União Europeia publica contrato com Astrazeneca. Londres falou em “risco para a segurança nacional”

Christian Bruna / EPA

A Comissão Europeia publicou esta sexta-feira uma cópia redigida do seu contrato com a AstraZeneca para a compra de vacinas contra o vírus da covid-19, que até agora era sigiloso.

“Na sequência do pedido renovado da Comissão Europeia em 27 de janeiro de 2021, a empresa farmacêutica AstraZeneca concordou em publicar o contrato assinado entre as duas partes em 27 de agosto de 2020”, lê-se no comunicado. “A Comissão congratula-se com o compromisso da empresa no sentido de uma maior transparência na sua participação no lançamento da Estratégia de Vacinas da UE.”

Nem todas as partes do contrato são legíveis, como é o caso de alguns detalhes de faturas.

O contrato da AstraZeneca é o segundo a ser publicado, depois de ter sido feito o mesmo com o da CureVac.

De acordo com um funcionário da Comissão Europeia, citado pelo Politico, a União Europeia (UE) estava “100% aberta” à publicação do contrato completo, para que Bruxelas e a AstraZeneca possam “deixar a questão de transparência para trás”.

Ambas as partes devem concordar sobre que informações serão tornadas públicas. Segundo o funcionário, a UE estaria a pressionar a empresa a publicar o contrato na íntegra.

Inicialmente, o Governo britânico recusou-se a partilhar com a UE os pormenores sobre o fornecimento de vacinas pela empresa AstraZeneca, citando riscos para a sua segurança nacional.

“O meu entendimento é que isso representa um risco para a segurança nacional”, disse a ministra responsável pelo sistema prisional britânico, Lucy Frazer, à rádio LBC.

Apesar da recusa de Londres, a Escócia anunciou que vai divulgar o número de vacinas que recebeu até agora e outros detalhes dos contratos com as farmacêuticas.

As autoridades da UE ficaram irritadas depois de o CEO da AstraZeneca, Pascal Soriot, ter revelado uma série de partes condicionais do contrato numa entrevista na terça-feira ao jornal italiano La Repubblica.

Na quarta-feira, funcionários da UE confirmaram que a Comissão Europeia concordou em pagar à empresa 336 milhões de euros para garantir a capacidade de produção para os 27 estados membros da UE. Porém, uma parte significativa dessa soma não foi paga.

A UE ameaçou reaver este dinheiro se a AstraZeneca não entregar todas as doses que prometeu para o primeiro trimestre do ano. Esse défice significaria menos 75 milhões de doses do que o previsto.

A Comissão Europeia também propõe controlo de exportação de vacinas após acusar a empresa de vender as suas doses previstas para a UE noutros lugares.

Apesar do conflito e do clima de tensão entre as suas partes, uma fonte europeia garantiu que “não há nenhuma guerra da UE com as empresas farmacêuticas e não há nenhuma competição da UE com outros países pela entrega das vacinas”.

A Comissão Europeia aprova esta sexta-feira um novo mecanismo de notificação e autorização, que obrigará qualquer empresa a informar as autoridades aduaneiras das suas remessas de vacinas para países terceiros.

Numa situação de “falha do abastecimento” interno, as autoridades da UE poderão intervir e não autorizar a exportação até que o fornecimento da Europa esteja assegurado, de acordo com o jornal Público.

“Não estamos a falar da Europa primeiro. Esta não é uma questão de prioridade, de quem é primeiro ou segundo. Para nós, é uma questão da responsabilidade de honrar compromissos, independentemente da sua jurisdição”, disse um responsável europeu.

“O objetivo é claro: garantir que temos vacinas no nosso mercado. Existe uma reserva de stock que é para entrega na UE. E portanto, se as doses que deviam ficar na UE forem para exportação, a UE terá de intervir”.

“Lamentamos a contínua falta de clareza sobre o calendário de distribuição de doses, e solicitamos que a AstraZeneca nos apresente um plano detalhado para a rápida entrega das quantidades de vacinas que reservamos para o primeiro trimestre do ano”, disse a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides. “Estamos todos a trabalhar para resolver o problema”, garantiu uma fonte do executivo comunitário.

A AstraZeneca prevê entregar 31 milhões de doses à UE até final de março mas, de acordo com uma fonte comunitária, o contrato apontava para “os três dígitos” (algo mais perto dos 100 milhões). No total, o contrato prevê a compra de 300 milhões de doses, com possibilidade de aquisição de 100 milhões adicionais.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Mais uma prova da nossa dependência em relação ao exterior, a Rússia conseguiu fabricar a sua vacina, a China vai pelo mesmo caminho e não tardará que esteja a invadir o mercado mundial, os Estados Unidos vão pelo mesmo caminho e nós europeus continuamos a ver navios a passar, se alguma fábrica por cá existe é filial de outra no exterior e não se avançou em reforçar essas fábricas nem na descoberta de uma vacina, desta forma estamos dependentes de outros!

RESPONDER

PSD ignora decisão da concelhia na Guarda e escolhe candidato à revelia

A direção nacional do PSD é acusada de ter ignorado a decisão da concelhia na Guarda e ter escolhido um candidato às eleições autárquicas à revelia. Um grupo de militantes da Guarda apresentou uma queixa ao …

Medina apresenta auditoria sobre manifestações em Lisboa “nos próximos dias”

O Presidente da Câmara de Lisboa revelou que “na sequência da auditoria”, que será conhecida nos próximos dias, irá tomar “as medidas para assegurar que não voltam a acontecer” falhas na proteção de dados de …

As abelhas-operárias reproduzem-se fazendo clones (quase perfeitos) de si mesmas

Uma equipa de investigadores da Universidade de Sydney descobriu que as abelhas-operárias, uma espécie encontrada na África do Sul, se reproduzem fazendo clones quase perfeitos de si mesmas. Algumas pesquisas anteriores indicavam que algumas abelhas-operárias se …

"Quero entender o que aconteceu comigo": Eriksen já reagiu ao colapso em campo

O internacional dinamarquês Christian Eriksen já reagiu à sua queda inanimada dentro do relvado, dizendo que está melhor e que quer entender o que aconteceu. O encontro entre Dinamarca e Finlândia, da primeira jornada do Grupo …

Segunda tentativa. Ricardo Salgado começa hoje a ser julgado no âmbito da Operação Marquês

O ex-banqueiro Ricardo Salgado, de 76 anos, deverá começar a ser hoje julgado por três crimes de abuso de confiança, devido a transferências de mais de 10 milhões de euros, no âmbito do processo Operação …

Teletrabalho deixa de ser obrigatório a partir de hoje. Exceto em quatro concelhos

O teletrabalho deixa de ser obrigatório a partir de hoje, passando a ser recomendado na generalidade do território de Portugal continental, exceto nos quatro concelhos que apresentam taxas de incidência de covid-19 superiores aos limites …

Variantes do coronavírus podem escapar dos anticorpos espalhando-se através de supercélulas

Variantes do coronavírus, como a britânica e a sul-africana, podem escapar dos anticorpos espalhando-se através de supercélulas, revela um novo estudo. Os anticorpos que criamos depois de sermos infetados com um vírus ou vacinados contra ele …

Estudo apresenta nova visão sobre a forma como os continentes se formaram

Um estudo liderado por geólogos da Monash University apresenta uma nova visão sobre a forma como os primeiros continentes da Terra se formaram. Apesar da Terra se ter formado há mais de 4,5 mil milhões de …

Cientistas descobrem novo exoplaneta semelhante a Neptuno

Uma equipa internacional de colaboradores, incluindo cientistas do JPL da NASA e da Universidade do Novo México, descobriram um novo exoplaneta temperado, do tamanho de Neptuno, com um período orbital de 24 dias orbitando uma …

Feira do Livro do Porto partilha recandidatura de Moreira. "Foi erro de funcionária"

A câmara do Porto explicou que a partilha do ‘post’ sobre a recandidatura de Rui Moreira feita este domingo na página de Facebook da “Feira do Livro do Porto” se deveu a “erro de uma …