Von der Leyen pede desculpa a Itália. E homenageia voluntários portugueses

Olivier Hoslet / EPA

Ursula Von der Leyen, presidente da Comissão Europeia

A presidente da Comissão Europeia afirmou-se “orgulhosa”, esta quinta-feira, com os muitos exemplos de solidariedade e humanidade na Europa na resposta à pandemia da covid-19, incluindo em Portugal.

“Não se pode ultrapassar uma pandemia desta escala e com esta velocidade sem a verdade. A verdade sobre tudo: os números, a ciência, as perspetivas, mas também as nossas próprias ações”, declarou Ursula von der Leyen, num debate no Parlamento Europeu, em Bruxelas, sobre a resposta da União Europeia à propagação da covid-19.

Apontando que “é verdade que ninguém estava verdadeiramente preparado para isto”, a presidente da Comissão Europeia assumiu que “também é verdade que demasiados não estavam lá a tempo quando a Itália precisava de uma mão amiga no início de tudo”, pelo que, “é verdade que a Europa, como um todo, oferece um sentido pedido de desculpas” aos italianos.

Tal como recorda o Jornal Económico, o pedido de desculpas chega dias depois de o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, ter respondido a uma carta aberta da presidente da CE, na qua pedia uma Europa mais unida.

“Mas dizer simplesmente desculpa só conta para algo se tal mudar comportamentos. E a verdade também é que não levou muito a que todos se consciencializassem de que temos de nos proteger uns aos outros para nos protegermos a nós próprios. E a Europa é agora o coração pulsante da solidariedade mundial“, defendeu, dando de seguida vários exemplos.

Von der Leyen afirmou-se “orgulhosa de ser europeia”, ao ver que “paramédicos da Polónia e médicos da Roménia salvam vidas em Itália, ventiladores da Alemanha fornecem suporte de vida em Espanha, hospitais na República Checa tratam pacientes de França, e doentes de Bergamo são levados de avião para clínicas em Bona”.

“Na verdade, temos visto cada peça de equipamento ir em todas as direções através da Europa, de quem o pode dispensar para quem dele necessita”, referiu.

A presidente da Comissão advertiu então que “ainda há quem aponte o dedo e sacuda as culpas, e outros que preferem falar como populistas em vez de dizerem verdades impopulares”.

“A esses eu digo: parem e tenham a coragem de dizer a verdade. E, se precisarem de inspiração, olhem para a forma como os europeus estão unidos, com empatia, humildade e humanidade. E eu presto tributo a todos eles. Dos motoristas de entregas aos fornecedores de alimentação, dos lojistas aos empacotadores das fábricas, e aos que batem palmas à janela. Às empresas que mudam as suas linhas de produção para fabricarem os fornecimentos de que tanto precisamos.”

“Eu presto tributo aos voluntários portugueses que cosem máscaras para os seus vizinhos, ao pianista grego de sete anos que compôs uma ‘valsa de isolamento’ para animar as pessoas. E, acima de tudo, agradeço e presto tributo aos nossos heróis: os médicos, enfermeiros, prestadores de cuidados de saúde”, declarou.

“Orçamento europeu será a nave-mãe da recuperação”

Ursula von der Leyen reiterou que o “plano Marshall” que preconiza para relançar a economia europeia deve basear-se, ainda que de forma inovadora, num instrumento já existente, o Quadro Financeiro Plurianual, o orçamento da União para cada ciclo de sete anos.

“Precisamos de um plano Marshall para a recuperação da Europa, e precisa de ser implementado imediatamente. Só temos um instrumento no qual todos os Estados-membros confiam, que já existe, que pode apresentar resultados rapidamente, que é transparente, e que já provou ao longo do tempo ser um instrumento para a coesão, convergência e investimento. E esse instrumento é o orçamento europeu. O orçamento europeu será a nave-mãe da nossa recuperação”, defendeu.

Por essa razão, prosseguiu, o Quadro Financeiro Plurianual para 2021-2017 – em torno do qual os 27 ainda não chegaram a acordo –, terá de ser diferente daquilo que a Europa tinha imaginado, para dar resposta ao “investimento massivo” que será necessário para relançar as economias europeias uma vez ultrapassada a crise sanitária provocada pelo novo coronavírus.

“Usaremos o poder de todo o orçamento europeu para alavancar o enorme volume de investimento de que precisamos para reconstruir o mercado único após o coronavírus”.

A presidente salientou que “esta crise é diferente de qualquer outra”, apontando que está inclusivamente “a atingir gravemente empresas saudáveis, porque a vida pública foi encerrada”, razão pela qual são necessárias “soluções inovadoras no âmbito do Quadro Financeiro Plurianual, para desbloquear investimento público e privado massivo”.

“Embora a crise seja simétrica, a retoma não o é. A coesão e a convergência serão mais importantes do que nunca. O mercado único e a política de coesão são as duas faces da mesma moeda. Precisamos de ambas para garantir prosperidade em toda a UE”, defendeu.

A Comissão anunciou que em breve apresentará uma nova proposta orçamental, necessariamente mais ambiciosa, para fazer face aos choques provocados pela pandemia, que já provocou mais de 133 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Por tudo o que a ue tem representado desde a sua constituição que de união nunca teve nada, apenas serve os interesses de um país e nada pode fazer sem esse país concordar, desculpas não aceites!

RESPONDER

Sonda passa ao lado de Vénus, tira-lhe uma fotografia e surpreende cientistas da NASA

A imagem obtida pelo Wide-field Imager (WISPR) da Parker Solar Probe foi capturada a 12.380 quilómetros de Vénus. A Parker Solar Probe, da NASA, capturou vistas deslumbrantes de Vénus em julho de 2020. O alvo da …

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …