Zeinal Bava diz que não era “visita de casa” de Salgado e nega “luvas” ao GES

Tiago Petinga / Lusa

O antigo presidente da PT, Zeinal Bava

O antigo presidente da PT Zeinal Bava, um dos arguidos na Operação Marquês, esteve no Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, onde foi ouvido durante cerca de oito horas, no âmbito da fase de instrução do processo.

No final do interrogatório, que decorreu esta quarta-feira, o antigo presidente da PT recusou-se a falar aos jornalistas. Contudo, fonte ligada ao processo disse à Lusa que Zeinal Bava admitiu ao juiz de instrução Ivo Rosa conhecer o ex-presidente do BES Ricardo Salgado, com quem teve reuniões, mas ressalvou que não era “visita de casa”.

Segundo a mesma fonte, o antigo presidente da operadora de telecomunicações assegurou que as decisões tomadas não eram apenas dele e que “todo o dinheiro utilizado serviu para comprar ações da empresa”.

No centro do interrogatório estiveram os 25,2 milhões de euros que recebeu entre 2007 e 2011 do Grupo Espírito Santo (GES) através de uma conta bancária em Singapura. O montante acabou por ser devolvido quase na totalidade, mas só cinco anos depois.

Segundo escreve o jornal Público, Zeinal Bava afirmou durante o interrogatório que queria ser um acionista de referência da PT, pretensão que transmitiu a Ricardo Salgado, que se disponibilizou, segundo contou, para lhe emprestar o dinheiro.

O gestor de 53 anos confirmou, por isso, os 6,7 milhões de euros recebidos em dezembro de 2007 na conta em Singapura. Disse ainda que, só três anos depois, quando recebeu mais 8,5 milhões de euros, desta vez numa conta na Suíça, é que sentiu necessidade de passar o contrato verbal a escrito, conta ainda o matutino.

O Ministério Público (MP) considera que este contrato, datado de 20 de dezembro de 2011, é fictício. Zeinal Bava não conseguiu esclarecer bem porque é que no contrato de 2010 não ficou escrito que já tinha havido uma transferência inicial de 6,7 milhões. Nem porque é que recebeu uma segunda tranche (8,5 milhões), quando não tinha sequer aplicado a verba inicial. O mesmo aconteceu com a terceira transferência, de dez milhões de euros, em dezembro de 2011, de acordo com o Público.

O ex-presidente da PT admitiu ainda nunca ter chegado a comprar as ações da empresa e, por esse mesmo motivo, é que  em 2016 devolveu à massa falida da Espírito Santo Internacional 18,5 milhões de euros. Tal como observa o diário, Bava não entregou, contudo, a primeira transferência de 6,7 milhões, que acabou por ser arrestada pelo MP no âmbito da Operação Marquês.

Zeinal Bava voltou a negar que os 25,2 milhões eram “luvas” pagas por Ricardo Salgado para que beneficiasse os interesses do Grupo Espírito Santo.

“O momento de esclarecer tudo”

À tarde, quando chegou ao tribunal, Zeinal Bava, que está acusado por corrupção passiva, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal qualificada, disse que “chegou o momento de, com serenidade, esclarecer tudo”. O interrogatório a Zeinal Bava foi o mais longo, até ao momento, da fase de instrução. O ex-presidente da PT foi um dos 19 arguidos a pedir a abertura de instrução.

Zeinal Bava fez, nesta fase, prova documental, mas o juiz Ivo Rosa pretendeu ouvi-lo pessoalmente, pelo que determinou a sua presença no tribunal, razão pela qual o antigo gestor da PT se deslocou de Londres a Lisboa.

Para o Ministério Público, entre finais de 2007 e 2011, Zeinal Bava recebeu mais de 25 milhões de euros através de uma sociedade do Grupo Espírito Santo.

Segundo a acusação, o ex-primeiro-ministro José Sócrates, Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, antigo gestor da PT, terão recebido dinheiro para atuarem no interesse do ex-presidente do BES Ricardo Salgado na PT. A Operação Marquês tem como principal arguido José Sócrates, que está acusado de 31 crimes de corrupção passiva, falsificação de documentos, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais.

O inquérito da Operação Marquês, que começou há mais de cinco anos, culminou na acusação a 28 arguidos – 19 pessoas e nove empresas – e está relacionado com a prática de quase duas centenas de crimes económico-financeiros.

Os arguidos Henrique Granadeiro, Zeinal Bava, Bárbara Vara, Joaquim Barroca, Helder Bataglia, Rui Mão de Ferro e Gonçalo Ferreira, empresas do grupo Lena (Lena SGPS, LEC SGPS e LEC SA) e a sociedade Vale do Lobo Resort Turísticos de Luxo pediram a abertura de instrução.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Portugal, país pobre, mas rico em corruptos e mentirosos. Não sei porque raio perdem tempo com estas inquirições, comissões de inquérito, etc. Por acaso há relatos de alguém que tenha confirmado ou confessado os factos pelos quais era suspeito?

  2. SE confessa-se é que ficava admirado. O Testa de Ferro alguma vez vai confessar as vigarices, ladroagens que fizeram? NUNCA. Não vai ser através de palavras de confissão que vão conseguir a alguma coisa. Vão ter de apresentar provas senão nada feito. Estes VIGARISTAS/LADRÕES fazem bem feitas. Infelizmente p/ o Povo já que somos todos nós que pagamos estes milhões.

  3. São todos uns santinhos, nunca se lembram de nada, nunca fizeram nada mas enriqueceram de uma forma impossível se fossem honestos!!!
    Não será preciso dizer mais!

Responder a PVC Cancelar resposta

-

Governo aponta para regresso progressivo de público aos estádios

O regresso de público aos estádios de futebol continua proibido, devido à pandemia de Covid-19, com o secretário de Estado da Juventude e Desporto a admitir esta sexta-feira a possibilidade de um retorno faseado quando …

Há escolas sem intervalos ao ar livre devido à covid-19

Há escolas que estão a proibir os alunos de passarem os intervalos ao ar livre por receio de contágio do novo coronavírus. O pediatra Hugo Rodrigues considera que "é um perfeito disparate". Como tal, os estudantes …

"Aumentar o salário mínimo é criminoso", diz presidente do Fórum para a Competitividade

Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum para a Competitividade, antecipa uma onda de desemprego até ao final do ano, que muitas empresas não conseguirão manter a atividade e que aumentar o salário mínimo "é …

Segunda vaga impede mais de 12 milhões de consultas e cirurgias

O cenário de uma segunda vaga em Portugal é bastante provável e prevê-se que mais de 12 milhões de consultas e cirurgias fiquem por fazer. No melhor dos cenários, serão 10 milhões. Um estudo da Associação …

EUA pressionam Portugal: "Tem de escolher agora entre os aliados e os chineses"

O embaixador norte-americano em Lisboa defende que Portugal tem de escolher entre os “amigos e aliados” EUA e o “parceiro económico” China, alertando que escolher a China em questões como o 5G pode ter consequências …

MP acusa inspetores do SEF de homicídio de ucraniano no aeroporto

O Ministério Público vai acusar os três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras que estão em prisão domiciliária, indiciados pelo homicídio do ucraniano Ihor Homenyuk no aeroporto de Lisboa. Bruno Sousa, Duarte Laja e Luís …

Encontrado dente de leite com 48.000 anos que pertenceu a "um dos últimos" neandertais de Itália

Uma equipa de cientistas da Universidade de Bolonha e Ferrara, em Itália, encontrou um dente de leite na região do Veneto, que acreditam ter pertencido a um dos últimos neandertais a habitar no país. Análises …

Rhys Williams fez parceria com van Dijk. Há um ano jogava numa liga amadora

Rhys Williams estreou-se a titular pela equipa principal do Liverpool e logo ao lado de Virgil van Dijk. Ainda na época passada, o jovem central estava numa equipa do sexto escalão inglês. Esta quinta-feira, o Liverpool …

OMS admite que número de mortos pode duplicar no próximo ano

A Organização Mundial da Saúde afirmou hoje que não se pode esperar pelo aparecimento de uma vacina para conter a pandemia da covid-19, admitindo que o número de mortos poderá duplicar durante o próximo ano …

Plantar um trilião de árvores ajuda o nosso planeta? Depende

Plantar um trilião de árvores é uma boa forma reduzir as emissões de carbono, mas depende muito de onde estas são plantadas, sugere um novo estudo. É do senso comum que as árvores são excelentes a …