/

Vacina da Janssen deverá ser aprovada na Europa a 11 de março. Imunizante só requer uma toma

Vasco Célio / Lusa

A Agência Europeia do Medicamento convocou uma reunião extraordinária para concluir a avaliação da vacina à covid-19 da multinacional Janssen, com vista a colocá-la rapidamente no mercado.

Neste sentido, espera-se que haja mais uma vacina contra a covid-19 que deverá começar a ser utilizada a curto prazo na União Europeia.

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) comunicou no seu site que convocou uma reunião extraordinária para 11 de março próximo, com o objetivo de “concluir a avaliação, se possível”, do imunizante desenvolvido pela Johnson & Johnson, que pertence à multinacional Janssen.

A EMA irá rever todas as informações sobre a vacina comunicadas pela Johnson & Johnson, com vista a dar luz verde e a colocar o imunizante rapidamente no mercado, pondo-o à disposição dos diversos países.

A vacina da Johnson tem sido aguardada com expectativa, uma vez que, ao contrário das outras, é tomada numa única dose, além de apresentar outras vantagens, como dispensar condições especiais de armazenamento a temperaturas baixas e controladas, podendo ser guardada num frigorífico doméstico sem se danificar.

Ursula von der Leyen já adiantou que está tudo a postos para autorizar o imunizante logo que a EMA dê o parecer científico positivo.

A expectativa é a de que, após aprovação da EMA, a vacina da Johnson possa começar a chegar aos países europeus pronta a ser ministrada à população no final de março ou no início de abril.

Ainda assim, a Autoridade Europeia do Medicamento tem sido fortemente criticada pela demora na concessão de luz verde para as novas vacinas contra a covid-19. A Comissão Europeia diz que todas as alternativas devem ser discutidas, assim os estados-membros queiram fazê-lo, avança o Expresso.

No entanto, a União Europeia tem defendido os prazos de análise e aprovação da EMA, argumentando que a segurança dos seus cidadãos não pode ser posta em causa. Um dos grandes “senãos” das autorizações de emergência, quando concedidas por um Estado-membro, é implicarem a responsabilização desse mesmo Estado caso algo corra mal na administração.

Merck vai ajudar a produzir vacina da Johnson & Johnson

A farmacêutica Merck vai ajudar a produzir a vacina contra a covid-19 da empresa rival Johnson & Johnson, avançou um funcionário do Governo dos EUA.

A decisão ocorre numa altura em que as autoridades sanitárias norte-americanas tentam acelerar a produção de doses desta vacina de dose única, recentemente aprovada pela agência de regulação dos medicamentos nos Estados Unidos (CDC).

As autoridades sanitárias norte-americanas dizem que a Johnson & Johnson enfrentou problemas inesperados na produção da sua vacina, tendo sido capaz de disponibilizar até agora apenas 3,9 milhões de doses.

A empresa diz que está preparada para entregar mais 100 milhões de doses até ao final de junho.

Com a ajuda da gigante farmacêutica Merck, a Johnson & Johnson deve conseguir cumprir os seus compromissos de produção e expandir ainda mais o fornecimento das vacinas.

  Ana Isabel Moura, ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE