Islândia já condenou 26 banqueiros a prisão pela crise financeira de 2008

compleo / Flickr

Sede do Banco Central da Islândia, em Reikjavik

Dois tribunais da Islândia anunciaram a condenação a penas de prisão de mais cinco altos dirigentes de Bancos do país, considerados culpados pela crise financeira de 2008. O número de banqueiros responsabilizados já vai em 26.

O Tribunal Supremo da Islândia e o Tribunal de Distrito de Reiquejavique condenaram a penas de prisão três altos dirigentes do Banco Nacional Islandês, o Landsbankinn, e dois administradores do Banco Kaupþing, avança a Iceland Magazine.

Em causa estão crimes financeiros cometidos nas vésperas do colapso económico de 2008.

Com as cinco condenações referidas, são já 26 os banqueiros e financeiros condenados a prisão por delitos relacionados com a crise, num tempo aglomerado de prisão de 74 anos.

De acordo com a referida publicação, 11 ex-banqueiros foram condenados a penas de prisão de 4 anos ou mais.

Os antigos líderes do Banco Kaupþing são os que receberam as penas mais longas, nomeadamente nos casos do ex-CEO, Hreioar Már Sigurosson, e do ex-CEO do Kaupþing Luxembourg, Magnús Guomundsson, condenados a 6 anos de prisão cada por manipulação extensiva do mercado, peculato e violação dos deveres fiduciários.

Seis anos é o máximo da pena de prisão prevista na Islândia para os crimes financeiros. Mas a Justiça pode aplicar penas mais longas quando se confirmem crimes sistemáticos e repetidos.

Essa possibilidade está ainda a ser analisada, conforme frisa a Iceland Magazine, pelo que Hreioar Már Sigurosson e Magnús Guomundsson arriscam penas maiores.

d.r. kjarninn.is

Hreiðar Már Sigurðsson, antigo CEO do Banco Kaupþing

Destaque ainda para as condenações do ex-director do Kaupþing, Sigurour Einarsson (5 anos de prisão), do ex-CEO da divisão interna do Banco, Ingólfur Helgason (4 anos e meio de prisão) e do director da divisão de empréstimos do Banco, Bjarki Diego (2 anos de prisão).

Foi também condenado a 4 anos e meio de prisão um dos principais accionistas do Banco, Ólafur Ólafsson, considerado “um dos mais poderosos “Vikings corporativos” dos anos pré-2008″, segundo destaca a Iceland Magazine.

Outro investidor relevante, Skúli Þorvaldsson, foi condenado a seis meses de prisão.

No Banco Nacional da Islândia foram condenados o ex-CEO Sigurjón Þ. Árnason (3 anos e meio de prisão) e o ex-director do departamento de empréstimos corporativos, Elín Sigfúsdóttir (1 ano e meio de prisão).

Há ainda outros responsáveis do Banco condenados a penas menores.

E há também outros banqueiros e investidores à espera de sentença.

Em 2012, já tinha sido condenado a 2 anos de prisão o ex-Secretário do Ministro das Finanças da Islândia, Baldur Guolaugsson, por abuso de informação.

ZAP

PARTILHAR

34 COMENTÁRIOS

  1. E fazerem o mesmo cá em Portugal? Isso é que era!
    Mas por cá, responsabilidades… ZERO! Ah pois é.
    Ah, e tal, foi apanhado a roubar o estado… auto-despede-se para 3 meses mais tarde estar a ganhar 5 x mais noutra empresa ligada a ppp’s…
    E que tal responsabilizar esta gentalha e obriga-la a devolver o que roubou?

    PULHAS!

  2. Nos paises nórdicos funciona tudo bem, porque as pessoas têm noção e sentido de cidadania ativa, por isso é que lá toda a gente paga 50% de impostos e as reformas têm um teto, por exemplo, se não me engano na bélgica o teto maximo para uma aposentação é de 1750 euros. Aquilo que as pessoas pagam (e bem) de impostos é-lhes retornado atraves da educação, saude etc. Quando nós, sociedade portuguesa atingirmos esses padroes de cidadania, tudo o resto começa a funcionar…

    • Caro Marco,
      Finalmente, um comentário inteligível.
      É exactamente como diz. É tudo uma questão de ‘sentido de cidadania’.
      Mas, isso é o resultado de uma mentalidade que é muito mais prevalente em sociedades com percursos de desenvolvimento que privilegiam a honestidade e o ‘fair-play’, que é o contrário do que se passa na maioria dos países, em que o ‘chico-espertismo’ e o nepotismo é que são valorizados, e que é prevalente, sobretudo nos países do sul da europa e nos países ‘em desenvolvimento’, do chamado 3º mundo.
      Isto aqui, é um país do 1º mundo B.

  3. Aqui está uma boa noticia para a Justiça Portuguesa. Os Juízes que não estiverem dentro, ou à espera de e entrar nisto, da questão da “massa”, que procedam da mesma maneira. Que os “metam” a todos lá dentro. O dinheiro não foi queimado, e também não foi para o fundo do mar… Não há fumo sem fogo… e as cadeias fizeram-se para alguma coisa não é??!!

  4. E cá ??? Passeiam-se impunemente sob a protecção da extrema-direita radical no poder… Ainda lhes dão dinheiro por causa da crise… Burlam as pessoas, são verdadeiros agiotas da sociedade, mas como estamos numa espécie de província da desunião europeia, a mesma dá-lhe a cobertura necessária para prosseguir na senda do empobrecimento do país e do roubo e corrupção generalizados protagonizados por um poder corrupto e decadente.
    Aliás, bastava haver uma investigação independente da comissão europeia para perceber os saques e ofertas no BCP, no BES, no BPP, no BPN / SLN, etc, etc.

  5. Se por cá os responsáveis pela crise tivessem também sido presos na devida altura não os teríamos hoje de volta arrogantes tentando fazer da derrota vitória encostando-se a outros tão sequiosos de poder como eles para alcançarem os seus fins, por outro lado também teria servido de aviso a certos banqueiros de que ultrapassar os limites poderia resultar mal e talvez alguns não tivessem caído na tentação de que por cá tudo vale para atingirem os fins desejados.

    • Ó malabarista, penso que trocaste tudo e julgas que estamos a falar da “Islamia”. Para teu conhecimento aqui vão os estados que fazem parte dos chamados Países Nórdicos: Dinamarca, Finlândia, ISLÂNDIA, Noruega, Suécia e Estónia. Chega-te ou queres que te faça um desenho a cores ??????????

  6. Não sei que dizer. Gostar do que se passa na Islândia com pena de não ser igual cá? Ou gostar do que se passa na Islândia porque não se passa o mesmo cá? É que pelos comentários escritos parece que há de uns e doutros.

  7. em Portugal também é assim ; os banqueiros vão todos para grandes casas que são autênticos hotéis e assim vai a vida dos bons gestores de BANCOS em Portugal ;;;; o portuga pequenino da mais 1euro por dia para esses amiguinhos banqueiros

  8. Cá em Portugal também estão presos, a lobis do psd e do ps. Mas , acordem , estamos em portugal, onde vale tudo para gamar o povo. Ou já estão esquecidos daquele elogio do Passos, 1ªMin , ao Dias Loureiro, um tipo que está metido no gamanço do BPN até ao pescoço, dizendo que era um exemplo de empreendedorismo. Com 1ºo responsável do governo idolatrando a vigarice, está tudo dito.

  9. Nós somos de brandos costumes e ainda acreditamos no pai natal. Infelizmente continuamos a assobiar para o lado, vejam a abstenção nas últimas eleiçoeis. O voto devia ser obrigatório-
    É a perversidade da justiça. Todos sabemos que o crime compensa, sobretudo dos banqueiros e politicos, e não podemos exterminá-los ?

  10. Vocês são mesmo incrédulos. Então cá não vai ser o mesmo? Até parece que já estou a ver o Salgado e o Costa, o do Banco os dois na prisa. Ahahahahahah. Tenham fé homens de pouca fé.

  11. Cá em Portugal, o PR, Cavaco Silva., até nomeou um ( Dias Loureiro) conselheiro de estado. Cá, que isto é uma republica de corruptos, pois numa república de direito estavam todos atrás das grades.

  12. Esta é a real diferença. Se a Islândia tivesse aderido à União Europeia, não poderia fazer isto. A União Europeia simplesmente defende os ladrões financeiros.

  13. Enquanto que por cá se andou a mandar areia para os olhos com o caso Sócrates com meras suspeitas de uns trocos que terá rapinado para a conta da mãe, desgraça-se um país nas mãos dos banqueiros.

  14. Uma das coisas que acho mais estranha, em Portugal, é que nem os próprios diretamente lesados atribuem responsabilidades aos banqueiros, antes insistem em responsabilizar políticos.

  15. Assim como o meteram que o retirem, se não o metessem lá, hoje estariam mais seguros, não sei de que se queixam, se foi o povo que lá o meteu, não vi alguém a ser obrigado.

  16. Falta acrescentar que, na altura em que a Islândia “bateu no fundo”, por causa de políticos, banqueiros e afins que se revelaram corruptos, quem foi responsável pela grande “limpeza” e por retirar a Islândia da lama e encetar o caminho da recuperação foi uma senhora de 66 ou 67 anos (nessa altura), que não tinha qualquer carreira política até então e que “cortou a direito”, ou seja, puniu quem deveria ser punido, renegociou a dívida islandesa com os agiotas da banca / da alta finança mundial, impôs as condições que mais convinham à Islândia e tomou internamente as medidas que eram inevitáveis, pedindo sacrifícios aos seus compatriotas, que os compreenderam, aceitaram e se dispuseram a cooperar, vendo, poucos anos mais tarde, os bons frutos de todo esse esforço… e foi assim que o país readquiriu credibilidade e avançou no bom caminho, recuperando os lugares cimeiros que ocupava no ranking mundial do desenvolvimento.
    Por que será que em Portugal se falou tão pouco disso e até se evitava mencionar a Islândia?
    A quem é que não interessaria que o “modelo islandês” fosse conhecido e IMITADO?

  17. Cá em Portugal não é possível, senão tinham de prender todos os banqueiros, politicos, empresários, juizes e policias. A não ser que o zé povinho os prendesse n ou o menino jesus, de resto não há mais ninguém, mas esse já está demasiado habituado a levar com o das caldas e a não se queixar.

RESPONDER

Açores vão ter testes gratuitos em farmácias e rastreios laborais aleatórios

Os Açores vão passar a disponibilizar testes rápidos gratuitos para o despiste da covid-19 nas farmácias, testes de saliva para a testagem massiva aos alunos e rastreios laborais aleatórios, anunciou esta quinta-feira o secretário regional …

Uma morte e 377 novos casos nas últimas 24 horas. Rt e incidência recuam

O boletim da DGS desta sexta-feira dá conta de mais 377 novos casos em Portugal. Registou-se ainda mais um óbito. Nesta sexta-feira, dia 7 de maio, o país tem 22.421 casos ativos, menos 114 do que …

MP investiga morte de bebé que terá sido esquecido no carro em Lisboa

O Ministério Público instaurou um inquérito para averiguar as circunstâncias da morte de uma criança de dois anos que terá ficado esquecida no interior de um carro, em Lisboa. A mãe ter-se-á esquecido do bebé …

Governo está a preparar contestação de providência cautelar sobre Zmar

O ministro da Administração Interna afirmou hoje que já está a ser preparada a contestação à providência cautelar que suspende a requisição civil das casas do complexo Zmar, adiantando que o Ministério não foi ainda …

Subsídio europeu de 150 euros mensais para tirar 5 milhões de crianças da pobreza severa

Arrancou nesta sexta-feira, no Porto, a Cimeira Social promovida pela presidência portuguesa do Conselho da União Europeia. Um momento que o ex-ministro Pedro Marques aproveita para lançar a ideia de um novo apoio social de …

Banca empresta 475 milhões para Fundo de Resolução pagar ao Novo Banco

O sindicato bancário, composto por sete bancos, vai proceder ao financiamento do Fundo de Resolução para este cumprir a injeção de capital no Novo Banco já na próxima semana. O Jornal Económico avança, esta sexta-feira, que …

China suspende "diálogo económico" com a Austrália e denuncia "mentalidade de Guerra Fria"

Esta quinta-feira, o Governo chinês anunciou a suspensão "por tempo indefinido" de todas as atividades realizadas no âmbito da iniciativa "Diálogo Económico Estratégico China-Austrália". As relações entra a China e o ocidente estão cada vez mais …

Bolsonaro diz ter tido sintomas de reinfeção. China acusa-o de "politizar" novo coronavírus

O Presidente do Brasil admitiu na quinta-feira que teve sintomas de reinfeção pelo novo coronavírus "há poucos dias" e afirmou que tomou ivermectina, fármaco sem comprovação científica contra a covid-19. As declarações de Jair Bolsonaro foram …

"É fácil despedir". PCP quer mudar regime de despedimento coletivo e extinção de postos de trabalho

O PCP vai entregar na Assembleia da República esta sexta-feira um projeto de lei que visa limitar os despedimentos coletivos e a extinção de postos de trabalho, eliminando o despedimento por inadaptação. O objetivo do partido …

Páginas ocultas do PRR revelam "reedição da troika" na reforma aos hospitais

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) prevê uma concentração das urgências da Grande Lisboa e Grande Porto, cortes nos gastos e uma gestão dos hospitais mais vigiada com imposição de objetivos financeiros. O jornal Expresso …