Bruxelas dá razão a Centeno e está agora mais otimista do que o Governo português

partidosocialista / Flickr

O primeiro-ministro, António Costa, com o ministro das Finanças, Mário Centeno

O primeiro-ministro, António Costa, com o ministro das Finanças, Mário Centeno.

A Comissão Europeia confirma os números do défice avançados por Mário Centeno e está agora mais otimista, relativamente à economia portuguesa, esperando que esta cresça 1,3% em 2016 e 1,6% este ano, ligeiramente acima das previsões do Governo.

Nas previsões económicas de inverno divulgadas nesta segunda-feira, a Comissão Europeia (CE) reviu em alta a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) português em 2016, de 0,9% em novembro, para 1,3%, devido a um “forte desempenho na segunda metade do ano, particularmente no turismo” e no consumo privado, apesar da contração no investimento.

Bruxelas destaca o crescimento do setor exportador no ano passado, “ajudado pelo desempenho muito forte do turismo“, salientando a melhoria, “apesar do aumento estimado dos custos do trabalho”.

A CE estima que esses efeitos se prolonguem este ano e no próximo, enquanto as importações devem acelerar, “acompanhando a recuperação do investimento”.

Riscos no setor bancário

Bruxelas melhorou também as estimativas para 2017 e 2018, esperando agora que a economia cresça 1,6% e 1,5%, respetivamente, quando nas previsões de outono previa que o PIB avançasse 1,2% este ano e 1,4% no próximo.

Embora se revele mais otimista, a CE admite que existem riscos negativos para a previsão, considerando que “os problemas por resolver no setor bancário podem diminuir a recuperação esperada do investimento”.

Bruxelas considera que o consumo privado deve manter-se robusto, “ao ser impulsionado pelo aumento do salário mínimo e da melhoria do mercado de trabalho”, mas deve abrandar nos próximos anos.

A Comissão espera também que o investimento melhore, mas que esse crescimento seja mais visível apenas em 2018, “uma vez que serão implementados mais projetos no âmbito do novo programa de fundos europeus e que as condições de financiamento melhorem gradualmente”.

“Perdão fiscal” dá ajuda e défice fica nos 2,3%

Relativamente ao défice orçamental português, a Comissão Europeia estima que tenha descido para 2,3% do PIB em 2016, ficando abaixo da meta definida para o fim do processo de sanções, mas admite que só foi possível com o “perdão fiscal”.

“É expectável que o défice orçamental tenha representado 2,3% do PIB em 2016, ajudado por receitas extraordinárias”, afirma o relatório da CE.

Bruxelas salienta que a arrecadação de receita foi inferior ao orçamentado em 2016 e que isso foi “parcialmente compensado por receitas adicionais, que valeram 0,25% do PIB, através do Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES), e pela contenção de despesa”.

Mário Centeno, ministro das Finanças, repetiu, por mais do que uma vez, que o défice de 2016 “não seria superior a 2,3%”, abaixo dos 2,5% que tinham sido fixados pela CE em Maio do ano passado.

Turismo impulsiona números do emprego

Bruxelas destaca também que “a forte época turística apoiou a criação de postos de trabalho e os salários melhoraram”, mas alerta que, no entanto, o crescimento do emprego deve diminuir gradualmente, de 1,3% em 2016 para 0,6% em 2018.

A Comissão reviu ligeiramente em alta a taxa de desemprego em 2016 e 2017, esperando agora que representem 11,2% e 10,1%, quando em novembro antecipava que fossem 11,1% e 10%. Para 2018, melhora ligeiramente a previsão, de 9,5% para 9,4%.

Os números de Bruxelas são conhecidos na véspera de o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgar a estimativa rápida das contas nacionais trimestrais referente ao quarto trimestre do ano passado, apresentando também a evolução do PIB no conjunto de 2016.

O crescimento de 1,3% do PIB em 2016 significa que a economia abrandou face a 2015 (quando cresceu 1,5%), mas revela também uma melhoria face ao previsto pelo Governo para o ano passado no Orçamento do Estado de 2017, divulgado em outubro.

No documento, o executivo liderado por António Costa reviu em baixa a estimativa de crescimento económico para 2016, de 1,8% para 1,2%, e estima que a economia acelere ligeiramente para 1,5% em 2017.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

24 COMENTÁRIOS

    • As coisas estão a melhorar porque o governo anterior fez o que era necessário para arrumar o país. Agora vamos ver se o atual governo aproveita para não deitar tudo a perder.

      • Hahahaa!…
        Fez, fez… ficou tudo arrumadinho; por isso é que os problemas da banca estavam todos resolvidos – estava tudo “limpinho”!!
        Mas, a “grande arrumação” foi vender património publico ao desbarato, para depois vermos a dívida publica aumentar ainda mais!…

      • Fez? Foi uma sorte estes terem conseguido o perdão fiscal provocado pelo anterior governo que nem se dignou a ajudar. O que eles fizeram foi reformas que consistiu em cortar, cortar, pôr tudo na pobreza e aumentar a dívida. Acabaram com a classe média, enriquecendo uns e empobrecendo outros. Agora andam fulos, com uma dor de cotovelo terrível porque as coisas estão a dar certo e estão a ver cada vez mais distante a sua ida para o poleiro. Só não vê quem não quer!

        • Só não vê quem não se informa.
          Informem-se devidamente primeiro. Avançámos anos luz no direito laboral, na justiça (lembrem-se quem nomeou uma PGR verdadeiramente independente), recuperámos de um défice de 11% para um valor dentro dos limites estabelecidos pela UE, acabou-se com a treta do rendimento mínimo garantido que era fantástica para todas as mulheres-a-dias e biscateiros deste país que tiravam por aí mais um ordenado (fora o que não declaravam), acabámos com as autoestradas que não iam dar a lugar algum e que apenas se justificavam para encher os bolsos de todos os intervenientes nesses projetos, assim como os megaprojetos de aeroportos e tgv, deixámos cair bancos que viviam à mama do estado… enfim… acabou-se a bandalheira. Preferem viver no lodo? Continuem. Mas são cegos apenas por que querem.

      • Está corretíssimo Arnaldo! Infelizmente nem todos têm a sua lucidez.
        Esta gente nem faz ideia do que é ser rico em Portugal. Devem pensar que andam por aí muitos Belmiros e Amorins. Informem-se primeiro. O governo anterior cortou nos que tinham mais rendimentos. E em Portugal ter um salário de mais de 1.000 euros já o coloca nos 50% que ganham mais. Ganhem juízo.

    • Não, as coisas estão melhor (entenda-se para as contas do Estado, não para as contas da população), precisamente porque os impostos sobre os combustíveis e IMI aumentaram.
      Depois tb há as razões que não dependem do governo e que de resto o artigo refere, tal como o turismo (é rezar para que o governo não se intrometa, caso contrário já se sabe que o sucesso obtido até agora desaparece num ápice), e outras medidas pontuais, tal como o perdão fiscal. Por alguma razão o governo não quis indicar o valor do défice sem medidas extraordinárias…
      Depois ainda há a dívida publica, que cresce mais do que qualquer outra coisa em Portugal, e que alguém um dia terá de pagar… Enquanto não pagamos, vamos assobiando para o ar e dizendo: “que fixe, sinto-me mesmo bem, tenho os bolsos com mais dinheiro”…

      • E não foram apenas os impostos sobre combustíveis e IMI que aumentaram. Veja o peso das receitas fiscais angariadas pelo imposto sobre o tabaco.

        Mas o que eu não percebo é que a nossa economia está cada vez mais assente em atividades profissionais com níveis educacionais baixos (empregados de café, restaurantes, etc). E faltam pessoas para trabalhar nestas áreas e em muitas outras.
        No entanto, o Estado Português considera prioritárias como áreas de formação coisas completamente disparatadas atendendo à realidade do tecido empresarial nacional. Isto é um pouco como pensar assim: as áreas de formação consideradas prioritárias são aquelas que nós gostávamos que a nossa economia precisasse. Mas o que a economia necessita é uma outra coisa completamente diferente. Então, aposta-se na formação tendo em conta o horizonte que gostaríamos de atingir mas pelo meio essa gente vai ficar necessariamente desempregada. As pessoas vão viver de quê… enquanto não nos afirmarmos (se é que alguma vez o vamos fazer) como um centro de investigação e conhecimento com atividades empresariais baseadas na inovação? Só pode ser do ar. Como os políticos estão-se literalmente a c***** para isso quem sofre uma vez mais será o povo.

  1. A Comissão Europeia é a maior evidência da incompetência dos burocratas de Bruxelas. É conforme sopra o vento. Umas vezes está tudo mal e são precisas mais medidas; outras vezes contentam-se com o valor do défice e logo aceitam terem-se enganado, mesmo antes de estudarem as medidas pontuais e conjunturais que o governo tomou para alcançar esse valor.
    Costa, esperto como um alho, grita, esbraceja, e não aceita falar em mais nada para além do 2,3% de défice.
    Engana Bruxelas e Marcelo, mas não engana os Mercados (4%) nem as Agências de Rating (Lixo).
    Quando a oposição avisa o Parlamento dessa situação financeira e económica perigosa, Costa diz-lhes que estão a ser anti-patriotas porque a UE não pode saber disso ! É o Faz-de-conta e o País das Maravilhas.

  2. Neste momento de turbulência no mundo, a UE quer dar a entender que com a Europa está tudo bem e que países como Portugal e a Grécia (entre outros) já estão melhores porque estão a trabalhar de acordo com as “linhas de orientação” da UE.
    A verdade é que as contas estão tão marteladas e a publicidade é tão grande que até parece que esta tudo bem…
    Deixem passar as eleições da França e Alemanha… e vão ver o estado em que o pais está!
    Não me admirava nada que até estejamos pior do que se possa pensar.

  3. Os dados recentes, de Bruxelas, referentes a Portugal, são arrasadores para a coligação de interesses (exportadores/corruptos/parasitas) mas também para muitos que têm a memória curta e outros que tão pouco se dão ao trabalho de analisar com isenção as diferenças entre Los anteriores ocupantes do poder e os atuais. O governo findo em 2011, foi derrubado para que a Troika entrasse em Portugal para salvar a banca dos corruptos, metade do financiamento foi para abafar o crime cometido pelos banqueiros sobre os bancos, crime esse que os corruptos reduziram na frase: “andamos a viver acima das nossas possibilidades”, canalhice da escória que suga os recursos do País.

    • E esse comentário revela bem que o caro Bazuka nada tem para dizer sobre este assunto. As pseudo-elites no seu melhor. Vazias de pensamentos.

      • Meu caro, o “elitista, sulista e liberal” por si só, assenta-lhe que nem uma luva, pois percebe-se que por ser “elitista, sulista e liberal” não gosta que um governo mais “popular”, um governo de esquerda, tradicionalmente mais preocupado com as questões sociais, apresente resultados. Como dizia o outro ” temos pena”.
        Como é “elitista” certamente refere-se a si próprio quando diz “pseudo-elites”.
        Por fim, se o meu comentário, embora “seco”, que parece não dizer nada, diz e muito, para quem tenha a capacidade de o perceber, obviamente, o do meu caro “elitista” é que não diz absolutamente nada.
        Já agora, faça um pequeno esforço, esqueça a simpatia partidária e congratule-se com estes resultados que, embora não sejam brilhantes, são reveladores de que houve uma melhoria. Faça isso meu amigo “elitista”, pois o país não é de nenhum partido, o país é de todos nós.

          • Meu caro, agora que passou a popularucho, talvez perceba melhor o que escrevi, quanto ao nortista, pois, é portugal tal como centro ou sul, por fim, centralizador, ui, ui, tem muito que se lhe diga, pois centralização é má, então que dizer da descentralização, sabendo como sabemos, que as autarquias são do mais podre que há em materia de clientelismo, criação de divida e corrupção.
            Percebi a sua ironia e sarcasmo na mudança de nick mas, meu caro, também isso expõe a sua opção.
            Pense, pense muito, pois uma sociedade faz-se com todos mas sobretudo, para todos. Durma bem meu caro!

  4. Pois é evidente que as coisas vão bem, por um lado encontraram a casa arrumadinha à custa do sacrifício imposto aos portugueses e que o anterior governo herdou e teve de aplicar, depois ao contrário do paraíso que prometeram deram algumas migalhas e sobrecarregaram de novo o povo com aumento de impostos e novos impostos arranjando assim receitas para cobrir aquilo de que eles agora fazem bandeira de falsa melhoria de nível de vida, por outro lado ainda têm agora o pessoal em Bruxelas sob a anestesia de um Brexit, de uma vitória de Trump e de largos avanços de partidos de extrema-direita na Europa a chegar à linha da frente, convém agora por lá falar mais baixinho para não empolar a situação e não espantar a caça.

  5. É revelador do povo que temos.
    Por mais sectário e fanático que se possa ser por algo, os indicadores oficiais, e por isso “minimamente” credíveis, apontam algumas melhorias em diversos parâmetros económicos, financeiros e sociais do país. Penso que deveriam ser motivo de satisfação (moderada obviamente) de todos os PORTUGUESES.

    • Então o senhor não percebe que estes ainda estão a beneficiar do trabalho dos outros?! Para Zorro deveria ser mais perspicaz. Os outros arrumaram a casa e estes aproveitaram-se disso. Não se esqueça que os outros entraram com um défice em 11% e saíram abaixo de 3%. Qual é a parte disto que o senhor não percebe?

      • Tenho impressão que está a fazer uma pequena confusão.
        Objectivamente, parece-me que o senhor está a ver a questão numa perspectiva partidária, ora o que eu critiquei foi exatamente isso neste povo. Para mim, como Português, interessa-me que o meu país se desenvolva, se é a esquerda ou direita a fazê-lo pouco me interessa, agora o que é mesmo indesmentível são os dados oficiais, tanto internos como externos. Acho que, se é perspicaz e português, concordará comigo e devia, tal como eu, estar , só um pouco pelo menos, satisfeito.
        Vendo então pela sua perspectiva, que é partidária. Já percebi que o caro Perspicaz se esqueceu de referir algumas coisas, entre elas a sua convicção na chamada “saída limpa”. Acha mesmo que houve “saída limpa? É muito claro que não houve e, por isso, os 3% foram treta, pois, para mascarar as continhas, adiaram a resolução de problemas como Banif e outros. Some-lhe a isto a venda de certas empresas do Estado ao estilo malabarista. No fim de 4 anos a aplicar forte e desigual austeridade, o resultado ser mais divida e mais desigualdade, não me parece ser nada satisfatório.
        Portanto dizer que outros “arrumaram” a casa está muito, mas mesmo muito, longe de ser verdade.

        • Acredite que estou longe de ser partidário de qualquer clube de tachos. E se tenho ideais de direita é porque acredito neles. Se me pergunta se a saída foi limpa, respondo-lhe já que não. Mas acredito que muito do que foi feito, foi no sentido correto e que sinto que o país avançou muito para poder ter condições objetivas de atrair investimento externo. Para isso era fundamental uma revolução na lei do trabalho como o anterior governo fez. Era necessário igualmente reduzir a fiscalidade sobre as empresas (e o anterior governo não o fez mas tinha-o previsto para o futuro). Era necessário reduzir as megalomanias do estado de modo a reduzir o nível de fiscalidade sobre pessoas e empresas e isso fê-lo e bem. Era preciso pôr a justiça a funcionar (lembre-se quem nomeou a atual procuradora geral de república), quando poderia ter optado por outras soluções de continuidade (isto é que olhariam para o lado e deixariam prosseguir a bandalheira que ia no país), adotaram instrumentos rápidos de licenciamento como não havia (tem ideia de quantos anos chegavam a demorar alguns processos de licenciamento em Portugal?),… Não defendo o Passos, o Portas nem a coitadinha da Cristas. Acredite que não! Nem tão pouco fui votar neles nem em qualquer outro. Mas reconheço que, na minha opinião o saldo da governação é muito positivo. Pessoalmente acho que foi um passo de gigante na direção certa.
          Quanto a este governo, também lhe digo que o António Costa saiu melhor do que esperava, sobretudo atendendo ao facto de estar apoiado em quem está. Mas sinto que nalgumas matérias o desastre é total (CGD, Lei laboral; concertação social,…). Mas admito que o saldo que faço até ao momento não é propriamente negativo.
          Agora que no governo anterior se andaram 20 ou 30 anos para a frente face à situação em que nos encontrávamos em muitas matérias, meu caro, não tenha dúvidas. E se não o sente é porque nunca investiu neste país nem criou postos de trabalho.

RESPONDER

Descoberto fóssil de macaco que viveu há 4,2 milhões de anos no Quénia

Uma equipa internacional de investigadores descobriu restos fósseis de um pequeno macaco que viveu no Quénia há 4,2 milhões de anos. Os responsáveis pela investigação, que será publicada na revista Journal of Human Evolution, são cientistas …

Air France acusada de negligência no desastre do voo Rio de Janeiro-Paris

A justiça francesa acusou a Air France de negligência, na sequência da investigação ao acidente aéreo do voo Rio de Janeiro-Paris, que causou 228 mortos em 2009, confirmou esta quarta-feira a AFP. O Ministério Público considerou …

Governo "está preparado” para eventual greve dos camionistas

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, disse esta quarta-feira que “não perdeu as esperanças no esforço de conversação” com os representantes dos camionistas, mas garantiu que “o Governo está preparado para o que vier …

Carga misteriosa e contradições nos passageiros. Revelados novos dados sobre o MH370

A França é o único país que continua a investigar o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines em Março de 2014. E emergem novos dados sobre o que apuraram os magistrados envolvidos no caso, …

Foi avistada uma alforreca gigante no Reino Unido

A alforreca gigante, a maior alguma vez encontrada em águas britânicas, foi avistada na Cornualha, no Reino Unido, no sábado, por uma bióloga e repórter da BBC. Segundo o Washington Post, a criatura foi avistada, no …

Montepio condenado a ressarcir cliente que culpou de ataque informático

O Tribunal da Relação de Guimarães condenou o banco Montepio a pagar a uma cliente de Barcelos os 28.596 euros que em quatro dias foram retirados da sua conta, na sequência de ataque informático. Por acórdão …

Crew Dragon. Já se sabe o que causou a misteriosa explosão da nave da SpaceX

A NASA e a SpaceX explicaram, finalmente, o motivo da explosão da nave espacial Crew Dragon. Apesar de terem sido divulgadas imagens da explosão, nenhuma das agências explicou as razões do desastre. As imagens da nave …

Turistas britânicos encorajados a afixar cartazes de Maddie durante as férias

Turistas britânicos com viagens marcadas para o estrangeiro estão a ser encorajados a levar cartazes de Madeleine McCann pela campanha oficial lançada pelos pais para encontrar a criança inglesa desaparecida em Portugal em 2007. “Vai de …

Crianças preferem ser YouTubers do que astronautas

A maioria das crianças entrevistadas prefere mais ser YouTuber do que ser astronauta. De uma lista de cinco profissões, a de cosmonauta foi a menos escolhida entre crianças americanas e britânicas. Há 50 anos, a ida …

Estamos a perder 10 piscinas olímpicas por hora. Setor da água precisa de 4 mil milhões de investimento

A AEPSA, que junta os concessionários privados que distribuem água canalizada a 20% da população portuguesa, quer estabilidade regulatória e legislativa, nomeadamente com a alteração do regime de gestão das empresas municipais. O presidente da AEPSA, …