“As Finanças não tinham responsabilidade”. Maria Luís Albuquerque chuta culpas para o BdP

Tiago Petinga / Lusa

A antiga ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, foi ouvida esta quinta-feira na comissão de inquérito às perdas registadas pelo Novo Banco.

A ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque disse esta quinta-feira no Parlamento que não foi discutida entre o Governo e o Banco de Portugal (BdP) a possibilidade de recapitalização pública do BES com recurso à linha da troika.

A pergunta foi feita no início da sessão pela deputada Mariana Mortágua, do Bloco de Esquerda. Depois da resposta “não foi”, a deputada deduziu que, “portanto, o Banco de Portugal quando falou publicamente da linha de recapitalização pública estava a falar de uma possibilidade teórica que não foi discutida diretamente com o Governo”.



“Exatamente”, respondeu Maria Luís Albuquerque, acrescentando que “havia essa possibilidade prevista na legislação, mas não chegou nunca a ser discutida em concreto com o Governo”.

“Parecia-me difícil que houvesse tempo. Nunca disse se o Estado faria ou não porque nunca me foi perguntado. A interpretação da vontade política a mim não me responsabiliza“, continuou a antiga ministra.

Quando o governador comunicou que teria de por em prática a resolução, a ex-governante não perguntou o valor, segundo Maria Luís Albuquerque, acrescentando que o Ministério das Finanças não participa na separação de ativos e passivos, não tem acesso à informação e não tem possibilidade de fazer contas.

“O Ministério das Finanças não recusa nem aceita valores, não tem capacidade técnica nem competência material para isso – a única decisão do Ministério é aprovar os fundos necessários para o Fundo de Resolução”, afirmou Maria Luís Albuquerque, notando que os 4,9 mil milhões eram um empréstimo do Estado mas, como houve bancos do sistema a avançarem com empréstimos ao Fundo de Resolução, a injeção pública acabou por ser de 3,9 mil milhões.

“As notas da reunião que tenho dizem que estimativa seria entre os 5.000 e 5.500 milhões. Achei que era muito. Mas 4.900 mil milhões também achei muito”, disse.

A ex-ministra garantiu ainda: “Eu nunca estabeleci nenhum teto ao valor, não tinha condições para o fazer”.

A ex-ministra continuou a chutar culpas para o BdP. “O Ministério das Finanças não tinha nem podia ter responsabilidades na resolução, a menos que vocês alterem a lei. Não faria sentido doutra maneira. O Ministério das Finanças não tem acesso a informação confidencial que é o Banco de Portugal que tem, não é suposto o Ministério das Finanças ter”, reiterou.

Venda falhada foi “lamentável”

Questionada sobre a possibilidade de prolongar o prazo da venda, Maria Luís Albuquerque disse que aquilo que decorre das regras é que o banco de transição tem de ser vendido em até dois anos, mas é desejável que seja em em três ou seis meses. “É um banco sem dono, sem orientação estratégica”.

Segundo a ex-ministra, alargar o prazo “não era o interesse nacional nem protegia o sistema financeiro. Prolongar o prazo nunca seria algo que geraria valor, antes pelo contrário”.

Maria Luís Albuquerque considerou ainda a venda falhada do Novo Banco em 2015 “lamentável”. “Foi explicado que havia 7 bancos na corrida, nada fazia prever que a venda não pudesse ser concedida”, mas “aquilo que o Banco de Portugal me disse é que entendia que face ao grande interesse que o processo tinha suscitado, uma vez ultrapassadas estas questões”, o processo poderia avançar ainda dentro do prazo do empréstimo, que era agosto de 2016.

Segundo a ministra, a venda era responsabilidade do BdP, sendo que as Finanças aprovaram procedimentos. Como a venda falhou, as condições teriam de ser discutidas com as Finanças porque seria necessário levá-las à Comissão Europeia, “mas lamentavelmente não chegámos a essa fase”.

Questionada sobre a reunião de maio de 2014 com Ricardo Salgado e José Honório em que foi entregue memorando que mostrava passivo de mais de sete mil milhões no GES, a ex-governante não recorda o valor. Contudo, lembra-se que foi dito, nas reuniões, que havia uma situação preocupante na área não financeira e que era preciso uma reestruturação.

A ex-ministra das Finanças afastou ainda a ligação entre a saída limpa do programa de assistência, que ocorreu em maio de 2014, e um eventual adiamento de uma intervenção no BES. “A questão do BES nunca se colocou como condicionando, ou manchando a saída de limpa. Não era possível a ninguém ter essa perceção” na data.

Maria Luís acha “curioso” José Honório no BES

Questionada sobre o momento em que José Honório aceitou, temporariamente, ser consultor do grupo Espírito Santo, Maria Luís disse: “Eu não tenho de estranhar nem deixar de estranhar. A reunião foi-me pedida por um presidente de um banco. Era o que faltava o ministro das Finanças dizer que não se podia fazer acompanhar desta ou daquela pessoa”, respondeu

Depois, Honório passou para vice-presidente do BES. Maria Luís Albuquerque considerou “curioso” que Honório tivesse tido tanta preocupação sobre o Grupo e depois tenha aceitado ser vice-presidente. “Mas isso é uma estranheza pessoal minha, não é relevante”.

Sobre se via possíveis “conflitos de interesse” de João Moreira Rato, por ter participado num fundo que acabaria por ser vendido ao grupo Espírito Santo, Maria Luís respondeu: “A resposta curta é não”.

“O dr. João Moreira Rato é um profissional de primeira água, é uma pessoa competentíssima e foi por isso que foi escolhido para o IGCP numa altura importante (regresso aos mercados). O facto de ter tido uma participação num fundo, vários anos antes, que acabaria comprado pelo GES…. não vejo como é que podia ser um conflito de interesse”.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

 

 

 

 

 

 

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Claro que como fez enquanto ministra sacode as responsabilidades para cima de outro qualquer.
    Nunca ninguém é responsável por nada, tudo acontece por obra e graça de deus!

RESPONDER

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …

Reino Unido quer reconhecer animais como seres com sentimentos

O Governo britânico anunciou um amplo plano de defesa dos animais que inclui medidas como o reconhecimento dos animais como seres com sentimentos, a proibição da exportação de animais vivos e da importação de troféus …

PAN rejeita "via verde" para o Governo (e admite travar próximo Orçamento "se necessário")

O PAN não pretende oferecer “uma via verde para o Governo fazer o que bem entender” e admite mesmo travar o Orçamento de Estado "se for necessário". As palavras são da presidente do Grupo Parlamentar do …

Bloco quer administração da RTP nomeada pela Assembleia da República

O Bloco de Esquerda fez várias propostas à revisão do contrato de concessão do serviço público de rádio e televisão. Do lado dos trabalhadores da RTP, a proposta foi arrasada. O Governo colocou em consulta pública, …

Decisão da insolvência da Groundforce pode demorar dois meses. Salários de maio em risco

Os salários de maio de 2400 trabalhadores da Groundforce devem ser pagos dentro de duas semanas, mas é grande a probabilidade de que isso não aconteça, à semelhança do que ocorreu em fevereiro, elevando as …

Pedro Nuno Santos garante que investimento público em redes de nova geração vai avançar

Pedro Nuno Santos garantiu, na quinta-feira, que o “investimento público” em redes de comunicações eletrónicas “vai avançar”, de forma a levar conectividade às regiões do país onde as redes das operadoras privadas não chegam. O ministro …

PPP hospitalares geraram poupanças para o Estado

O Tribunal de Contas publicou um relatório em que sustenta não ter dúvidas sobre as vantagens que as parcerias público-privadas (PPP) na saúde trouxeram ao Estado, ao longo da última década. Os hospitais em parceria público-privada …

Banco de Fomento está a integrar trabalhadores do antigo BPN

O Banco Português de Fomento está a recrutar colaboradores do antigo BPN para desempenhar funções técnicas, numa altura em que a Parvalorem, onde estão integrados, solicitou ao Executivo o estatuto de empresa em reestruturação. Segundo apurou …