Salário mínimo. Rio fala em “demagogia”, Jerónimo exige que Governo cumpra acordo

PSD / Flickr

O presidente do PSD, Rui Rio

O líder social-democrata considera que é “demagogia” querer aumentar o salário mínimo nacional. Já o secretário-geral do PCP diz que o Governo se prepara para não cumprir o valor do aumento do salário mínimo que tinha anunciado e que tal é “mau sinal”.

O presidente do PSD, Rui Rio, reafirmou esta quinta-feira é demagogia querer aumentar o salário mínimo nacional no atual contexto da economia, fragilizada pela pandemia de covid-19.

O país não precisa que eu faça demagogia, para isso estão cá outros. O que pretendo é defender ao máximo o emprego e os salários. E se vamos para lá das possibilidades que temos, estamos a criar mais falências, mais desemprego e mais infelicidade às pessoas, à custa de uma demagogia na qual não entro”, afirmou, em Faro, á margem de uma visita à Universidade do Algarve.

Rui Rio defendeu saber que “viver com 635 euros é pouco”, mas sublinhou que “viver com 400, 500 ou estar no desemprego é muito pior”, reforçando a ideia de que “infelizmente, tendo em conta o que se passou no país”, é necessário “ter os pés assentes na terra”.

O líder social-democrata sustentou que “é preciso defender todos, particularmente, os mais desfavorecidos”, o que significa “defender o emprego” e evitar que as empresas “fechem em catadupa”. “Criar mais custos às empresas quando elas quase não têm receita não me parece a melhor via”, frisou Rio, depois de na quarta-feira ter criticado, na Assembleia da República, a intenção do PS em aumentar o salário mínimo nacional.

Na sequência dessa crítica, na abertura do debate temático sobre o Plano de Recuperação e Resiliência, o primeiro-ministro afirmou-se perplexo, defendendo que as empresas do futuro não são as empresas dos baixos salários.

Questionado pelos jornalistas sobre a alteração da sua posição sobre o aumento do SMN, Rui Rio notou que o defendia “quando a taxa de desemprego era baixíssima” e a “economia estava a crescer”, sendo na altura possível “pressionar os salários para cima”, mesmo aumentando a taxa de desemprego em “0,5% ou 1%”.

“Outra coisa completamente diferente é termos uma taxa de desemprego muito alta e que está a subir e a economia que levou um tombo como não há numa memória recente. Se, em cima disto, com as empresas que pouco vendem e nem sempre recebem pela crise das outras empresas, estamos a acelerar os custos dessas empresas, é gravíssimo. Não podemos comparar o que não é comparável” concluiu.

Será “mau sinal” se Governo “rasgar” acordo, avisa PCP

O PCP avisou esta quinta-feira o primeiro-ministro que seria um “mau sinal” se o Governo “rasgar” o compromisso de aumento do salário mínimo e pediu aos trabalhadores que saiam à rua para as manifestações de sábado da CGTP.

O aviso foi deixado pelo líder comunista, Jerónimo de Sousa, no final de uma sessão com militantes do PCP e dirigentes da CGTP na sede do Centro Vitória, em Lisboa, sobre a defesa dos direitos dos trabalhadores e do aumento dos salários, em que fez um apelo direto aos trabalhadores para que participem na jornada de luta da central, no sábado, em vários locais do país.

“O Governo prepara-se, pelo menos dá a entender, que não vai cumprir o valor do aumento do salário mínimo nacional que tinha anunciado. Isto constitui um mau sinal”, afirmou Jerónimo de Sousa, numa reunião que que os participantes, cerca de 20, respeitavam o distanciamento determinado pelas regras quanto à pandemia de covid-19.

O primeiro-ministro não o disse, anotou o líder comunista, e fez “o truque” no debate de quarta-feira no parlamento, em que o PSD apareceu como “mau da fita” a recusar o aumento do salário mínimo para depois o Governo do vir dizer que vai aumentar, mas sem dizer quanto.

Jerónimo já antecipa que será menos do que o anteriormente previsto porque “não pode ser mais”, face à crise causada pela pandemia. “À cautela”, acrescentou, “é melhor não esperar sentado” para “ver o próximo episódio” deste filme, e pediu “aos trabalhadores” que fiquem “atentos” e “dispostos para a luta”, como pede para ser feito no sábado, na jornada da CGTP.

Depois, usou um argumento político e ideológico, na lógica da “luta de classes”, entre os trabalhadores e os “patrões”, no caso o Governo. “Eles não nos dão nada. É dos livros, é da história, é da luta de classes: eles nunca nos deram nada, fomos sempre nós que conquistamos”, disse.

“Oportunismo inaceitável”

Esta quinta-feira à noite, no habitual espaço de comentário na TVI24, Manuela Ferreira Leite disse que, na sua ótica, o eventual aumento do salário mínimo seria uma “contradição“, lembrando o atual contexto de recessão da economia, “que será mais profunda e mais prolongada” do que inicialmente se possa ter pensado.

“Tomar uma medida que tem um peso muito grande nos orçamentos das pequenas e médias empresas”, quando por causa deste momento de crise e “imprevisibilidade” lhes estão a ser concedidos apoios para que consigam “suportar os custos do dia a dia”, seria contraditório, disse a comentadora, citada pelo Expresso.

Ferreira Leite manifestou ainda a sua perplexidade com o facto de António Costa ter dito que foi o aumento dos salários que levou ao crescimento do país, “quando este aconteceu pelo facto de a Europa estar a crescer e ter sido possível aumentar as nossas exportações e por causa do boom turístico”.

“Quando os salários mínimos serviram para baixar as estatísticas do desemprego, não fez mal”, afirmou ainda a comentadora, que considerou estarmos perante um “oportunismo inaceitável”.

“Só pode ter um significado: tentar obter a aprovação do Orçamento pela esquerda”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Há economistas que não sabem fazer contas. Se levarmos em conta que as despesas com salários representam 20% dos custos totais de uma empresa, e que, no total, os salários mínimos representam cerca de 50% da massa salarial total, um aumento de 10% no salário mínimo traduz-se num aumento de apenas 1% nos custos totais da empresa. É isso que põe em risco a sobrevivência da empresa?… Ele há cada um!…

    • O que diz não é real. Em muitas empresas o custo com o trabalho (salários+impostos+contribuições+outros encargos) ascende a valores bem superiores.
      Provavelmente estar-se-á a referir a empresas grossistas, retalhistas… Em empresas industriais, de mão-de-obra intensiva (como há muitas em Portugal), os encargos com o trabalho vão muito para além dos 20% que refere. Muito mais. O mesmo se passa em empresas de serviços (veja por exemplo os call centers).

    • Salários representam 20% dos custos totais de uma empresa?? Não sei onde foi buscar essa informação, mas garanto-lhe que está muito longe da realidade portuguesa, principalmente para as grande maioria das empresas, as micro e PME.

  2. E só fazer as contas, como dizia o outro.
    E a empresa consegue crescer apenas esse 1%, que seja?!
    Ah! Pois é.
    Dá-se tudo a todos. Igualzinho ao Pinóquio! E depois veremos….

Petição de Cristina Ferreira contra cyberbullying já reúne mais de 37 mil assinaturas

Cristina Ferreira lançou este sábado (28) uma petição contra o ódio e a agressão na internet que já conta com mais de 37 mil assinaturas. O objetivo é levar este tema à Assembleia da República. Cristina …

Uma das praias mais famosas da Austrália está a desaparecer (e desta vez a culpa não é das tempestades)

https://vimeo.com/444063224 Normalmente, as tempestades ou os ciclones tropicais são os culpados do desaparecimento de grande parte das praias. Contudo, na costa norte de New South Wales em Byron Bay, na Austrália, a causa é outra. Nos últimos …

Prisão preventiva para hacker português suspeito de invadir sistema do tribunal eleitoral do Brasil

O hacker suspeito de invadir o sistema informático do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do Brasil, detido no sábado em Portugal, ficou esta segunda-feira em prisão preventiva, disse à agência Lusa fonte ligada ao processo. A PJ, …

Chefe do Governo Hong Kong revela ter "pilhas de dinheiro" em casa por causa das sanções norte-americanas

A chefe do Governo de Hong Kong, Carrie Lam, revelou esta semana ter "pilhas de dinheiro" em casa por causa das sanções norte-americanas. Em declarações à International Business Channel, a líder do Executivo de Hong Kong …

António Mexia e Manso Neto vão deixar gestão da EDP

Os presidentes executivos da EDP e da EDP Renováveis, António Mexia e Manso Neto, ambos suspensos de funções, manifestaram-se indisponíveis para voltar a integrar os órgãos sociais do grupo num novo mandato. Em comunicado à Comissão …

João Ferreira desafia Marcelo a assumir candidatura "o quanto antes"

  João Ferreira, candidato comunista às presidenciais, acredita, como os "todos" os portugueses, que Marcelo Rebelo de Sousa será recandidato, mas desafiou-o esta segunda-feira a dizê-lo "quanto antes", por "uma questão de transparência". “Já todos perceberam o …

Irão. Líder Supremo pede punição pela morte de cientista que liderou programa nuclear

O líder supremo do Irão, o Ayatollah Ali Khamenei, exigiu no sábado punição pela morte do cientista Mohsen Fakhrizadeh, que liderou o programa nuclear de Teerão, enquanto a República Islâmica culpa Israel pelo assassinato. Israel, há muito …

Portugal é o país da UE mais próximo de atingir metas climáticas para 2030

Portugal é o país da União Europeia (UE) mais perto de atingir as suas metas climáticas de redução de emissões até 2030, relativamente aos níveis de 2005, segundo um relatório esta segunda-feira publicado pela Comissão …

Novos casos aumentam mais de 50% em oito concelhos do Norte

O número de novos casos de infeção no Norte aumentou mais de 50% em oito concelhos da região, seis dos quais no distrito de Vila Real e dois em Bragança, segundo o relatório da Administração …

União Europeia convida Joe Biden para cimeira presencial durante presidência portuguesa em 2021

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, convidou o Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, para uma cimeira presencial no primeiro semestre de 2021, durante a presidência portuguesa da União Europeia. Fontes europeias informaram que …