/

Bloco recusa Ana Gomes (e não desiste de Marisa Matias)

José Sena Goulão / Lusa

Ana Gomes admitiu refletir sobre uma potencial candidatura à Presidência da República depois de António Costa ter declarado apoio a uma recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa. O Bloco vai debater a corrida presidencial, mas Marisa Matias continua a ser o nome apontado para uma candidatura própria.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A ex-eurodepurada socialista Ana Gomes admitiu refletir sobre uma candidatura à Presidência da República depois de, na semana passada, António Costa ter feito alusão à eventual recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa.

Ana Gomes não gostou, mas não foi a única. Manuel Alegre não gostou de ouvir Costa sobre recandidatura de Marcelo porque é preciso respeitar as regras dentro do partido.

Já Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, disse que o Bloco apresentará “no seu tempo” a “sua candidatura” à Presidência da República, considerando ainda que e o PS “anda muito agitado” com este tema.

De acordo com o semanário Expresso, o Bloco não quer abdicar de ter uma candidatura própria na corrida a Belém, mesmo que isso signifique ir contra uma candidatura de Ana Gomes.

Segundo o Expresso, o nome dado como certo nas fileiras bloquistas é sempre o mesmo: o da eurodeputada Marisa Matias. A dirigente, que foi candidata na corrida há quatro anos, continua em silêncio sobre o assunto.

Há vários fatores a considerar. Uma recandidatura de Marisa Matias passa pelo teste à sua popularidade. Um mau resultado pode comprometer a possibilidade de, um dia, suceder a Catarina Martins na liderança do Bloco. Além disso, concorrer contra André Ventura pode resulatr num resultado mais fraco, que pode ferir o percurso da eurodeputada.

Esta sexta-feira, fonte bloquista garantiu à agência Lusa que “o Bloco debaterá a candidatura presidencial ainda antes do final do verão”.

O PCP assegurou apenas que terá “intervenção” nas presidenciais deste ano.

Já o Livre reconhece “pontos em comum” com a socialista Ana Gomes, como o europeísmo e a defesa dos direitos humanos, apesar de ainda não ter uma decisão tomada sobre as presidenciais, aguardando o anúncio dos candidatos.

PUBLICIDADE

  ZAP // Lusa

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.