Salário mínimo. Rio fala em “demagogia”, Jerónimo exige que Governo cumpra acordo

PSD / Flickr

O presidente do PSD, Rui Rio

O líder social-democrata considera que é “demagogia” querer aumentar o salário mínimo nacional. Já o secretário-geral do PCP diz que o Governo se prepara para não cumprir o valor do aumento do salário mínimo que tinha anunciado e que tal é “mau sinal”.

O presidente do PSD, Rui Rio, reafirmou esta quinta-feira é demagogia querer aumentar o salário mínimo nacional no atual contexto da economia, fragilizada pela pandemia de covid-19.

O país não precisa que eu faça demagogia, para isso estão cá outros. O que pretendo é defender ao máximo o emprego e os salários. E se vamos para lá das possibilidades que temos, estamos a criar mais falências, mais desemprego e mais infelicidade às pessoas, à custa de uma demagogia na qual não entro”, afirmou, em Faro, á margem de uma visita à Universidade do Algarve.

Rui Rio defendeu saber que “viver com 635 euros é pouco”, mas sublinhou que “viver com 400, 500 ou estar no desemprego é muito pior”, reforçando a ideia de que “infelizmente, tendo em conta o que se passou no país”, é necessário “ter os pés assentes na terra”.

O líder social-democrata sustentou que “é preciso defender todos, particularmente, os mais desfavorecidos”, o que significa “defender o emprego” e evitar que as empresas “fechem em catadupa”. “Criar mais custos às empresas quando elas quase não têm receita não me parece a melhor via”, frisou Rio, depois de na quarta-feira ter criticado, na Assembleia da República, a intenção do PS em aumentar o salário mínimo nacional.

Na sequência dessa crítica, na abertura do debate temático sobre o Plano de Recuperação e Resiliência, o primeiro-ministro afirmou-se perplexo, defendendo que as empresas do futuro não são as empresas dos baixos salários.

Questionado pelos jornalistas sobre a alteração da sua posição sobre o aumento do SMN, Rui Rio notou que o defendia “quando a taxa de desemprego era baixíssima” e a “economia estava a crescer”, sendo na altura possível “pressionar os salários para cima”, mesmo aumentando a taxa de desemprego em “0,5% ou 1%”.

“Outra coisa completamente diferente é termos uma taxa de desemprego muito alta e que está a subir e a economia que levou um tombo como não há numa memória recente. Se, em cima disto, com as empresas que pouco vendem e nem sempre recebem pela crise das outras empresas, estamos a acelerar os custos dessas empresas, é gravíssimo. Não podemos comparar o que não é comparável” concluiu.

Será “mau sinal” se Governo “rasgar” acordo, avisa PCP

O PCP avisou esta quinta-feira o primeiro-ministro que seria um “mau sinal” se o Governo “rasgar” o compromisso de aumento do salário mínimo e pediu aos trabalhadores que saiam à rua para as manifestações de sábado da CGTP.

O aviso foi deixado pelo líder comunista, Jerónimo de Sousa, no final de uma sessão com militantes do PCP e dirigentes da CGTP na sede do Centro Vitória, em Lisboa, sobre a defesa dos direitos dos trabalhadores e do aumento dos salários, em que fez um apelo direto aos trabalhadores para que participem na jornada de luta da central, no sábado, em vários locais do país.

“O Governo prepara-se, pelo menos dá a entender, que não vai cumprir o valor do aumento do salário mínimo nacional que tinha anunciado. Isto constitui um mau sinal”, afirmou Jerónimo de Sousa, numa reunião que que os participantes, cerca de 20, respeitavam o distanciamento determinado pelas regras quanto à pandemia de covid-19.

O primeiro-ministro não o disse, anotou o líder comunista, e fez “o truque” no debate de quarta-feira no parlamento, em que o PSD apareceu como “mau da fita” a recusar o aumento do salário mínimo para depois o Governo do vir dizer que vai aumentar, mas sem dizer quanto.

Jerónimo já antecipa que será menos do que o anteriormente previsto porque “não pode ser mais”, face à crise causada pela pandemia. “À cautela”, acrescentou, “é melhor não esperar sentado” para “ver o próximo episódio” deste filme, e pediu “aos trabalhadores” que fiquem “atentos” e “dispostos para a luta”, como pede para ser feito no sábado, na jornada da CGTP.

Depois, usou um argumento político e ideológico, na lógica da “luta de classes”, entre os trabalhadores e os “patrões”, no caso o Governo. “Eles não nos dão nada. É dos livros, é da história, é da luta de classes: eles nunca nos deram nada, fomos sempre nós que conquistamos”, disse.

“Oportunismo inaceitável”

Esta quinta-feira à noite, no habitual espaço de comentário na TVI24, Manuela Ferreira Leite disse que, na sua ótica, o eventual aumento do salário mínimo seria uma “contradição“, lembrando o atual contexto de recessão da economia, “que será mais profunda e mais prolongada” do que inicialmente se possa ter pensado.

“Tomar uma medida que tem um peso muito grande nos orçamentos das pequenas e médias empresas”, quando por causa deste momento de crise e “imprevisibilidade” lhes estão a ser concedidos apoios para que consigam “suportar os custos do dia a dia”, seria contraditório, disse a comentadora, citada pelo Expresso.

Ferreira Leite manifestou ainda a sua perplexidade com o facto de António Costa ter dito que foi o aumento dos salários que levou ao crescimento do país, “quando este aconteceu pelo facto de a Europa estar a crescer e ter sido possível aumentar as nossas exportações e por causa do boom turístico”.

“Quando os salários mínimos serviram para baixar as estatísticas do desemprego, não fez mal”, afirmou ainda a comentadora, que considerou estarmos perante um “oportunismo inaceitável”.

“Só pode ter um significado: tentar obter a aprovação do Orçamento pela esquerda”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Há economistas que não sabem fazer contas. Se levarmos em conta que as despesas com salários representam 20% dos custos totais de uma empresa, e que, no total, os salários mínimos representam cerca de 50% da massa salarial total, um aumento de 10% no salário mínimo traduz-se num aumento de apenas 1% nos custos totais da empresa. É isso que põe em risco a sobrevivência da empresa?… Ele há cada um!…

    • O que diz não é real. Em muitas empresas o custo com o trabalho (salários+impostos+contribuições+outros encargos) ascende a valores bem superiores.
      Provavelmente estar-se-á a referir a empresas grossistas, retalhistas… Em empresas industriais, de mão-de-obra intensiva (como há muitas em Portugal), os encargos com o trabalho vão muito para além dos 20% que refere. Muito mais. O mesmo se passa em empresas de serviços (veja por exemplo os call centers).

    • Salários representam 20% dos custos totais de uma empresa?? Não sei onde foi buscar essa informação, mas garanto-lhe que está muito longe da realidade portuguesa, principalmente para as grande maioria das empresas, as micro e PME.

  2. E só fazer as contas, como dizia o outro.
    E a empresa consegue crescer apenas esse 1%, que seja?!
    Ah! Pois é.
    Dá-se tudo a todos. Igualzinho ao Pinóquio! E depois veremos….

RESPONDER

Ir à escola, viajar e assistir a espetáculos. As exceções à proibição de circulação entre concelhos

No final do último Conselho de Ministros, na semana passada, o Governo anunciou a proibição de circulação entre concelhos entre as 0h de 30 de outubro e as 6h de 3 de novembro, englobando o …

País Basco em confinamento, Bélgica quer transferir doentes para os Países Baixos e França "perdeu o controlo"

Numa altura em que a Europa volta a ser epicentro da pandemia de covid-19, o País Basco decretou o confinamento da população e França considera impor a mesma medida. Com falta de camas, Bélgica pediu …

"Dia histórico". Senado confirma nomeação de Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos EUA

O Senado norte-americano confirmou segunda-feira à noite a juíza Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos, o que representa uma vitória política para o Presidente Donald Trump a poucos dias das eleições …

Os olhos das corujas podem ter uma "lente" que melhora a visão noturna

As corujas capturam as suas presas durante a noite. Uma nova investigação sugere que há algo de especial na forma como as moléculas de ADN nos olhos das corujas estão acondicionadas, uma característica que lhes …

Os extraterrestres podem estar a observar-nos à distância (em mais de 1.000 estrelas diferentes)

Da mesma forma que nós, da Terra, já detetámos vários milhares de planetas ao redor de outras estrelas, uma hipotética civilização alienígena poderia ter detetado a nossa presença. Mas de que posições no Espaço isso seria …

Afinal, o buraco negro mais próximo da Terra pode não ser um buraco negro

Um objeto identificado no início deste ano como o buraco negro mais próximo da Terra pode, afinal, não o ser. Depois de reanalisar os dados, diferentes equipas de cientistas concluíram que o sistema HR 6819 …

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …

A companhia aérea que faliu devido à covid-19 está de volta

A pandemia de covid-19 foi traiçoeira para muitas empresas. A Flybe, uma das primeiras vítimas, está agora a ressuscitar - e pode voltar a rasgar os céus já no próximo ano. A economia mundial foi muito …