defender a escravatura, todos os hábitos de maus tratos a animais (espetáculos, lutas, esventrar animais vivos para lhes tirar a pele, ou comê-los, etc), a superioridade dos homens face às mulheres, a excisão genital, a pena de morte, os julgamentos sumários, a relação servos/senhores, atividades do tipo Ku Klux Klan, etc, etc, etc. Não deverá ser o caso da senhora, embora mostre alguma confusão de valores, mas há muito animal humano bruto, que defende ou defenderia se pudesse usufruir das vantagens dessas relações e culturas animalescas inumanas (porque desumanizantes), apenas por que sim, e porque não são eles as vitimas dessas atrocidades, repito, gratuitas.
      Enfim, procure evoluir e tornar-se numa pessoa melhor. Verá que se sentirá melhor e isso levará a sentir por si própria um maior respeito.

    • “mau trato a Animais”? A tauromaquia envolve um conjunto de passos orientados por regras e simbologias que visam o respeito pelo animal e a preservação da vida do toureiro. Sim, porque o toureiro, ao desafiar o touro, também arrisca a sua vida.
      Quer se goste ou não, a tauromaquia é uma tradição que faz parte do património imaterial da cultura portuguesa. Se não sabe o significado do conceito de cultura, informe-se.
      Quando quiser impor a sua ideologia a alguém, no mínimo, utilize argumentos credíveis; porque não é toda a gente que cultiva a cultura da estupidez!

RESPONDER

Há dezenas de autarcas envolvidos em processos sem fim à vista

Dezenas de autarcas foram neste mandato acusados por corrupção, negócios imobiliários duvidosos e abuso de poder, entre outros, em processos judiciais que se arrastam, na maioria, sem desfecho à vista a dois meses de novas …

Milhares de pessoas manifestam-se na Austrália contra o confinamento

Milhares de australianos manifestaram-se, este sábado, em várias cidades do país contra as restrições impostas pelo Governo para controlar o aumento de casos de covid-19. Em Sidney, cerca de mil manifestantes protestaram contra o confinamento decretado …

Há 406 farmácias com testes comparticipados pelo Estado

Há 406 farmácias de 104 laboratórios em Portugal continental com testes comparticipados pelo Estado. Saiba quais. O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) atualizou recentemente a lista das farmácias e laboratórios que disponibilizam testes …

Há 33 cursos com emprego garantido. Abandono no Ensino Superior aumentou

Este ano, há 30 licenciaturas e três mestrados integrados sem recém-diplomados inscritos no Instituto de Emprego e Formação Profissional. Segundo o Observador, o número total (33) é inferior ao de 2020 e de 2019, quando foram …

Chegada de emigrantes obriga autarcas do Interior a apertar as regras

Os autarcas do Interior do país, sobretudo de regiões onde a variante Delta ainda não se impôs e o número de novos casos de covid-19 não limita o quotidiano das populações, estão preocupados com o …

Jovens com menos de 20 anos vacinados numa "happy hour" em Lisboa

Alguns jovens com menos de 20 anos foram vacinados no centro de vacinação do Altice Arena, em Lisboa, depois de terem sido informados que havia "sobras". Task force já negou essa explicação. A situação foi denunciada, …

John Textor diz que reação da SAD do Benfica é "cómica"

O empresário norte-americano que chegou a acordo com o "rei dos frangos" para comprar 25% da Benfica SAD considera que a reação à sua aproximação é "cómica". Este mês, a Benfica SAD comunicou à Comissão de …

Rio acusa Cabrita de "mentir aos portugueses e no Parlamento" sobre festejos do Sporting

Rui Rio acusou o ministro da Administração Interna de "mentir aos portugueses e mentir no Parlamento" e justificou o motivo que levou o PSD a recorrer à figura da audição potestativa, a que os partidos …

Novo Banco não viu conflito de interesses na proposta sobre Imosteps

O Novo Banco defende que a proposta da Iberis para comprar a dívida da Imosteps, de Luís Filipe Vieira, não configurava conflito de interesses.  O Novo Banco defendeu, numa carta enviada ao Parlamento, que a proposta …

Restaurantes "expressamente proibidos" de guardar comprovativos de testes dos clientes

Os restaurantes dos concelhos em risco elevado e muito elevado, onde é necessário um teste negativo ou o certificado digital por parte dos clientes para poderem entrar, estão "expressamente proibidos" de guardar os comprovativos. A regra …