/

Vietname detém mais oito pessoas no caso das 39 mortes num camião no Reino Unido

(cv)

A polícia vietnamita deteve mais oito pessoas suspeitas de estarem envolvidas na morte de 39 migrantes, provavelmente vietnamitas, encontradas num camião frigorífico perto de Londres, no final de outubro.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

As autoridades da província de Nghe An, de onde várias vítimas eram naturais, “prenderam oito suspeitos envolvidos em redes de tráfico” de pessoas, disse Nguyen Huu Cau, da polícia vietnamita, citado pelos media locais. Dois vietnamitas foram presos na semana passada no âmbito do mesmo caso.

No Reino Unido, o motorista do camião frigorífico, um norte-irlandês de 25 anos, foi acusado de homicídio involuntário, branqueamento de capitais e conspiração para promover a imigração ilegal.

Em Dublin, outro norte-irlandês alegadamente envolvido neste caso compareceu perante o Supremo Tribunal de Justiça da Irlanda para iniciar um processo de extradição para a Grã-Bretanha. Três outras pessoas foram detidas e libertadas sob fiança pela polícia britânica.

A descoberta do camião, em 23 de outubro, provocou indignação em todo o mundo e expôs as rotas de migração clandestina altamente organizadas entre o Vietname e a Europa. Os corpos de 39 migrantes – 31 homens e oito mulheres – foram encontrados mortos num camião refrigerado numa área industrial em Grays, na região de Essex, cerca de 30 quilómetros a leste de Londres. Até agora, a polícia não deu qualquer indicação da causa exata das mortes.

O camião chegou de ao porto de Purfleet, no rio Tamisa, proveniente de Zeebrugge, na Bélgica. As vítimas ainda não foram identificadas oficialmente, enquanto aguardam os resultados dos testes de ADN, mas as autoridades britânicas, depois de pensarem que eram cidadãos chineses, disseram na semana passada que seriam vietnamitas.

Frequentemente, os traficantes de seres humanos ficam com os passaportes dos migrantes para dificultar a sua identificação, fornecendo-lhes depois novos documentos quando chegam aos seus destinos.

  ZAP // Lusa

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.