Autarca de Pedrógão quer saber para onde foi o dinheiro dos donativos

Miguel A. Lopes / Lusa

O presidente da Câmara Municipal de Pedrógão Grande, Valdemar Alves (D), com a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, e o primeiro-ministro António Costa

Os três presidentes das Câmaras Municipais de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos desconfiam que os donativos feitos às vítimas dos incêndios em junho podem ter sido desviados.

O Presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, quer que o Ministério Público investigue para onde foi o dinheiro de várias contas abertas por empresas para ajudar os afetados pelo incêndio.

Em declarações à TSF, Valdemar Alves falou em falta de transparência no processo e pediu aos autarcas de Castanheira de Pera e de Figueiró dos Vinhos que façam o mesmo.

Há ainda receios de desvio de donativos de contas abertas no estrangeiro por parte de emigrantes. “Essas são difíceis de controlar” , diz o autarca, sublinhando que as entidades portuguesas não têm qualquer informação sobre o rasto destas verbas.

“Há empresas públicas e particulares que abriram contas em nome dos incêndios de 2017 Pedrógão Grande e nós continuamos sem saber o destino dos valores depositados. Eu desafio os meus colegas de Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos para participarmos e informarmos o Ministério Público desta situação”, disse Valdemar Alves, presidente da Câmara de Pedrógão Grande.

O autarca de Pedrógão conta ainda que há pessoas a receber subsídios em duplicado. “Há um mau estar neste momento em Castanheira de Pera. Uma das ONGs não deu conhecimento ao senhor Presidente da Câmara que iria distribuir alguns subsídios às pessoas prejudicadas na agricultura. Há pessoas que já estão a receber e outras que vão começar a receber da parte do Estado e da Segurança Social mais subsídios”.

Além do pedido ao Ministério Público, os três autarcas vão reunir-se esta terça-feira para decidir sobre outras medidas que possam vir a tomar de forma a esclarecer se houve, ou não, desvios.

Valdemar Alves defende que “todos os fundos deviam ter ido para o Revita“. Para o autarca, “devia ter sido o Estado o protetor das verbas e devia ter feito a respetiva distribuição”.

Quando o fundo foi criado, o governo explicou que, sendo estes donativos privados, “ninguém pode ser obrigado a pôr o dinheiro” no Revita. Com os vários fundos é impossível saber, porém, o valor final arrecadado. Em julho avançou-se com um valor de 13 milhões, mas o autarca de Pedrógão diz que o total não chegou a ser apurado de forma oficial.

Já em agosto, o PSD tinha exigido saber o valor exato dos donativos. A 17 desse mês, pela ocasião da data que marca os dois meses desde o incêndio que matou 64 pessoas, Teresa Morais, vice presidente do PSD, deu ao Governo 30 dias para responder, “mas a verdade é que da última vez não respondeu. A pergunta sobre a quantia exata do valor dos donativos foi feita uma primeira vez a 13 de Julho e não foi respondida até hoje”, criticou.

ZAP //

PARTILHAR

18 COMENTÁRIOS

  1. Pois, eu quero saber para onde vai o dinheiro que os portugueses pagam em impostos.
    É que, para a generalidade dos portugueses, fica a ideia de que se dá mais ao estado do que aquilo que se recebe!

  2. Sim é importante saber o que se passa com os dinheiros depositados nas diversas conta de solidariedade?
    contribui com pouco, pois sou pobre, mesmo assim esse dinheiro é para auxiliar as pessoas que perderam todos os seus bens, também fiz telefonemas no mesmo sentido.. será que é tão difícil saber quanto existe em cada conta, as telefónicas já facturaram aos clientes, quando dão a conhecer o valor da solidariedade, era tudo um engano, os publicitários também estavam a enganar o público.
    Por favor é preciso dar respostas e já estão muito atrasadas.

  3. Toda a vida foi assim
    Haverá sempre quem se aproveita da desgraça dos outros, deveriam se lembrar que ninguém é feliz em cima da infelicidade dos outros.

  4. e nisto que os esquerdas sao especialista: em desviar o que nao e deles! uma verdadeira vergonha nacional. e os comunistas calados que nem ratos de esgoto!

  5. Pois, e nota-se bem qual é a tua especialidade: ignorância e estupidez!!
    Se não andasses dormir (e se lesses a noticia!!) saberias que o governo apenas controla um fundo (o Revita) e, tal como defende o presidente de Pedrogão (e eu!), todos os donativos deveriam ter ido para esse fundo (e não para a Santa Casa, Bancos, Seguradoras, etc)!!
    Mas, cada um deu para o fundo que lhe apareceu e agora é difícil controlar todos os fundos e movimentos dos mesmos!
    Devia estar tudo junto na mão do estado (autarquias afectadas), mas, com fundos nas mãos de privados, ONG’s, etc, é quase impossível saber sequer o valor total dos donativos – quanto mais controlar a sua distribuição!

  6. Pronto, com isto está tudo dito. Pela voz do nosso Presidente da Républica, viemos a saber que brevemente irá ser explicado aos portugueses, quem gere o quê! O que significa que o português, é sempre o ultimo a saber, e quando sabe, regra geral é tarde. É um velho ditado o que diz que quem parte e reparte, e fica com a menor parte, ou é tolo ou não tem arte. Porêm os portugueses não são tolos. Desconhecem apenas os meandros das instituições.
    NOVA ORDEM MUNDIAL, É PRECISO URGENTE.

  7. Os tachos ja não são suficientes agora também vão buscar os fundos dos tachos.
    Estes donativos tomaram o mesmo caminho dos lucros feitos com os fogos.

  8. Sobre esse assunto da Piramide.lembro que foi feito um relatório final,publicado em larga escala em toda a Comunicação Social e que o Ministério da Tutela fez pormenorizado exame à actuação dos internevientes respectivos.Como não se lembra ou fala de cor é melhor estar calado,senhor VO

  9. Lembro -me bem da operacao piramid ,porque ajudei nesse pedotorio e nao correu nada bem, Logo comecei a ver como as instituicoes ,chamadas de,BEM FAZER, OPERAM NO TERRENO MUITOS DOS DONATIV9S RECEBIDOS DESAPARECERAM ,SEM RASTO!…

RESPONDER

Tatuagens racistas, saias curtas, cabelos e bigodes estranhos proibidos na PSP

Os polícias que tenham tatuagens com símbolos, palavras ou desenhos de natureza partidária, extremista, racista ou que incentivem à violência têm seis meses para as remover, de acordo com novas normas da PSP que também …

Republicação das caricaturas de Maomé foi o motivo do ataque junto ao Charlie Hebdo

A republicação das caricaturas de Maomé terá estado na origem do ataque junto ao edifício da antiga redação do jornal satírico Charlie Hebdo, confessou o principal suspeito. Quatro pessoas foram esta sexta-feira feridas, duas das quais …

Segunda vaga pode matar menos (mesmo com novos casos a disparar)

Os especialistas acreditam que a segunda vaga de covid-19 em Portugal vai ser menos letal, embora o número de novos casos diários possa vir a ser "muito elevado". Isto porque temos a lição mais bem …

BCP disponível para fusão com o Montepio

Na eventualidade de ser necessária uma intervenção, o Millennium BCP mostrou-se disponível para uma fusão com o Banco Montepio. Esta hipótese foi apresentada pela instituição bancária numa reunião com o ministro das Finanças, João Leão. O …

Otamendi mais 55 milhões. O negócio que pode levar Rúben Dias para o City

Rúben Dias está muito próximo de reforçar o Manchester City. O clube inglês oferece 55 milhões de euros mais Nicolás Otamendi em troca. A oficialização do acordo deve estar para breve. O Manchester City está muito …

Líbano: Após um mês no cargo, primeiro-ministro demite-se perante impasse político

O primeiro-ministro designado do Líbano, Mustapha Adib, demitiu-se este sábado do cargo numa altura de impasse político sobre a formação de Governo, um mês depois de ter sido nomeado e da violenta explosão no porto …

Governo joga últimos trunfos à esquerda (mas "na 25.ª hora pode ser PSD a salvá-lo" e esse é outro problema)

A duas semanas do fim do prazo para entregar o Orçamento de Estado para 2021 (OE2021), o Governo ainda não tem garantias de aprovação do documento. E enquanto Marcelo pressiona o PSD para "salvar" o …

-

Governo aponta para regresso progressivo de público aos estádios

O regresso de público aos estádios de futebol continua proibido, devido à pandemia de Covid-19, com o secretário de Estado da Juventude e Desporto a admitir esta sexta-feira a possibilidade de um retorno faseado quando …

Há escolas sem intervalos ao ar livre devido à covid-19

Há escolas que estão a proibir os alunos de passarem os intervalos ao ar livre por receio de contágio do novo coronavírus. O pediatra Hugo Rodrigues considera que "é um perfeito disparate". Como tal, os estudantes …

"Aumentar o salário mínimo é criminoso", diz presidente do Fórum para a Competitividade

Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum para a Competitividade, antecipa uma onda de desemprego até ao final do ano, que muitas empresas não conseguirão manter a atividade e que aumentar o salário mínimo "é …