36 ONG recusam reeleição da Venezuela para o Conselho de Direitos Humanos

andresAzp / Flickr

Manifestações na Venezuela

Manifestações na Venezuela

Trinta e seis organizações de Direitos Humanos internacionais afirmaram que a Venezuela não deveria receber novamente um lugar no Conselho de Direitos Humanos da ONU devido ao seu mal desempenho nesta matéria, divulgou hoje a Transparência Internacional.

“O mau desempenho da Venezuela em mateira de Direitos Humanos, incluindo como membro do Conselho de Direitos Humanos, deveria evitar sua designação para outro período nesse conselho, assinalaram 36 organizações internacionais e latino-americanas”, refere um comunicado da Transparência Internacional.

As eleições para o período 2016-2018 do conselho serão realizadas pela Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque, a 28 de outubro de 2015.

Os membros do Conselho de Direitos Humanos devem cumprir com as normas de proteção e promoção dos direitos humanos, segundo a nota.

“As práticas de Direitos Humanos do Governo venezuelano, o seu repúdio ao trabalho realizado por organismos internacionais de Direitos Humanos e a forma como tem votado no Conselho de Direitos Humanos durante os últimos três anos, torna inadequado que a Venezuela ocupe um lugar no Conselho,”, referiu o texto.

A nota refere que a Venezuela tem violado seriamente as normas fundamentais dos Direitos Humanos, citando que vários políticos da oposição, manifestantes e críticos do Governo são perseguidos, presos e torturados, demonstrando claramente um abuso de poder.

O Governo venezuelano, segundo o comunicado, tem também rechaçado as entidades de Direitos Humanos que tentam realizar uma avaliação genuína da situação no país.

A Venezuela rejeitou ainda várias recomendações sobre a situação dos Direitos Humanos no país emitidas pela Revisão Periódico Universal realizada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU em 2011 e não cumpriu as recomendações que havia aceite daquele órgão das Nações Unidas.

O país tem rejeitado também as recomendações a países que cometem graves violações dos Direitos Humanos, como o Irão, Síria, Coreia do Norte, entre outros, referiu ainda a nota.

As 36 organizações afirmaram, de acordo com a Transparência Internacional, que a reeleição da Venezuela para o Conselho de Direitos Humanos demonstraria que os princípios que se pretendia proteger ao criar aquele órgão da ONU não merecem ser levados a sério.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Já sabemos quem defendem! Estas 36 organizações venezuelanas fazem parte da oposição. Não falam das graves violações dos Direitos Humanos cometidas pelos invasores americanos nos países do Médio Oriente.
    Esta gente não é para levar a sério!

    • Isolo o seguinte texto do corpo da notícia supra para que, antes da interpretação, a leitura seja mais facilitada; “… 36 organizações internacionais e latino-americanas”

RESPONDER

Lufthansa aceita condições do resgate. Vai ceder aviões e perder "slots"

O Governo da Alemanha e a Comissão Europeia (CE) chegaram a um acordo sobre o resgate da Lufthansa e que poderá evitar a falência da companhia aérea, anunciaram, na sexta-feira, fontes próximas das negociações e …

Chipre vai pagar despesas das férias a turistas que ficarem infetados no país

O Chipre vai pagar o custo das férias aos turistas que testaram positivo depois de viajarem para o país. Entre as despesas está o alojamento, a alimentação e os medicamentos. O Chipre comprometeu-se a pagar todas …

Tribunais vão vender máscaras a um euro. "É uma margem de lucro de 45 por cento"

Os tribunais vão ter máscaras cirúrgicas à venda para advogados e testemunhas, de modo a garantir que podem entrar nas salas de audiência a partir de quarta-feira, dia em que a Justiça retoma as sessões …

Julgamento BES. Ministério Público acredita que provas da Suíça ainda podem ser utilizadas

O jornal Público escreve este sábado que os procuradores do Ministério Público (MP) acreditam ainda ser possível utilizar os elementos solicitados nas cartas rogatórias enviadas às autoridades suíças no julgamento do caso BES. O Ministério …

Salários mais baixos podem passar a ter lay-off pago a 100%

O Governo está a estudar a possibilidade de o regime de lay-off, desenhado especificamente para o contexto da pandemia de covid-19, passar a ser pago na sua totalidade (100%) para quem tem salários mais baixos. …

Bronca na Liga. Contestação adia 5 substituições e o Marítimo recusa assinar Plano de Retoma

Após dois dias intensos de reuniões, foi aprovado o Plano de Retoma do campeonato nacional para a disputa das últimas 10 jornadas da época 2019/2020. Mas apenas 17 clubes o assinaram. O Marítimo recusou fazê-lo, …

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O Governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em lay-off devido à pandemia de covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro. O …

Resgate à TAP deverá ser feito através de empréstimo obrigacionista

A ajuda do Estado à TAP deverá chegar através de um empréstimo obrigacionista convertível em ações, avança o jornal Expresso neste sábado. Este é o cenário mais provável para a TAP, apurou o semanário, que …