Caixa negra mostra pessoas sem assistência e falhas no SIRESP

Paulo Cunha / Lusa

-

A chamada “caixa negra” da Proteção Civil, que regista a sequência de todos os acontecimentos e decisões tomadas no combate aos incêndios, revela que muitos pedidos de ajuda não obtiveram resposta devido às falhas nas comunicações, sobretudo do SIRESP.

De acordo com o Público, esta “fita do tempo” resulta do Sistema de Apoio à Decisão Operacional (SADO) da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) e foi disponibilizada ao primeiro-ministro no passado dia 23.

O primeiro registo deu-se às 19h45 de sábado. O 112 comunicou o pedido de ajuda de três vítimas, no interior de uma habitação, cercadas pelo incêndio na localidade de Casalinho. Cinco minutos depois, o Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra informa que na localidade de Troviscais “um popular e o pai necessitam de ajuda urgente”.

Seguem-se relatos de pessoas que pedem ajuda em vão, como escreve o jornal. Às 21h28, na localidade de Ramalho, é revelada a existência de uma “habitação a arder e vítima queimada”. Às 21h47, um homem de 75 anos que estava sozinho, com a casa a arder, sem água e com problemas respiratórios. Às 22h45, outro homem “interroga a possibilidade de socorrer a esposa que se refugiou dentro da viatura, a casa já ardeu”.

As falhas no SIRESP foram admitidas por volta das 20h55, quando o Centro Nacional de Operações de Socorro (CNOS) contacta o chefe da Divisão de Informática e Comunicações da Proteção Civil a solicitar “o reposicionamento de Antenas SIRESP na zona de Pedrógão Grande e Figueiró dos Vinhos”.

Ministra ordena estudo e auditoria ao SIRESP

Ontem, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, exigiu um estudo independente ao funcionamento do SIRESP e uma auditoria pela Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) à Secretaria-Geral Administração Interna.

Em comunicado, com o título “MAI exige respostas rigorosas ao funcionamento do SIRESP”, é dito que a ministra determinou estes dois procedimentos às duas entidades após “informações de caráter técnico operacional coligidas” e tendo em conta que “foram reportados dificuldades na utilização” do SIRESP “no trágico incêndio de Pedrógão Grande”.

A ministra determinou a realização pelo Instituto de Telecomunicações (IT) a “elaboração de um estudo independente sobre o funcionamento do SIRESP em geral, e em situações de acidente grave ou catástrofe, em particular”.

A governante ordenou também que a Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) faça uma auditoria ao cumprimento, por parte da Secretaria-Geral da Administração Interna, enquanto entidade gestora do SIRESP, das obrigações legal e contratualmente estabelecidas, designadamente ao nível da gestão, manutenção e fiscalização.

Estado iliba SIRESP de responsabilidades

Ainda de acordo com o Público, uma cláusula no contrato assinado em 2005 determina que o Estado iliba por completo o SIRESP de qualquer responsabilidade por falhas na rede de comunicações em casos de catástrofe.

“Para os efeitos do contrato, considerar-se-ão casos de força maior imprevisíveis e irresistíveis, cujos efeitos se produzem independentemente da vontade da operadora ou da sua atuação, ainda que indiretos, que comprovadamente impeçam ou tornem mais oneroso o cumprimento das suas obrigações contratuais”, pode ler-se no ponto 1 da cláusula 17.

No ponto 2, especificam-se os tais casos de força maior: “atos de guerra ou subversão, hostilidades ou invasão, rebelião, terrorismo ou epidemias, raios, explosões, graves inundações, ciclones, tremores de terra e outros cataclismos naturais que diretamente afetem as atividades objeto do contrato”, cita o jornal.

O SIRESP, uma Parceria Público-Privada (PPP) promovida pelo Ministério da Administração Interna, tem estado envolvido em polémica, depois de ter falhado nas horas críticas do incêndio que matou 64 pessoas em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

O Sistema de Comunicações já tinha tido falhas em anos anteriores, havendo suspeitas em torno dos moldes em que foi assinado logo desde o início. A PPP vai custar, até 2021, 568 milhões de euros ao Estado.

O maior acionista da entidade gestora do SIRESP é a Galilei, empresa agora insolvente que antes era a Sociedade Lusa de Negócios (SLN), que caiu no seguimento da nacionalização do BPN, e que detém 33% das acções.

Os outros acionistas são a tecnológica Datacomp (9,55%), outra empresa do universo Galilei que está em Processo Especial de Revitalização, a PT (30,55%), a Motorola (14,9%) e a Esegur, sociedade da CGD e do Novo Banco que sucedeu ao ex-BES (12%).

ZAP //

PARTILHAR

15 COMENTÁRIOS

  1. e apenas uma opiniao, desculpa por dizer isto, mas e o seguinte: um individuo mata uma pessoa , prisao 15 ou 20 anos, criam um sistema, ao qual houve falhas de 14 horas, segundo deu nas noticias, ao qual resultou mortes por essas falhas, nao ha culpados… e para esquecer( essas mortes) .. que justiça e esta??? se fosse num pais desenvolvido garanto que as coisas nao iriam ficar assim, alguem iria atras das grades, mas tamos em portugal…. e assim…enfim

    • Esse alguém seria o senhor, porque isto está a tomar proporções, em que um dia esse alguém perde a cabeça, mata um ministro a julgar que faz justiça com as próprias mãos…
      Faz um favor à sociedade, mas estraga a sua vida, porque vai preso…

  2. É do governo anterior….claro está. Alguém tem dúvidas ?
    A ranhosa está por lá só para o colete laranja que até nem lhe fica mal. O Povo está farto destes merdosos…

      • Por acaso, até foi o atual primeiro ministro que suspendeu e depois assinou o contrato de que se fala… com renogiacao de condições… e agora culpa-se o governo do ćoelho? Enfim…

      • Não fique confuso só porque o governo anterior nada fez perante as falhas.

        Muito se fala em demissões pelos político, claro está.
        Neste momento a Ministra e ainda alguns secretários de estado têm o conhecimento necessário do que precisam de fazer porque estiveram dias no terreno.

        Espero que agora sejam realmente alcançadas as soluções corretas.

  3. O único sistema que não falhou, foi o arcaico sistema dos Bombeiros existente à anos.
    Tal como a TDT o sistema digital mostra que é necessário um número elevado de transmissores. Como os custos são altos reduz-se no número de transmissores e quando o incêndio destrói uma torre, foca imediatamente afetado o sistema de comunicações num raio de quilómetros.

    Não se pode classificar isto como um sistema de emergência.
    Segundo a notícia as entidades que compõe o sistema estão sempre ilibadas de responsabilidades… em que país vivemos?????

    Conclusão: O sistema analógico é mais funcional.

  4. Se bem entendo nem SIRESP nem Estado têm culpas nas comunicações que ao que parece estariam inoperacionais e certamente postas a um canto do armazém, além do que o pouco que apareceu em campo foi tarde e a más horas, na prática essa tal empresa SIRESP apenas serve para receber milhões por ano e ao Estado compete pagar sem ninguém se interessar saber como é que funcionam as coisas e se é que funcionam, pelo menos é isto que transparece cá para fora, muito hábeis em gabarolice «geringonça» quando o vento está a favor e muito sorrateiros em se esquivarem quando metem a pata na poça.

  5. Bom dia
    Esclareçam as pessoas do que se passou entre o início do incêndio e a hora do primeiro registo (19:45), julgo que esse período também será importante para apuramento de responsabilidades.
    Houve um despacho de meios proporcional à dimensão da ocorrência? Foram enviados todos os esforços para informar um correto ponto de situação do que estava a acontecer no terreno?
    As primeiras horas são, como é do conhecimento dos responsáveis, cruciais num evento desta natureza.
    Abraço

  6. SIRESP, nome pomposo para algo que não funciona. Pensemos que este sistema custou, ou vai custar, 57 euros a cada português, uma quantia suficiente para cada um de nós comprar um radio CB (banda do cidadão) que não precisa de repetidores e que os próprios utilizadores poderiam replicar as mensagens. Seriam 10 milhões de rádios transmissores e respectivos utilizadores. Com um aparelho desses o cidadão que se sentiu encurralado pelo fogo poderia pedir ajuda directamente, sem necessidades de antenas repetidoras que dão o “badagaio”. Então porque não existe um meio de comunicação eficaz? Resposta: é como tudo neste mundo, o que é eficaz não é rentável ao comerciante. O que falta para resolver este assunto? Resposta: faz falta trocar estes políticos por gente honesta. Está tudo explicado. Negociatas PPP + SLN + BPN + mais o que nem sequer imaginamos, tudo a saquear o pote. É apenas a minha opinião e vale o que vale.

Polícias pedem comprovativos de deslocações, mas lei não permite

As forças de segurança fizeram ações de fiscalização rodoviária para controlar a circulação nas estradas. Foram pedidos comprovativos de deslocações, embora a lei não o contemple. Com o país em estado de emergência, a quarentena é …

Bebé com menos de um ano morre de Covid-19 nos EUA

Um bebé com menos de um ano morreu, nos Estados Unidos da América (EUA), vítima de Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, anunciaram as autoridades do Estado de Illinois. A doença já provocou mais de …

Até as bactérias precisam de espaço. Células esmagadas desligam a fotossíntese

Quando as bactérias ficam esmagadas, podem entrar num modo de defesa e desligar a fotossíntese, concluiu uma investigação recente, levada a cabo por cientistas da University of Colorado Boulder, nos Estados Unidos. A equipa da universidade …

Siza Vieira admite aulas por canais "estilo youtube" ou TV por cabo

O Governo está a estudar soluções que garantam que todos os alunos têm acesso aos conteúdos educativos no terceiro período, adiantou o ministro da Economia. O Governo está a estudar soluções que garantam que todos os …

Retificação ao diploma do lay-off simplificado trava despedimentos

Uma retificação ao diploma inicial do ‘lay-off’ simplificado, hoje publicada, vem acautelar que nenhum trabalhador de empresas que recorra a este apoio pode ser alvo de despedimento coletivo ou extinção de posto de trabalho. O decreto-lei …

Rocha desafia teoria da escassez de oxigénio na Terra primitiva

Uma rocha sedimentar única rica em carbono, depositada há dois mil milhões de anos, deu aos cientistas novas pistas sobre as concentrações de oxigénio na superfície da Terra nessa época. De acordo com a agência Europa Press, …

As bactérias formam comunidades na nossa língua (e uma imagem revela como)

Cientistas norte-americanos descobriram que as bactérias que vivem na nossa língua têm uma organização complexa e altamente estruturada. Os micro-organismos estão em toda a parte - até no interior da nossa boca. Um novo estudo revela …

Como sobreviver ao isolamento? Astronautas explicam

Em todo o mundo, cidades e até países inteiros estão em quarentena como forma de travar a propagação do novo coronavírus, Covid-19. Alguns astronautas deixaram conselhos sobre como sobreviver ao isolamento. Para alguns, o auto isolamento …

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …