Segunda vaga da covid-19 aumenta fosso entre ricos e os pobres em Madrid

Mário Oliveira / SEMCOM

A capital de Espanha foi a mais atingida da Europa ao nível de contágios e mortes por covid-19, situação que levou a presidente da Comunidade de Madrid, Isabel Díaz Ayuso, a decretar o bloqueio parcial da cidade durante duas semanas. O aumento da desigualdade social é das consequências mais visíveis da pandemia.

Segundo um artigo do editor do Huffpost Guillermo Rodríguez, publicado na quinta-feira, os aplausos que se viam nas varandas de Espanha, em solidariedade aos profissionais de saúde, deram lugar a protestos nas comunidades mais pobres de Madrid.

As regras de contenção – que incluem a proibição de deslocamento, a não ser em caso de necessidade – afetam 37 bairros da cidade, a maior parte dos quais compostos por famílias com baixa receita. Nessas zonas vivem cerca de 885 mil pessoas, o que equivale a 13% da população da capital.

De acordo com Guillermo Rodríguez, a pandemia já não é apenas uma questão de saúde. Enquanto nos bairros ricos a vida corre dentro do normal, naqueles com menos recursos as pessoas enfrentam problemas adicionais, reabrindo assim o debate sobre a discriminação no país e mostrando que o vírus não afeta indivíduos, mas classes sociais.

Muitas das famílias desses bairros menos favorecidos vivem em situações precárias, em moradias ou apartamentos pequenos. As ruas são muito estreitas, os serviços mal conservados e o transporte público está, geralmente, lotado. Como notou o editor, ficam assim reunidas as condições perfeitas para o vírus se propagar.

Além disso, muitos dos habitantes dessas regiões trabalham no setor dos serviços, na hotelaria e nas limpezas, ou cuidam de dependentes.

“A propagação da infeção está a ocorrer, entre outras coisas, por causa do modo de vida dos nossos imigrantes em Madrid”, afirmou na semana passada Isabel Díaz Ayuso. As declarações da presidente da Comunidade de Madrid causaram polémica, levando a responsável a esclarecer que não era se tratava de racismo, mas sim de uma realidade.

Alberto Morante / EPA

“É parte da nossa responsabilidade política não lançar mensagens xenófobas que estigmatizem os migrantes, especialmente nestes tempos delicados”, referiu, por sua vez, a Comissão Espanhola de Ajuda aos Refugiados. “Palavras como essas representam um perigo para a coexistência que devemos construir”, frisou.

A verdade, continuou Guillermo Rodríguez, é que a incidência de covid-19 em alguns dos bairros mais pobres de Madrid – todos localizados no sul, com uma grande população de imigrantes – é muito maior do que a registada em bairros mais ricos, localizados na zona norte da cidade.

Em Carabanchel, por exemplo, um dos bairros pobres, foram registados 884,24 casos por 100 mil habitantes em meados de setembro; em Usera 1.155,71; em Villaverde 1.157,47 e em Puente de Vallecas 1.240,76. Em Retiro e Moncloa-Aravaca, mais a norte, os casos não chegaram a 500 por cada 100 mil habitantes.

Poucas horas antes do bloqueio seletivo entrar em vigor em Madrid, os habitantes das áreas afetadas começaram os protestos contra as medidas “discriminatórias” da presidente conservadora, que “segregam” a população. “Fascista Ayuso” ou “Não é confinamento, é segregação”, foram alguns dos ‘slogans’ empunhados pelos manifestantes.

Para o editor, a manifestação de domingo, organizada por sindicatos, partidos de esquerda e associações de bairros de Madrid contra as medidas “inúteis e claramente segregacionistas” de Díaz Ayuso foi apenas uma provocação.

Entres outras reivindicações, os manifestantes pediram um aumento no número de testes para a covid-19, mais funcionários nos laboratórios e mais materiais para reduzir o tempo de espera dos resultados. Exigiram ainda a criação de um comité científico para “orientar e controlar” todas as decisões relativas à pandemia.

“Com as medidas que foram anunciadas, estão a levar os nossos bairros de volta para o século 14. Estão a prender-nos como se tivessem isolado as áreas afetadas pela Peste Negra. Os trabalhadores não podem deixar os seus bairros, exceto para viajar como gado no metro, para produzir e manter os negócios em movimento, para que possam continuar a ganhar dinheiro. Mas só por isso. A polícia, e até o exército, farão com que não saiamos do perímetro para mais nada”, afirmou ao HuffPost o historiador Rubén Fernández-Avilés.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. problemas de ricos e pobres ‘e simples… se governos obrigassem as empresas a criar um fundo de sobrevivencia para um ano no minimo e nunca ficarem com mais de 20 cento do lucro para si… ora patroes pagam o que querem uma miseria, ficam mais ricos a pala do desgracado…. politicos ainda esfolam mais o desgracado com impostos… assim vai vida nos paises capitalistas… se houvesse democracia a serio a coisa seria bem difrente….mas temos uns politicos alvarentos…

RESPONDER

Olivier Dassault, deputado bilionário francês, morre em acidente de helicóptero

O deputado francês Olivier Dassault, neto do fundador da Dassault Aviation, morreu este domingo, aos 69 anos, num acidente de helicóptero, no nordeste de França, avança a Agência France-Press (AFP). O acidente aconteceu este domingo perto …

Teoria ensinada na escola pode estar errada. Há um "núcleo mais interno" no centro da Terra

Uma equipa de investigadores da Universidade Nacional da Austrália confirmou, rastreando milhares de modelos numéricos, a existência do "núcleo mais interno" nas profundezas da Terra.  Na escola, os estudantes costumam aprender que o planeta Terra é …

Sonda passa ao lado de Vénus, tira-lhe uma fotografia e surpreende cientistas da NASA

A imagem obtida pelo Wide-field Imager (WISPR) da Parker Solar Probe foi capturada a 12.380 quilómetros de Vénus. A Parker Solar Probe, da NASA, capturou vistas deslumbrantes de Vénus em julho de 2020. O alvo da …

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …