Comissão Europeia prevê que os portugueses ainda vão pagar mais pelo fim do BES

Tiago Petinga / Lusa

Um relatório da Comissão Europeia faz uma análise ao processo que determinou o fim do BES e a criação do Novo Banco, prevendo que os contribuintes serão chamados a pagar futuras perdas do chamado “banco bom”.

Neste documento elaborado por técnicos de Bruxelas frisa-se que há a possibilidade de “algumas perdas serem suportadas pelos contribuintes”.

Esta posição contraria as garantias que têm sido dadas pela ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, que tem dito que eventuais prejuízos serão suportados pelos bancos e pelas instituições financeiras.

O relatório foi publicado pela Direcção Geral de Assuntos Económicos e Financeiros (DG ECFIN) e faz uma análise a sete casos da Banca Mundial que terminaram com a resolução das entidades envolvidas.

“É importante referir que o capital do Novo Banco, que ascende a 4,9 mil milhões, foi completamente subscrito pelo Fundo de Resolução português. A questão aqui é que o Fundo foi criado recentemente (2012) e não tinha fundos suficientes para suportar os custos da operação, pelo que a maior parte do capital [3,9 mil milhões] foi financiado com um empréstimo do Estado, através do Fundo de Resolução. Este caso poderá, assim ser classificado como um bail in, mas como parte do capital foi obtido através de um empréstimo estatal, existe a possibilidade de, no futuro, algumas perdas serem suportadas pelos contribuintes“, escreve-se no documento, citado pelo Diário Económico.

No relatório frisa-se ainda que “as experiências de resgate interno ocorrem geralmente após tentativas falhadas de ajudas públicas (bail-out)” e que, “na maior dos casos, já vieram tarde e apenas sob pressão dos parceiros europeus”.

Foi precisamente isso que sucedeu com o BES com a intervenção do Banco Central Europeu junto do Banco de Portugal.

ZAP

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Há que esclarecer pois estas notícias são falsas, a saber:

    O modelo de nacionalização do BPN( vigaristas encartados do pior) usado pelo Teixeira dos Santos e Sócrates leva a que paguemos mais de 7 mil milhões de euros e serão os contribuintes a pagar…Esta decisão foi tomada no desgoverno do PS.

    O modelo estabelecido pelo actual governo aquando do colapso do BES, teve a virtualidade de separar a politica dos negócios e, por isso, o BES e seu universo colapsou pois eram empresas falidas do grupo alimentadas pelo Banco.Neste modelo, quem paga é o Fundo de Resolução( estão agregados os bancos).Quem criou a crise que pague a mesma: os bancos.
    Esperamos que o Novo Banco seja bem vendido para o ano, na sua totalidade ou parcialidade além de que existem valores arrestados à família Espírito Santo para pagar as asneiradas cometidas pela má gestão.

    Por isso, não se podem confundir os dois modelos.O Ricardo salgado pensava que o Governo do Passos iria salvar o Bes e a família mas enganou-se redondamente e acho que o actual governo fez bem pois acabou com essa dependência da família Espírito santo com o Estado onde sempre gravitou o dono disto tudo( Salgado).

    O resto, BPN e universo BES são casos de burlas monumentais e são casos de policia a tramitar pelos Tribunais.

    O resto é fumaça para os olhos das pessoas com notícias destas….

  2. Aprendam com o caso da Islândia: prisão para os culpados e não há dinheiro para salvar bancos.
    Insistem num modelo económico obsoleto e que não tem saída.

RESPONDER

Assistente social acusada de maltratar 14 crianças em centro de acolhimento

O Ministério Público (MP) acusa uma mulher de 46 anos, que era assistente social e diretora técnica de um centro de acolhimento na Maia, no distrito do Porto, de maltratar 14 crianças nesta instituição. De …

Marcelo não vê razão de preocupação com empresas portuguesas de Isabel dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira ter sinais de que não há razão para preocupação nos setores económicos e empresas portuguesas nas quais a Isabel dos Santos está a vender …

Mina de lítio em Montalegre. "Impactes negativos minimizáveis” e 370 empregos

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da concessão de exploração de lítio, em Montalegre, conclui que o projeto possui “impactes negativos” que, no entanto, “não são significativos”, “são minimizáveis” e de “abrangência local”. O EIA do …

Cristas faz o mea culpa e abandona o congresso. Corrida à sucessão faz-se a cinco

O 28.º congresso nacional do CDS arrancou este no Parque de Feiras e Exposições de Aveiro com o discurso da líder demissionária Assunção Cristas, que fez uma espécie de mea culpa e agradeceu aos centristas …

Sérgio Conceição sai do FC Porto no fim da época

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, deixará o comando dos dragões no final da temporada. A derrota em casa com o Braga terá ditado a saída do técnico azul e branco. O técnico do FC …

Joacine quer mais direitos para deputados sem partido. "Está a antecipar" o futuro

A deputada Joacine Katar Moreira, do partido Livre, defendeu esta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos. A deputada única do Livre assumiu esta posição no final de uma reunião do …

França confirma 3 casos de coronavírus chinês. Já chegou à Austrália e Malásia

Depois de França ter confirmado três pessoas infetadas com o novo coronavírus oriundo da China, também a Austrália e Malásia reportaram casos. As autoridades da Malásia anunciaram este sábado terem registado os primeiros três casos de …

Amadora. Agredido motorista de autocarro que denunciou Cláudia Simões

Foi agredido o motorista de autocarro que chamou a PSP para denunciar a passageira Cláudia Simões, que alegou posteriormente ter sido agredida pelos agentes da polícia. As agressões tiveram lugar na noite desta sexta-feira, em …

"Dos 4 mil euros que ganho, 3 mil vão para os frades". O padre Vítor Melícias recusa que Tomás Correia ainda controle o Montepio

O padre Vítor Melícias, presidente da Assembleia Geral do Montepio, diz que Tomás Correia "faz falta, mas fez muito bem" em abandonar a liderança da mutualista Montepio. "Dizer que Tomás Correia continua a controlar através …

Amesterdão prepara-se para comprar dívidas dos seus jovens

A partir de fevereiro, a capital dos Países Baixos vai comprar dívidas dos seus jovens para ajudá-los a recomeçar e a construir um futuro. Numa nota publicada esta semana na página oficial do Governo local …