Nova norma determina que contactos de alto risco deixam de ser testados. DGS desmente “categoricamente”

Tiago Petinga / Lusa

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas (E), e o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales (D)

A nova norma da Direção-Geral da Saúde (DGS) determina que os contactos de alto risco deixam de ser testados, limitando as análises a casos secundários, como situações de surto, aglomerados ou coabitantes.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) publicou, na semana passada, uma nova normal que está a gerar polémica na comunidade médica: a indicação para não testar a generalidade das pessoas mais próximas de um caso positivo de infeção por covid-19, avança o Expresso.

No ponto 19, sobre o “rastreio de contactos”, lê-se que fazer o teste de diagnóstico aos contactos de alto risco fica ao critério das autoridades de Saúde e é especialmente reservado para infeções em surtos, aglomerados ou coabitantes. Ainda assim, e na ausência de um resultado, terá de ser cumprido isolamento profilático de 14 dias.

À partida, as pessoas que contactaram com um infetado por covid-19 só serão sujeitas a teste se vierem a ter sintomas.

Dois especialistas consultores da DGS enviaram uma carta à diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, a informar que cessam funções caso a regra não seja retirada. O gabinete de crise da Ordem dos Médicos (OM) está também “a ultimar um comunicado fortíssimo face à subjugação da saúde à política e à economia”.

António Diniz, pneumologista e antigo diretor do Programa Nacional para a Infeção VIH/Sida da DGS, é um dos signatários da missiva, e explicou que “se há contactos de alto risco que ficam em casa mas não fizeram o teste e são positivos podem eles próprios ter os seus contactos, e assim perde-se a possibilidade de fazer o diagnóstico precoce de contactos secundários e vai-se perpetuando a transmissão na comunidade”.

Por sua vez, a Ordem dos Médicos sublinhou que a realização de testes às pessoas mais próximas de um infetado também permite “evitar o permanente arrastar da propagação, que nos fragiliza para uma possível segunda onda no inverno”.

“Se porventura a diretora-geral da Saú­de entende que um contacto de alto risco não deve ser testado tem de o dizer taxativamente. A medida só faz sentido se for para reforçar o turismo, porque assim deixamos de ter novos casos”, referiu Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos.

“A DGS pode justificar-se com a poupança dos testes para o inverno ou ‘para inglês ver’, e até o podemos discutir, mas nunca com a defesa da saúde pública”, complementou António Diniz.

Rui Portugal, responsável pelo Gabinete de Crise da covid na região de Lisboa, disse que a explicação para a nova regra se divide em vários argumentos, desde a redução de casos para fortalecer a economia e a melhor gestão dos testes para o inverno, assegurando a contenção da pandemia.

O médico reconheceu que, com menos testes, Portugal terá menos novos casos, o que é bom. “A nova norma ajuda-nos a não passar uma imagem catastrofista e defende a saúde pública, que não fica posta em risco. Por isso, faz sentido.”

DGS desmente redução de testes

A norma, publicada no dia 24 de julho, refere-se ao rastreio de contactos que é um dos pontos-chave na estratégia de contenção da propagação da covid-19. “A norma formaliza procedimentos que já são realizados pelas autoridades de saúde e tem por base a melhor e mais atual evidência científica e os contributos de peritos em Saúde Pública, incluindo autoridades de saúde, que diariamente atuam no terreno”, justificou a DGS.

Num comunicado enviado às redações, o órgão desmente o teor da notícia do Expresso. “Não é verdade, portanto, que Portugal vá reduzir o número de testes, como afirma o jornal. Nem é verdade que a norma em causa exclua ou restrinja o universo de pessoas sujeitas à realização de testes. E muito menos é verdade que estejam a ser violadas quaisquer indicações da OMS”, escreve a Direção Geral da Saúde.

“Pelo contrário, as autoridades de saúde portuguesas continuam firmemente empenhadas na aplicação da estratégia de ‘testar, testar, testar’, o que já conduziu à realização em Portugal de mais de 1,6 milhões de testes laboratoriais para SARS-CoV-2, tendo a percentagem de testes positivos vindo a diminuir de forma consistente ao longo das últimas semanas (2,9% no dia 29 de julho)”, lê-se no comunicado.

A realização de testes a contactos de casos confirmados de covid-19 “sempre dependeu, e continua a depender, da estratificação de risco efetuada pelas autoridades de saúde”. “Por isso, a DGS desmente categoricamente a restrição da realização de testes a contactos de casos confirmados, tal como o fez, oportunamente, junto do jornal Expresso”.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Eu gostava de saber porque razão esta tonta irresponsável, que incrivelmente é diretora geral da saúde, ainda não foi demitida do cargo que ocupa. É que são tantas as gaffes, contra informação e asneiras que no mínimo já se deveria ter posto em causa a sanidade mental da mesma. O compadrio e as decisões economicistas, que muito agradam ao governo e á sua BFF, Marta Temido, lá a vão mantendo. Triste.

Desmantelada rede criminosa ligada à imigração ilegal para a Europa

A polícia italiana deteve hoje 19 pessoas de uma rede criminosa dedicada ao tráfico e transporte ilegal de migrantes do Afeganistão, Irão, Iraque e Paquistão para a Itália e, posteriormente, para o norte da Europa, …

Nasceu o SeeArch, uma espécie de colete salva-vidas para resgates em mar aberto

Se uma pessoa se separar da sua embarcação em mar aberto, permanecer à tona não é o único desafio. Ser visto pelos salvadores é uma missão importante que o novo SeeArch, usável e insuflável, vai …

Há 127 concelhos que vão manter os limites no fim de semana. Saiba quais

Os concelhos que mantém risco muito elevado e extremamente elevado terão de manter até dia 23 deste mês as atuais restrições, incluindo de limitação de circulação ao fim de semana. Houve 27 concelhos que saíram …

Piscina mais profunda do mundo inaugurada na Polónia

Com 45 metros de profundidade, a piscina Deepspot foi recentemente inaugurada na Polónia. Vai servir de zona de treino para mergulhadores, bombeiros e forças armadas. A piscina mais profunda do mundo foi inaugurada esta semana em …

Mais 6087 novos casos de covid-19 em Portugal. Este é o maior número da semana

Portugal registou este sábado 6087 novos casos e 73 mortes por covid-19. No total, mais de 318 mil pessoas já foram infetadas com o novo coronavírus e 4876 morreram. Nas últimas 24 horas, mais 6165 …

Sedada e com um capuz sobre os olhos, a girafa Asiwa foi resgatada de uma ilha no Quénia

Conservacionistas, autoridades do Governo e membros da comunidade local uniram-se para resgatar oito girafas numa ilha no Quénia. A população de girafas em África tem diminuído nas últimas décadas devido à perda de habitat e à …

Governo mantém restrições. Exceções no Natal, mas no Ano Novo volta a ser proibida a circulação entre concelhos

António Costa falou hoje ao país para anunciar as novas medidas para a quadra festiva. O primeiro-ministro revelou que no Natal as medidas serão aliviadas, como já se esperava, porém voltam a apertar no Ano …

Joe Biden está a planear uma tomada de posse em versão reduzida. Trump pode não marcar presença

A pouco mais de um mês de tomar posse como Presidente dos EUA, Joe Biden anunciou que está a planear reduzir a dimensão da cerimónia para garantir a segurança devido à pandemia. Segundo o Público, Joe …

O Peru enfrenta o maior desafio político desde a ditadura de Fujimori. A responsabilidade está nas mãos de Sagasti

O novo presidente do Peru assumiu o cargo em 17 de novembro em circunstâncias nada desejáveis. O país, que até ao ano passado vinha a ser apontado como um exemplo na área económica, enfrenta agora …

Três anti-histamínicos mostram eficácia a inibir infeção pelo coronavírus

Três medicamentos anti-histamínicos mostraram alguma eficácia a inibir a infeção de células pelo novo coronavírus responsável pela covid-19, segundo os resultados preliminares de um estudo da Universidade da Florida divulgado na sexta-feira. As descobertas sobre os …