António Costa em visita oficial de dois dias a Angola para pensar o futuro

Laurent Gillieron / EPA

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e o Presidente da República de Angola, João Lourenço, em Davos, Suíça.

O primeiro-ministro chegou, esta segunda-feira, a Luanda para uma visita oficial de dois dias a Angola, durante a qual procurará retomar rapidamente os níveis anteriores a 2014 nas relações económicas e normalizar os contactos bilaterais político-diplomáticos.

Com António Costa viajam também os ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e da Agricultura, Capoulas Santos, assim como os secretários de Estado Teresa Ribeiro (Negócios Estrangeiros e Cooperação), Eurico Brilhante Dias (Internacionalização) e Ricardo Mourinho Félix (Adjunto e das Finanças).

Esta visita oficial do primeiro-ministro a Angola acontece após um período de impasse político entre os dois países, depois de a justiça portuguesa ter constituído como arguido o antigo vice-presidente angolano Manuel Vicente.

Só na sequência da decisão judicial de transferir o processo do ex-vice angolano para Luanda, em maio passado, é que as visitas de alto nível de Estado deixaram de estar suspensas por determinação do Governo angolano.

Já no plano económico, com a quebra dos preços do petróleo nos mercados internacionais a partir de 2014, Angola entrou em recessão, o que diminuiu de forma significativa o valor das suas transações com Portugal (cerca de 40% até 2017). A partir do final de 2017, no entanto, Angola começou a apresentar sinais de recuperação.

Na terça-feira, após a reunião entre o Presidente da República de Angola, João Lourenço, e o primeiro-ministro português, os dois Governos deverão assinar cerca de uma dezena de acordos, entre os quais uma convenção para o fim da dupla tributação e um memorando para a progressiva regularização de dívidas de entidades públicas angolanas a empresas portuguesas, cujo montante global se estima entre 400 e 500 milhões de euros.

Os Governos de Lisboa e de Luanda vão ainda ampliar linhas de crédito, estabelecer um plano de cooperação no setor da agricultura e assinar um Programa Estratégico de Cooperação 2018/2022.

“É no futuro que temos de estar”

Costa chegou a Luanda ao início da manhã, tendo sido recebido pelo ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto. Falando aos jornalistas momentos após ter aterrado no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, o chefe do Governo salientou o muito que, nas relações económicas bilaterais, se pode fazer numa área em que o nível é já “muito intenso”.

Há muito que podemos e devemos fazer em conjunto a nível das relações económicas entre os nossos países, que é muito intenso. Angola tem a grande missão de diversificar a sua base económica, de substituir pela produção muitas das suas importações”, afirmou.

“E isso é uma oportunidade também para muitas empresas portuguesas poderem explorar. Estamos a criar um conjunto de instrumentos para que os agentes económicos dos dois países possam investir cá e lá. O acordo para evitar a dupla tributação é um caso, a remuneração e o alargamento da linha de crédito é outro caso, mas há vários objetivos nesta viagem”, acrescentou o chefe do Governo português.

Questionado sobre se a visita a Angola pode constituir um virar de página nas relações entre os dois países, Costa respondeu que o foco é o futuro. “É a continuação de uma história longa, mas, como tenho dito, acho que cada vez é mais importante termos a noção de que liga-nos mais o futuro do que o passado. É concentrarmo-nos no futuro e é no futuro que temos de estar”, afirmou.

Visita oficial de dois dias

Este primeiro dia de presença de António Costa na capital angolana, que coincidirá com um feriado (o Dia do Herói Nacional), terá sobretudo uma componente económica, estando previsto um encontro à porta fechada com empresários portugueses que operam no mercado angolano.

Além do encontro com empresários, o primeiro-ministro terá também visitas com significado histórico, como a deslocação à Fortaleza de Luanda, onde está o recém-recuperado Museu Nacional de História Militar.

Na parte da tarde, o primeiro-ministro tem ainda previsto um passeio pela Baía de Luanda e termina o dia com um encontro com a comunidade portuguesa residente na capital angolana.

Um encontro que decorrerá no Centro Cultural Português e que ocorrerá depois de visitar a obra do hospital materno-infantil da Camama, que está a cargo da empresa portuguesa Casais, num projeto avaliado em 194 milhões de dólares norte-americanos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Um ano após o confinamento de Wuhan o mundo continua em crise devido à covid-19

Quase um ano depois da imposição do confinamento na cidade de Wuhan para travar o vírus SARS-CoV-2, que se assinala este sábado, o mundo continua em luta contra a pandemia, apesar do aparecimento de vacinas. A …

Pessoas com certas características podem ser mais suscetíveis a "ouvir" os mortos

Uma equipa de cientistas identificou certas características que podem tornar as pessoas mais suscetíveis a alegar que “ouvem” os mortos. Um novo estudo sugere que as pessoas que se descrevem como "clariaudientes" - em oposição a …

Sporting 1 - 0 SC Braga | Leões conquistam Taça da Liga com golo de Porro (e algum sofrimento)

O Sporting reconquistou hoje a Taça da Liga de futebol, ao vencer na final o Sporting de Braga, por 1-0, em Leiria, com um golo de Pedro Porro e enorme resistência durante a segunda parte. O …

Estados Unidos querem rever o acordo com rebeldes talibãs no Afeganistão

Os Estados Unidos indicaram hoje às autoridades afegãs o seu desejo de rever o acordo entre o Governo norte-americano e os talibãs, assinado em fevereiro de 2020, particularmente para "avaliar" o respeito dos rebeldes pelos …

"Excedeu todas as expetativas". Implante de córnea artificial devolve visão a homem cego

Um homem de 78 anos que estava cego dos dois olhos há 10 anos recuperou a visão após receber o primeiro implante de uma córnea artificial desenvolvida pela startup israelita CorNeat Vision. O implante CorNeat KPro …

Tenista João Sousa falha Open da Austrália após ter estado infetado

João Sousa vai falhar o Open da Austrália depois de ter estado infetado com o novo coronavírus, por determinação das autoridades australianas, anunciou hoje o tenista português. "É com muita tristeza que vos dou a conhecer …

Cientistas criam nova forma de produzir carne em laboratório (e prometem manter o sabor e a textura)

Uma equipa da McMaster desenvolveu uma nova forma de carne cultivada, através do uso de um método que promete manter o sabor e a textura mais naturais do que as outras alternativas à carne tradicional. Os …

Papa pede "jornalismo corajoso" e controlo de notícias falsas na Internet

O papa Francisco pediu hoje um "jornalismo corajoso" que venha ao encontro das pessoas e histórias, propondo ainda o controlo das notícias falsas na Internet, especialmente neste período de pandemia da covid-19. “Opiniões atentas lamentam, há …

A cidade mais antiga das Américas está sob ameaça de invasão (e a culpa é da pandemia)

Tendo sobrevivido durante cinco mil anos, o sítio arqueológico mais antigo das Américas está sob a ameaça de invasores que afirmam que a pandemia de covid-19 os deixou sem outra opção a não ser ocupar …

Suspeito do homicídio de Bruno Candé nega ter agido impulsionado por racismo

Evaristo Marinho disparou vários insultos racistas contra Bruno Candé: “Vai para a tua terra, preto, tens a família toda na sanzala e também devias lá estar”, foi um deles. Três dias depois acabou por matá-lo, …