Chega prefere “estado de emergência mais aliviado” a situação de calamidade

O deputado único e líder do Chega, André Ventura, defendeu hoje “um estado de emergência mais aliviado e claro” para as próximas semanas, ao invés da declaração da situação de calamidade, apontando que é “uma mera mudança discursiva”.

“Um estado de emergência mais aliviado e claro é a solução que o Chega propõe”, refere Ventura numa nota enviada à agência Lusa, advogando que “mais vale manter o quadro jurídico de emergência com um alívio de restrições claro, um conjunto de novos sinais de permissão de atividades económicas e um calendário gradual”.

O líder demissionário do Chega aponta que “o Governo prefere o estado de calamidade ao estado de emergência como uma mera mudança discursiva, sem se perceber muito bem que restrições se alteram”.

“O próprio primeiro-ministro garante que o confinamento vai continuar, independentemente de tudo o resto”, acrescentou.

Salientando que a declaração da situação de calamidade poderá “provocar um grande imbróglio jurídico”, o deputado salienta que “pode parecer que o Governo quer concentrar todos os poderes e evitar a ação quer do Presidente da República, quer da Assembleia da República, pois é sabido que para decretar o estado de calamidade basta a decisão do Governo e do primeiro-ministro”.

André Ventura questiona ainda: “com vários constitucionalistas a apontar para os problemas sérios que podem ser colocados perante o estado de calamidade, como Jorge Bacelar Gouveia e Vital Moreira, que vantagem teremos com esta mudança?”.

Ao contrário do estado de emergência, que é proposto pelo Presidente da República e vai a votos no parlamento, depois de um parecer do Governo, a declaração de calamidade é da responsabilidade exclusiva do Executivo, através de uma resolução do Conselho de Ministros.

Na sexta-feira, o Governo admitiu estar a equacionar decretar a situação de calamidade pública por causa da pandemia de covid-19 a partir de 03 de maio, quando cessar a vigência do atual período de estado de emergência em Portugal.

“Esses cenários ainda a ser estudados e não há decisões tomadas. Até ao Conselho de Ministros da próxima quinta-feira consideraremos várias hipóteses. Mas a situação de calamidade pública é uma delas”, disse à Lusa fonte do Governo.

De acordo com a Lei de Bases de Proteção Civil, a resolução do Conselho de Ministros que decreta a situação de calamidade pode estabelecer “limites ou condicionamentos à circulação ou permanência de pessoas, outros seres vivos ou veículos”, assim como “cercas sanitárias e de segurança”.

Tanto o primeiro-ministro como o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disseram esperar que o atual período de estado de emergência, o terceiro decretado neste contexto de pandemia de covid-19, seja o último.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Ex-Benfica Garay acusa Valência de "campanha difamatória"

Ezequiel Garay acusou o Valência de levar a cabo uma "campanha difamatória" contra si. "Dói ver estas coisas quando estão a prejudicar os que amas", disse o argentino. O ex-jogador do SL Benfica Ezequiel Garay cumpre …

O maior salto em cinco anos. Dívida pública atingiu recorde em abril

A dívida pública aumentou para 262,1 mil milhões de euros em abril, o valor mais alto desde 1995, segundo os dados divulgados pelo Banco de Portugal. A dívida pública aumentou para o valor recorde de 262,1 …

Diabéticos e hipertensos. PSD quer debater alteração que retirou estes doentes de regime excecional

O PSD pediu a apreciação parlamentar do decreto-lei que retirou doentes hipertensos e diabéticos do regime excecional de proteção relativo à covid-19. A apreciação parlamentar permite que a Assembleia da República debata, altere e, no limite, …

Norte sem contágios por covid-19. Grande Lisboa regista 96,5% dos novos casos

Portugal regista hoje 1.424 mortes relacionadas com a covid-19, mais 14 do que no domingo, e 32.700 infectados, mais 200, segundo o boletim da Direcção-Geral de Saúde (DGS). 193 dos novos casos são na área …

Aviões deixam de ter lotação reduzida a partir desta segunda-feira

Os aviões deixam, a partir desta segunda-feira, de ter a lotação de passageiros reduzida a dois terços, mas o uso de máscara comunitária é obrigatório. O Governo alinhou, assim, as regras nacionais pelas regras europeias no …

Marcelo pede que não se passe do "8 para o 80" e alerta para imagem do país

O Presidente da República reiterou hoje o apelo à população para que não se passe “do 8 para o 80” nas medidas de prevenção da covid-19, alertando para os riscos da imagem do país “cá …

Só metade das crianças deverá voltar ao pré-escolar esta segunda-feira

As crianças em idade pré-escolar regressam esta segunda-feira aos jardins de infância, que voltam a funcionar com novas regras, depois de encerradas durante mais de dois meses, devido à pandemia da covid-19. Apesar do regresso, que …

Dois astronautas (e um dinossauro de peluche) chegaram à EEI à boleia da SpaceX

Para além dos astronautas Doug Hurley e Bob Behnken, seguia a bordo da Crew Dragon um dinossauro de peluche com lantejoulas. E há uma explicação para isso. Este sábado, o foguetão Falcon 9, da SpaceX, fez …

Pescadores já podem capturar sardinha, mas recuo no consumo é uma preocupação

Os pescadores voltam a poder capturar sardinha, a partir desta segunda-feira, e até 31 de julho, com limites diários e semanais, segundo um despacho publicado em Diário da República. De acordo com o diploma, assinado pelo …

Madeirense contesta quarentena obrigatória em Tribunal (e há uma sentença que lhe dá razão)

Uma cidadã madeirense que chegou no domingo à Madeira e recusa cumprir quarentena num hotel entregou um pedido de ‘habeas corpus’ no Juízo de Instrução Criminal do Tribunal do Funchal. A acompanhar o pedido está …