Após um caso confirmado, mais de 70 nepaleses ficam em quarentena em escola de Faro

Mário Cruz / Lusa

Um grupo de 74 imigrantes nepaleses que trabalham na agricultura em Faro foram colocados em quarentena numa escola depois de um ter sido confirmado como caso de Covid-19.

Os nepaleses trabalham numa empresa de trabalhos temporários, que fornece mão de obra a várias propriedades agrícolas. Um dos trabalhadores testou positivo para novo coronavírus e cinco têm sintomas. O caso foi confirmado este domingo.

De acordo com a SIC Notícias, os trabalhadores nepaleses irão ficar no pavilhão da E.B. 2/3 Santo António, onde foram colocadas mesas, cadeiras e camas. Serão em seguida sujeitos a testes de despiste.

A ação de recolha destes trabalhadores foi desencadeada pelo delegado de saúde local, em cooperação com a Proteção Civil. A operação está a ser acompanhada pelo SEF e sob vigilância da PSP.

Quase 800 escolas abertas para alunos

Quase 800 escolas estão a partir desta segunda-feira de portas abertas para garantir as refeições dos alunos mais carenciados e acolher os filhos de pessoal hospitalar e de emergência, segundo dados do Ministério da Educação.

Dos cerca de 3.500 estabelecimentos escolares existentes no continente, quase 800 estão classificados como “escolas de referência para o serviço de refeições e acolhimento de filhos do pessoal hospitalar e de emergência”, segundo dados da Direção-Geral dos Estabelecimento Escolares (DGEstE).

Estas 800 escolas serão a exceção à decisão de encerrar todos os estabelecimentos de ensino desde creches a universidades e politécnicos, uma das medidas avançadas no final da semana passada pelo Governo para tentar controlar a disseminação do novo coronavírus.

A região norte é a que terá mais estabelecimentos de ensino abertos, quase 300 escolas. No Algarve, há 232 “escolas de referência” e na zona de Lisboa e Vale do Tejo são 194. No centro, abrem portas 91 estabelecimentos e no Alentejo são 62.

Num país em Estado de Alerta, o ensino faz-se à distância e cerca de dois milhões de alunos ficam em casa. Só os filhos de profissionais de saúde e das forças de segurança é que poderão ter que continuar a ir à escola, para que os pais possam ir trabalhar.

A ministra da Saúde explicou que em alternativa às escolas, os pais podem também optar por escolher uma pessoa para ficar com os filhos e essa educadora ficará com o subsídio que os pais receberiam se ficassem em casa a tomar conta dos filhos.

As escolas estarão abertas para garantir que as crianças mais desfavorecidas não perdem o direito às refeições devido à situação que se vive no país.

Médicos luso-venezuelanos querem ajudar

Um grupo de 21 médicos luso-venezuelanos comunicou às autoridades de saúde portuguesas que está disponível para ajudar a conter a propagação do novo coronavírus, se os “problemas burocráticos” com o reconhecimento das habilitações forem ultrapassados.

Em carta dirigida ao primeiro-ministro, à ministra da Saúde e à diretora-geral da Saúde (DGS), a que a Lusa teve acesso, a Associação de Médicos de Origem Luso-Venezuelana (ASOMELUVE) responde “presente” ao repto lançado pelas autoridades de saúde, que pediu a todos os médicos, incluindo os reformados, que ajudem a combater a pandemia de Covid-19.

“Estamos disponíveis para ajudar o Ministério da Saúde, a DGS e o Governo português a ultrapassar esta situação difícil que assola Portugal”, escrevem os médicos luso-venezuelanos, realçando que, para tal, basta que as suas habilitações sejam reconhecidas pelo sistema português.

“Pese embora a nossa vontade de fazer mais, e colocar a nossa formação e conhecimentos adquiridos na Venezuela ao serviço do nosso país, estamos legalmente impedidos de o fazer. Isto porque temos tido problemas burocráticos, com o reconhecimento das nossas habilitações”, alertam.

“Somos recursos humanos válidos, formados e preparados, que aqui estamos dispostos a apoiar Portugal neste momento delicado”, afirmam.

Passageiros violam medidas em Lisboa

Este domingo, perante a impotência das autoridades, passageiros do aeroporto Humberto Delgado violaram as determinações da DGS de distanciamento social e limitação do número de pessoas em espaços públicos

De acordo com o Diário de Notícias, centenas de passageiros aglomeraram-se em espaços públicos no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, violando as regras de prevenção contra o contágio do Covid-19.

O presidente do Sindicato da Carreira de Inspeção e Fiscalização (SCIF), disse que, neste aeroporto, “não se estão a tomar medidas restritivas de ajuntamentos e distância de segurança entre passageiros”. Acácio Pereira sublinhou que “isso implicava o espaçamento de voos, o que não está a acontecer. Apesar de ter havido uma redução de cerca de 30% de voos ainda assim numa manhã chegam entre 17 a 22 voos internacionais pouco espaçados”.

A ANA coloca as imagens num plano “pontual” e que “a todo o momento os funcionários do aeroporto e a PSP intervêm”.

Confrontada com a situação, a Direção-Geral de Saúde (DGS) questionou a “autoridade de saúde aeroportuária”, que fiscaliza o cumprimento das medidas. “O que nos foi dito é que se tratou de uma situação temporária e que foram tomadas medidas para que não volte a acontecer”, garantiu a porta-voz oficial.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …

Covid-19. México investiga mercado negro de atestados de óbito falsos

As autoridades da Cidade do México anunciaram que estão a investigar um suposto mercado negro de atestados de óbito relacionado com a covid-19, no dia em que o país registou 625 mortes nas últimas 24 …

Astrónomos descobrem "réplica" do Sol e da Terra a três mil anos-luz

O que diferencia esta descoberta de outros exoplanetas parecidos com a Terra é que a sua estrela tem uma semelhança impressionante com o nosso Sol. Entre os dados da missão Kepler, uma equipa de investigadores identificou …

Sem romarias e festas, milhares de famílias estão a entrar em falência

Milhares de famílias cujo rendimento depende das romarias e festas populares estão a atravessar sérias dificuldades económicas. Os prejuízos ultrapassam os 50 milhões de euros. A suspensão das festas populares e romarias religiosas em todo o …

Corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias na morgue. Filho critica MP e fala em "massacre psicológico"

Os restos mortais da escritora Maria Velho da Costa, que faleceu a 23 de Maio, ficaram no Instituto de Medicina Legal, em Lisboa, durante 11 dias, sem que a família tivesse conhecimento de que já …