/

Vírus estava em vários locais de Wuhan e pode ter circulado semanas antes, diz OMS

Mário Cruz / Lusa

O SARS-CoV-2, vírus que provoca a covid-19, foi identificado pela primeira vez em Wuhan, na China, mas poderia estar já a circular noutras regiões semanas antes, avançaram esta terça-feira a Organização Mundial de Saúde (OMS) e representantes da Comissão Nacional de Saúde da China.

Como noticiou o Notícias ao Minuto, o especialista em segurança alimentar e zoonoses Peter Ben Embarek, responsável pela missão da OMS, começou a conferência de imprensa indicando que as primeiras conclusões não vão alterar aquilo que já se conhece. Os peritos chegaram a Wuhan a 14 de janeiro para determinar a origem do vírus.

Já o responsável pela equipa de especialistas na covid-19 da Comissão de Saúde da China, Liang Wannian, referiu que pode ter existido circulação não reportada noutras regiões, algumas semanas antes de Wuhan. As primeiras indicações de circulação em estudos não publicados precedem a deteção inicial de casos em várias semanas, acrescentou.

Contudo, não há indicação de propagação antes de dezembro de 2019 ou evidências suficientes para determinar se o vírus esteve em Wuhan antes dessa data. Também ainda não é possível determinar como este foi introduzido naquele mercado.

A recolha de provas em morcegos em Wuhan e outros animais não resultou na identificação do vírus que causa a covid-19, referiu Liang Wannian, com Peter BenEmbarek a indicar que o trabalho sobre a identificação da origem continua a apontar para uma reserva natural de morcegos, mas que é improvável que seja em Wuhan.

As hipóteses iniciais direcionavam para os morcegos e os pangolins como a origem, mas Liang Wannian avançou que as amostras identificadas nestas espécies não são “suficientemente idênticas” ao SARS-CoV-2. A elevada suscetibilidade de visons e gatos ao vírus sugere que outros animais podem servir como “reservatórios”.

Peter BenEmbarek afirmou que foram investigadas todas as hipóteses, incluindo um acidente num laboratório. “Foram equacionados argumentos contra e a favor”, até para “poder levar a investigação numa direção útil”, mas a “hipótese de acidente em laboratório é extremamente improvável”.

Há, no entanto, várias hipóteses estão ainda em análise, incluindo a circulação de comida congelada, sendo que “uma espécie intermediária é a mais provável” e a que requer mais investigação, sublinhou o especialista.

A missão para determinar a origem da transmissão do coronavírus aos humanos foi difícil de concretizar, lembrou a agência Lusa, visto que a China se mostrou muito relutante em permitir a presença dos especialistas mundiais de diferentes áreas, desde a epidemiologia à zoologia. A autorização chegou um ano após a pandemia ter sido declarada.

Pequim recebeu muito mal as críticas ao modo como lidou no início da crise, em particular os ataques muito virulentos de Donald Trump, enquanto Presidente dos Estados Unidos. As autoridades chinesas indicam que têm estado a trabalhar há meses para acabar com as dúvidas sobre onde e como o coronavírus pode ter começado a infetar seres humanos.

Tendo chegado à China em janeiro, os especialistas foram seguidos por todo o lado por jornalistas chineses e internacionais. A OMS já avisou que é preciso ter paciência antes de encontrar uma possível resposta, mensagem reiterada por um membro da equipa, Hung Nguyen-Viet, em entrevista à agência noticiosa France-Presse (AFP).

“Estamos num processo e precisamos de tempo e de esforço para entender” o que aconteceu, explicou o especialista, codiretor do Programa de Saúde Humana e Animal do Instituto Internacional de Pesquisa sobre Reprodução de Nairóbi.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.316.812 mortos no mundo, resultantes de mais de 106 milhões de casos de infeção, segundo a AFP.

  Taísa Pagno //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.