Trump quis atacar Irão na semana passada (mas terá sido dissuadido)

Stefani Reynolds / EPA

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O Presidente cessante dos Estados Unidos, Donald Trump, quis atacar o Irão na semana passada por causa do programa de enriquecimento de urânio, mas os conselheiros dissuadiram-no, noticiou na segunda-feira o jornal The New York Times.

O diário nova-iorquino detalhou que Trump discutiu o assunto numa reunião na quinta-feira, um dia após as Nações Unidas, através da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), indicarem um aumento nas reservas iranianas de urânio enriquecido.

A reunião na Sala Oval contou com a presença do vice-Presidente, Mike Pence, do secretário de Estado, Mike Pompeo, do novo secretário de Defesa interino, Christopher Miller, e do chefe do Estado-Maior, general Mark Milley.

Todos eles dissuadiram o Presidente de lançar um ataque militar contra as instalações iranianas, considerando que tal agressão “podia facilmente escalar para um conflito mais amplo”, num momento de incerteza política nos Estados Unidos.

No final da reunião, o ataque às instalações nucleares foi descartado, disseram fontes, que pediram para não serem identificadas, citadas pelo The New York Times.

Um ataque militar, que segundo o jornal podia ser com mísseis, mas também cibernético, teria como alvo as instalações nucleares iranianas na cidade de Natanz, onde inspetores da AIEA deram conta de reservas de urânio enriquecido de 2.449 quilogramas, bem acima do limite máximo de 300 quilos estabelecido no pacto nuclear firmado com as grandes potências mundiais.

O Irão começou a produzir urânio de maior pureza no ano passado, numa violação ao acordo nuclear para pressionar os países europeus, em resposta à saída dos Estados Unidos do pacto em 2018.

O acordo, assinado em 2015, previa certas limitações ao programa nuclear do Irão para que este não pudesse fabricar uma bomba nuclear a curto prazo.

Em troca, as sanções internacionais contra Teerão foram suspensas, embora os Estados Unidos tenham restabelecido medidas punitivas em 2018, incluindo um embargo ao petróleo.

Trump retira tropas dos Estados Unidos no Afeganistão e Iraque

A administração de Donald Trump pretende reduzir o número de tropas norte-americanas no Afeganistão para metade até 15 de janeiro de 2021, indicou esta segunda-feira um responsável oficial norte-americano citado pela agência noticiosa Associated Press (AP).

A ordem fica aquém do objetivo do Presidente Donald Trump, que deverá abandonar o cargo em 20 de janeiro após as recentes presidenciais, quando admitiu previamente a retirada total das tropas até ao final de 2020, uma posição que enfrentou a oposição de conselheiros militares e diplomáticos.

O Pentágono também pretende cortar o número de tropas norte-americanas no Iraque para 2500, uma redução de mais de 500 efetivos. As decisões não causaram surpresa, na sequência das alterações promovidas na liderança do Pentágono por Trump durante a passada semana, quando promoveu pessoas de confiança que partilham a sua frustração com a contínua presença militar em zonas de guerra.

Estas reduções constituem um sucesso de Trump nas suas semanas finais no poder, apesar de continuar a recusar reconhecer a sua derrota nas presidenciais de novembro face ao democrata Joe Biden.

O responsável oficial indicou que os chefes militares foram informados durante o fim de semana sobre a planificação das retiradas, estando a ser delineada uma ordem executiva que ainda não foi entregue aos comandos.

O responsável oficial solicitou o anonimato pelo facto de constituírem deliberações internas. Atualmente, os Estados Unidos mantêm entre 4.500 e 5.000 tropas no Afeganistão, e mais de 3.000 no Iraque.

De acordo com esta ordem, a redução das tropas estará finalizada apenas cinco antes de Biden assumir a presidência, uma cerimónia prevista para 20 de janeiro, e transmitindo-lhe uma pequena presença militar em duas zonas de guerra decisivas.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. O imperialismo é como uma tóxicodependência. Por mais que se tente parar, nunca se consegue. E por fim morre-se de overdose… Só espero que a overdose dos EUA não nos atinja a nós, que não conseguimos libertar-nos do vício da vassalagem aos americanos…

      • Os meus “pontapés” – muito voluntários – impediram-no de perceber o que eu estava a dizer? É como dizer: “Não como este magnífico bife do lombo porque está servido num prato cujo desenho não me agrada…”

  2. Caros Sr.s

    Pretende-se que o V/ serviço seja escrito em português. Para o efeito é bom que as pessoas que produzem estes textos sejam portugueses falantes e que saibam um mínimo de protuguês.
    Quando afirmam “…os Estados Unidos mantêm entre 4.500 e 5.000 tropas …” cometem um erro terrível. Tropa é uma palavra que designa um colectivo. Tropa é um conjunto de soldados. Assim, aquilo que se lê é que “… os USA mantêm entre 4.500 e 5.000 grupos de militares (ou grupos de soldados). e como um grupo tem de 0 a infinito, temos que a presença militar dos EUA no Afeganistão e no Iraque é de … não se consegue saber …

  3. O que o Donald Trump fez, e como qualquer outro presidente tem sempre feito, foi reunir com os seus conselheiros seniores numa reunião na “Oval Office” para discutirem se ele tinha ou não opções para tomar medidas contra a principal instalação nuclear do Irã nas próximas semanas.
    O anterior presidente fez muito, mas mesmo muito, pior. Ele bombardeou países, iniciou guerras, usou a chamada “Kill List” (lista de matança) e tudo sem ir ao Congresso. Afirmando que, e pelas suas próprias palavras “há momentos em que a força militar é necessária”.
    Só em 2016, ele mandou lançar 26.171 bombas no Iraque, Afeganistão, Líbia, Iémen, Somália e Paquistão. Matando centenas de civis inocentes.
    E mais, o Donald Trump é o primeiro PRIMEIRO presidente dos EUA que não deu início a novas guerras em mais de 40 anos. Aliás, ele retirou as tropas Norte Americanas das guerras em que a administração Obama/Biden iniciaram.
    https://www.nytimes.com/2020/11/16/us/politics/trump-iran-nuclear.html

RESPONDER

A candidata a primeira-ministra da Hungria, Klára Dobrev.

Num futuro sem Orbán, a oposição escolhe entre um novo conservador ou uma liberal divisiva

Os opositores de Viktor Orbán estão na dúvida quanto ao candidato para enfrentar o atual primeiro-ministro nas próxima eleições. Esta indecisão pode custar-lhes o assalto ao cargo. Viktor Orbán é um nome recorrente na política húngara. …

Nuno Melo, do CDS/PP

Nuno Melo ataca líder do CDS por anunciar sentido de voto sem consultar deputados

O candidato à liderança do CDS-PP criticou, este sábado, o atual líder do partido por ter comunicado publicamente a intenção de votar contra a proposta de Orçamento do Estado sem se ter reunido com os …

Vaticano tem três celas e um só prisioneiro. Uma onda de julgamentos pode mudar isso

Dez pessoas vão ser julgadas no Vaticano por crimes relacionados com a venda de um edifício em Londres. Visto como limitado e sombrio, o sistema judicial da cidade-estado está a mudar. Carlo Capella é o único prisioneiro …

Alexandra Leitão diz que "não há trabalhadores a mais na Administração Pública"

A ministra da Modernização do Estado assegura que não há trabalhadores a mais na Administração Pública e assume toda a abertura do Governo para negociar, "com humildade e responsabilidade", medidas adicionais às inscritas no OE2022. Em …

Start-up israelita quer fazer roupa a partir de algas

A Algaeing, criada em 2016, é uma empresa que converte as algas numa fórmula líquida, que depois pode ser usada como corante ou transformada num tecido. A indústria da moda é uma das responsáveis pelas emissões …

O antigo Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton

Bill Clinton já teve alta hospitalar e deve regressar a Nova Iorque

O ex-Presidente dos Estados Unidos deixou, neste domingo de manhã, o hospital da Califórnia onde foi internado com uma infeção, informou o chefe da equipa de médicos que o tratou. "O Presidente Clinton teve alta do …

Acordo escrito. Bloco diz que Governo "conhece bem" os pontos negociais

O Bloco de Esquerda anunciou, este domingo, que vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais colocados em cima da mesa no início de setembro, aos quais declara não ter obtido resposta …

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem com menos de 540 euros por mês

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza, ou seja, com menos de 540 euros por mês, uma realidade que afeta famílias numerosas, mas também quem vive sozinho, idosos, crianças, estudantes …

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira

"Subida do salário mínimo é para manter", diz Siza Vieira

O ministro da Economia destaca que a trajetória do aumento do salário mínimo nacional "é para manter", assegurando que a meta é que este suba até aos 750 euros em 2023. Em entrevista ao semanário Expresso, …

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

Cabo Verde extraditou Alex Saab para os Estados Unidos

O empresário Alex Saab, considerado pelos Estados Unidos testa-de-ferro do Presidente da Venezuela deixou a ilha do Sal, este sábado, em cumprimento do pedido de extradição das autoridades norte-americanas. "Isto configura um rapto. Foi novamente raptado", …