Ministério Público desconhece paradeiro dos filhos do ex-embaixador iraquiano

(cv) SIC

Os filhos do embaixador do Iraque em Portugal deram uma entrevista à SIC para contar a sua versão dos factos

O Ministério Público desconhece o paradeiro dos gémeos iraquianos acusados de tentativa de homicídio de um jovem, tendo a procuradora do processo solicitado à Procuradoria-Geral da Republica para pedir às autoridades do Iraque que notifiquem os arguidos da acusação.

“Antes de pedir a intervenção da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal), seguindo a via hierárquica, se solicitará à Procuradoria-Geral da República que se digne a proceder à tradução da acusação e, de acordo com os pertinentes procedimentos e os canais próprios, para que se digne diligenciar junto das autoridades iraquianas pelos bons ofícios para notificação da acusação, por serem os arguidos cidadãos iraquianos, filhos de funcionário da República do Iraque, com quem continuarão a residir em domicílio e país que se desconhecem”, refere o despacho de acusação do Ministério Público (MP), a que a agência Lusa teve acesso esta sexta-feira.

O MP deduziu acusação contra Ridha e Haider, filhos do antigo embaixador iraquiano em Lisboa, que à data dos factos tinham 17 anos, por tentativa de homicídio do jovem Rúben Cavaco, na madrugada de 17 de agosto de 2016, em Ponte de Sor, Portalegre.

“Nos presentes autos não foi possível constituir arguidos e interrogar nessa qualidade Haider Saad Ali e Rhida Saad Ali, desconhecendo-se o seu domicílio atual e país de residência, tendo apenas sido informado nos autos que saíram de território nacional português, pelo que em Portugal não gozam de imunidade diplomática. Desse modo, adquirem aqueles o estatuto de arguidos com a acusação e prosseguem os autos sem o respetivo interrogatório, por impossibilidade de os notificar”, explica a procuradora Aurora Rodrigues.

Na quinta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, disse, numa resposta à Lusa, que realizará “imediatamente”, pela “via diplomática apropriada”, a diligência que a Procuradoria-Geral da República peça no processo que envolve os filhos do antigo embaixador iraquiano, acusados de tentativa de homicídio.

Os filhos do embaixador tinham imunidade diplomática, ao abrigo da Convenção de Viena, e o Governo português pediu ao Iraque, por duas vezes, o levantamento da imunidade para que os jovens pudessem ser ouvidos em interrogatório e na qualidade de arguidos sobre o caso das agressões.

Em ambas as situações, as autoridades iraquianas “suscitaram questões jurídicas” e acabaram por retirar, em 2017, o então embaixador em Lisboa.

Assim, ao longo de todo o processo, devido à imunidade diplomática que as autoridades iraquianas sempre se recusaram a levantar, nunca foi possível interrogar os filhos do embaixador nem aplicar alguma medida de coação.

O despacho de acusação acrescenta que “deverá ser solicitado às autoridades iraquianas que no momento da notificação seja lavrado termo de identidade e residência aos arguidos, para o que deverá ser remetido formulário próprio”.

“Não obstante não ter sido possível constituir arguidos e interrogar Haider Saad Ali e Ridha Saad Ali e de os mesmos se terem ausentado de Portugal, desconhecendo-se o seu atual domicílio e país de residência, entendo que tal decorre da imunidade diplomática de que beneficiavam e da saída do país do então senhor embaixador da República do Iraque, de quem são filhos, e que essas circunstâncias não dependeram da sua vontade“, sublinha a procuradora do MP.

Assim, a magistrada entende que o termo de identidade e residência é a “medida cautelar bastante”, até porque, sublinha, “não se afigura que exista receio da prossecução da atividade delituosa”, razão pela qual “deverá ser lavrado o termo de identidade e residência”.

Segundo a acusação do MP, os arguidos, “na sequência de uma discussão e confrontos físicos anteriores, agrediram de forma violenta a vítima, derrubando-a e atingindo-a com murros e pontapés direcionados em especial à cabeça e à face, deixando-a inanimada e só devido à pronta intervenção médico-cirúrgica não sobreveio a morte”.

Os factos ocorreram na madrugada de 17 de agosto de 2016, quando o jovem Rúben Cavaco foi espancado em Ponte de Sor pelos filhos do embaixador do Iraque em Portugal, Haider e Ridha, gémeos que tinham, à data, 17 anos.

O jovem sofreu múltiplas fraturas, tendo sido transferido no mesmo dia do centro de saúde local para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e chegou mesmo a estar em coma induzido. Acabou por ter alta hospitalar no início de setembro de 2016.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Trincão ainda não pôs os pés em Camp Nou e já tem pretendentes

O português Francisco Trincão, contratado em março passado pelo Barcelona ao Sporting de Braga, ainda não colocou os pés em Camp Nou e já tem clubes interessados na sua compra ao clube catalão. O negócio que …

Costa e Conte perfeitamente alinhados. Previsões de Bruxelas exigem um acordo europeu imediato

Os primeiros-ministros de Portugal e de Itália defenderam que o agravamento das previsões negativas da economia da Comissão Europeia impõe um acordo entre os 27 Estados-membros já na próxima reunião do Conselho Europeu. Esta posição comum …

Novo Banco vendeu ativos com 70% de desconto a fundo com ligações ao seu chairman

O chairman do Novo Banco, Byron Haines, liderou um banco detido pelo fundo norte-americano Cerberus. Foi precisamente este fundo a que o Novo Banco vendeu quase 200 imóveis com um desconto de 70%. O Novo Banco …

As antigas águas da Austrália estavam cheias de escorpiões gigantes predadores

As antigas águas em redor da Austrália podem ter estado cheias de enormes escorpiões marinhos predadores que mediam 2,5 metros de comprimento. Conhecidos como Eurypterida, estes animais ferozes foram os maiores predadores marinhos a aparecer no …

Siza Vieira sobre Efacec: Estado está a salvar uma empresa viável e não os bancos que financiaram Isabel dos Santos

O ministro da Economia esclareceu esta terça-feira que o Estado está a “salvar uma empresa” e não “os financiadores e os acionistas” da Efacec e que o valor da indemnização não será suficiente para saldar …

Casos de covid-19 encerram Câmara de Paços de Ferreira. Presidente está infetado

A Câmara Municipal de Paços de Ferreira, distrito do Porto, anunciou esta quarta-feira que o seu edifício sede se encontra temporariamente encerrado depois de terem sido detetado casos positivos de covid-19 entre os trabalhadores. "A …

Megaoperação do SEF. Três detidos e 150 possíveis vítimas de tráfico humano e imigração ilegal

Uma megaoperação do SEF, em Santarém, já levou à detenção de três suspeitos de tráfico humano e imigração ilegal. Já foram identificadas 150 possíveis vítimas. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) está a levar a …

Conjuntivite pode ser um sintoma primário de covid-19

Uma equipa de investigadores canadianos identificou a conjuntivite como um novo sintoma primário de covid-19. Os cientistas alertam os oftalmologistas para os perigos inerentes. Os sintomas mais frequentes associados à infeção pela covid-19 são: febre, tosse …

Seis estrangeiros fugiram do aeroporto de Faro. Três já foram encontrados

Um grupo de seis pessoas fugiu esta terça-feira do Espaço Equiparado a Centro de Instalação Temporária do aeroporto de Faro, tendo as autoridades já localizado três delas, revelou esta terça-feira o Serviço de Estrangeiros e …

MP investiga “festa covid” que terá gerado contágio entre estudantes do Politécnico da Guarda

O Ministério Público instaurou um inquérito para averiguação da prática dos crimes de propagação de doença contagiosa e de instigação pública após alguns estudantes do Instituto Politécnico da Guarda (IPG) terem sido infetados com o …