Um ano depois, Rúben aguarda justiça (e nem o dinheiro aliviou a dor)

(cv) SIC

Um ano depois das agressões em Ponte de Sor, a mãe de Rúben Cavaco diz que o filho ainda espera justiça e que continua sem compreender porque razão os gémeos iraquianos tiveram imunidade diplomática.

A mãe de Rúben Cavaco, Vilma Pires, recordou a noite de violência em Ponte de Sor que colocou o seu filho em coma, depois de ter sido agredido pelos filhos do embaixador iraquiano em Lisboa, Sadd Mohammed Ali.

Em entrevista ao Expresso, a mãe do adolescente diz que o filho se “encontra bem fisicamente e já está a fazer uma vida normal“: “Neste momento, o Rúben encontra-se bem fisicamente, já está a fazer uma vida normal e já não está a fazer fisioterapia. Estar a viver em Lisboa ajuda-o a não reviver constantemente o que se passou. Esquecer vai ser impossível, mas o tempo também vai ajudar a sarar as feridas”.

Em Janeiro, Vilma Pires celebrou um acordo extrajudicial com a família Mohammed Ali, que envolveu o pagamento de 40 mil euros por danos morais e mais 12 mil das custas médicas.   No entanto, o caso, que continua a ser investigado pelo Ministério Público português, está longe de ter terminado.

A mãe do jovem da Ponte de Sor diz estar ainda à espera que seja feita justiça. “Deviam perguntar ao Estado português quais as diligências que já fez para garantir que um crime público cometido em território português contra um cidadão português não fique impune”, começou por dizer Vilma.

O acordo disse apenas respeito à parte civil e aos eventuais crimes que dependiam de queixa e admitiam desistência, ou seja, às eventuais agressões e injúrias ocorridas no bar entre os dois jovens iraquianos e os jovens que estavam com o Rúben”, explicou.

“Até este momento, apenas foi paga a indemnização, porque continuamos à espera que seja feita Justiça. Mas isso compete ao Estado. O que competia ao meu advogado fazer foi feito. Não cabe ao meu advogado prender os criminosos, julgá-los e condená-los”, frisou ainda Vilma Pires.

Sobre o dinheiro que recebeu, a mãe de Rúben Cavaco garante que “nem o dinheiro aliviou” a dor, nem afetou o dia-a-dia da família. “O dinheiro está depositado numa conta do Rúben que ele apenas poderá movimentar quando tiver 18 anos“, acrescentou.

A mãe do jovem agredido critica o facto de os jovens iraquianos nunca terem sido ouvidos como arguidos por tentativa de homicídio e se terem protegido com a imunidade diplomática.

“Ficámos a saber que os filhos dos diplomatas, com 14, 15 e 16 anos se podem passear livremente por este país, conduzir embriagados, matar, roubar ou violar que nada lhes sucede e, pelos vistos, o governo português também não se preocupa com isso. O que sucedeu ao meu filho pode suceder a qualquer um, e o resultado vai ser o mesmo“.

Questionada sobre se alguma vez foi contactada por algum membro do Governo português, a mãe de Rúben Cavaco explica que “nem nos últimos meses nem nunca“.

“Até hoje não houve qualquer membro do Governo, do Ministério dos Negócios Estrangeiros ou de outra entidade do Estado que me tivesse contactado para o que quer que seja. Apenas recebi um telefonema do Presidente da República quando o meu filho estava internado e um ramo de flores do embaixador do Iraque“, garantiu.

Vilma Pires acrescentou ainda que “não há um único dia que não me lembre daquela noite e todos os dias dou graças a Deus por o meu filho se ter salvo, o que ainda acho um milagre depois de o ter visto como morto”.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Vergonha é pouco, a conta de palhaços como este é que os “senhores” da nota fazem o que querem e bem lhes apetece a troca de meia dúzia de tostões, sim porque a indemnização para quem pagou foi apenas uns trocos e ainda se ficaram a rir.
    Qualquer dia a nova atração turística em Portugal é vir dar porrada a putos estúpidos a troca de uns tostões.
    No mínimo ficavas sem nacionalidade portuguesa e passavas a ter nacionalidade da langonhaland.

  2. Vergonha é pouco, a conta de palhaços como este é que os “senhores” da nota fazem o que querem e bem lhes apetece a troca de meia dúzia de tostões, sim porque a indemnização para quem pagou foi apenas uns trocos e ainda se ficaram a rir.
    Qualquer dia a nova atração turística em Portugal é vir dar porrada a putos estúpidos a troca de uns tostões.
    No mínimo ficavas sem nacionalidade portuguesa e passavas a ter nacionalidade da langonhaland.

  3. Justiça?!? Já se está mesmo a ver…aqui em Portugal quando se mexe com os “grandes” fica sempre tudo em “àguas de bacalhau”. Venha mais um joguito de futebol que o povo esquece tudo. É isto e os fogos que alastram Portugal com mão criminosa, temos que chamar os submarinos do Portas para “ajudar” a combater os fogos porque pelos vistos os helis não chegam.

  4. Será que eu entendi bem? (Espero que não) Será que estão a comentar que têm vergonha do agredido? Que a vítima é “um palhaço” e que lhe devia ser tirada a cidadania? Isso quer dizer que os agressores são uns heróis? Isso quer dizer que a justiça faz muito bem em ser inoperante? Com gente assim eu é que tenho vergonha de ser português, povo ruim que só está bem a fazer o mal. Felizmente que nem todos somos assim, ainda temos alguns cidadãos que agem com civismo. O que me dói mais é que esta gente também vota, o que mostra bem a qualidade de políticos e governantes que vão sendo eleitos. É apenas a minha opinião. Certo é que não vão faltar críticas destrutivas ao meu comentário, mas essas passam-me ao largo. Imaginem que esta gente poderia fazer justiça pelas próprias mãos, eram linchamentos diários (ou horários)… Onde nós chegámos. 🙁

RESPONDER

"Contra tudo e contra todos". Moedas fez história em Lisboa

O cabeça de lista da coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança à Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, afirmou hoje ter vencido “contra tudo e contra todos”, porque “a democracia não tem dono”, agradeceu o “voto de confiança” e comprometeu-se …

Ventura admite que “vitória não foi total” ao falhar objetivo de ficar em terceiro

O líder do Chega admitiu hoje que a “vitória não foi total” nas autárquicas de domingo, ao falhar o objetivo de ser a terceira força política, mas defendeu que se “fez história” em Portugal, recusando …

Liveblog Autárquicas. Carlos Moedas ganha Lisboa

Realizam-se este domingo Eleições Autárquicas em Portugal, nas quais está em jogo a eleição de 308 presidentes de câmaras municipais, os seus vereadores e assembleias municipais, bem como 3091 assembleias de freguesia. Acompanhe tudo no …

Contra a "vigarice" das sondagens, "o PSD teve um excelente resultado"

O PSD conseguiu todos os objectivos a que se propôs nestas eleições autárquicas, segundo Rui Rio. O presidente do PSD considera que o partido teve "um excelente resultado" contra a "vigarice" das sondagens e "contra …

Medina assume derrota em Lisboa. "É uma indiscutível vitória de Carlos Moedas"

Fernando Medina acaba de assumir a derrota nas eleições autárquicas, felicitando Carlos Moedas pela vitória na Câmara de Lisboa. "É uma indiscutível vitória pessoal e política de Carlos Moedas", sublinha Medina. "Foi um privilégio servir esta …

Costa: "PS continua a ser o maior partido autárquico nacional"

António Costa canta vitória nas eleições autárquicas, apesar de ainda não se conhecerem os resultados finais de Lisboa, Sintra e Loures. Para o secretário-geral socialista, não há dúvida de que o "PS continua a ser …

O "primeiro amarelo" para Costa e o "CDS superou todos os objectivos"

"O CDS superou todos os objectivos a que se propôs nestas autárquicas". É assim que Francisco Rodrigues dos Santos, líder do CDS-PP, canta vitória, considerando que António Costa "viu o seu primeiro cartão amarelo". Na reacção …

Pegadas provam que as Américas foram povoadas milhares de anos antes do que pensávamos

Investigadores descobriram evidências da presença de humanos nas Américas: pegadas com, pelo menos, cerca de 23.000 anos. A nossa espécie começou a migrar para fora de África há cerca de 100.000 anos. Além da Antártida, as …

Jerónimo assume que CDU ficou "aquém", mas não é "determinante para a política nacional"

Jerónimo de Sousa reconhece que os resultados da CDU, nas eleições autárquicas, ficaram "aquém" dos objectivos, mas alerta que não são "determinantes para a política nacional" e rejeita a hipótese de deixar a liderança do …

Geringonça à direita... ou à esquerda? Com Moedas e Medina taco a taco, IL e Bloco entram em jogo

Freguesia a freguesia, eis como Fernando Medina e Carlos Moedas estão a disputar a eleição para a Câmara de Lisboa. As sondagens dão um empate técnico e a Iniciativa Liberal já manifestou que está disponível …